Análise – Luigi’s Mansion 3

Foi em véspera de Halloween que Luigi trouxe um monte de fantasmas até à minha Nintendo Switch. Mas em vez de me assustar e arrepiar, fez-me derreter de charme e magia, como só a Nintendo é capaz.

Luigi’s Mansion 3 foi o primeiro jogo da série com que tive contacto e, curiosamente, o primeiro jogo do irmão de Mario que joguei. Porém, sabia logo desde início que ia gostar, ou não fosse esta série inspirada na saga de ficção e fantasia Ghostbusters.

A premissa deste episódio é simples e fácil de seguir. Mario, Luigi, Peach, Toad e mais uns quantos amigos vão de férias para um hotel, aparentemente de luxo, o Last Resort. Das sombras e por detrás das máscaras dos funcionários e gestores, revela-se um conjunto de fantasmas e seres sobrenaturais que rapta todos os amigos de Luigi num ato de vingança planeado pelo King Boo, um dos arqui-inimigos do jovem canalizador.

Assim, com a ajuda do seu fiel companheiro Polterpup, um cão fantasma, Luigi pega na sua lanterna e procura uma maneira de salvar os seus amigos e deitar abaixo o “reinado” do King Boo.

Um lançamento simples que serve de suporte para imensas desventuras ao longo de um jogo cheio de segredos e pequenos episódios contados através de da exploração, resolução de puzzles e de diversos e variados confrontos com bosses.

Visuais em Luigi's Mansion 3

Logo desde os primeiros momentos de jogo, Luigi’s Mansion 3 deixou-me de queixo no chão e a coçar a cabeça. A primeira coisa que me saltou à vista foi, curiosamente, um aspeto menos positivo: o peso do jogo devido aos 30fps. Achei inesperado, especialmente quando outros jogos com Mario e companhia costumam ser mais fluidos. Mas rapidamente percebi o porquê deste pequeno sacrifício.

Luigi’s Mansion 3 é extremamente bonito e detalhado, tão bonito como ver um filme animado. A diferença entre cinemáticas em tempo-real e o jogo são nulas e a qualidade dos visuais e dos materiais são impecáveis. No ecrã da pequena Switch, o jogo parece mesmo um filme interativo, com passagens entre jogo e cinemáticas fluídas e as animações ricas e dinâmicas.

O controlo de Luigi é simples e orgânico e vai mudando de postura à forma que vamos navegando entre os vários espaços das dezenas andares do Last Resort. Quase todos os elementos e itens dos cenários são dinâmicos e interativos, escondendo segredos e caminhos alternativos de uma forma que puxa para a exploração e revisitação de locais, como poucos jogos hoje em dia são capazes.

Ao longo da nossa aventura, vamos ainda ter um leque de ferramentas e itens que ajudam a progredir e revisitar níveis antigos, como o aspirador Poltergust, que permite aspirar tudo, incluindo fantasmas, ou interagir com outros diferentes itens, e o recurso a uma das novidades deste jogo (introduzidas no remake do primeiro jogo na Nintendo DS), o Gooigi, um clone gelatinoso que nos permite passar entre passagens mais apertadas e caminhos secretos, que também pode ser controlado por um segundo jogador para sessões cooperativas.

Luigi’s Mansion 3 é um jogo mecanicamente denso, que, ao logo da nossa jornada, vai acumulando novas formas de jogo e de utilização do Poltergust, deixando ainda espaço para descobrirmos novas formas de usar as nossas ferramentas. Cada área de cada nível é extremamente detalhado e há quase sempre uma surpresa atrás de um objeto ou quadro mágico, que só descobrimos se usarmos a ferramenta certa.

Luigi e Gooigi em Luigi's Mansion 3

A exploração e a resolução dos puzzles estão colocadas de forma inteligente até nas batalhas com os bosses, tornando cada novo episódio, ou neste caso andar, numa aventura diferente com a sua própria história e resolução. Os bosses são, por vezes, autênticos puzzles por decifrar, com pontos fracos por explorar e que tiram partido para vitórias muito satisfatórias.

Apesar de tudo o que o jogo nos dá, por vezes não é muito fácil controlar Luigi. Algumas ações são accionadas nos botões Y/X/B/A ao mesmo tempo que temos que mover o analógico direito, como por exemplo o uso da lanterna ou o lançador de ventosas. Por vezes, a ginástica necessária para fazer uma ação dá a impressão de que estamos a lutar contra o jogo, algo que se torna bastante notório em momentos de maior ação.

Contudo, esta pequena crítica pode estar ligada à forma quase atrapalhada como Luigi se comporta, dando aquele toque de charme especial à personagem.

Luigi’s Mansion 3 é um autêntico deleito e que, para mim, foi até inesperado. Mecanicamente denso, visualmente impressionante e cheio de motivos para explorar e progredir, Luigi’s Mansion 3 é um jogo imperdível para ter na Nintendo e daqueles títulos perfeitos para jogar nesta época festiva que se aproxima.

Nota: Muito Bom - Recomendado

Luigi’s Mansion 3

Plataformas: Nintendo Switch
Este jogo foi cedido para análise pela Nintendo Portugal.

Com uma apresentação tão sólida, Luigi’s Mansion 3 é como um filme de animação interactivo, cheio de personagens adoráveis, níveis tão dinâmicos e muitos segredos por explorar.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,846FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

A Nintendo Switch pode deixar de receber novos jogos da Xbox

Segundo o chefe de divisão da Xbox, as conversões não são sustentáveis.

Final Fantasy VII e VIII em pack duplo a caminho da Nintendo Switch

Final Fantasy VIII também será relançado na PlayStation 4

Análise – Hades

Fujam do submundo num dos melhores títulos deste final de ano.

Nintendo Switch recebe uma edição especial dedicada a Fortnite

A nova edição inclui um par de Joy-Cons com cores exclusivas.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Nova campanha do moey! dá cashback caso sejam clientes MOCHE

Uma campanha que serve tanto para clientes atuais moey! como para quem ainda não tem conta.

Ghostrunner salta para a nova geração de consolas em 2021

Com atualização gratuita para quem começar a correr nas consolas atuais.