Lisboa Film Orchestra – Celebrar a sétima arte da melhor forma possível

Foi no domingo passado que o Campo Pequeno encheu para receber um novo espetáculo da Lisbon Film Orchestra. Algum tempo antes da hora prevista, já conseguíamos ver as filas a crescer, revelando a antecipação que o público tem para com este espetáculo que consegue reunir toda a família num concerto que nos leva numa viagem única pelo mundo dos filmes e das séries. Era a celebração da sétima arte no melhor formato possível, ao vivo e com uma orquestra.

- Publicidade -

Ao entrarmos no Campo Pequeno, chegou-nos o cheiro típico de pipocas, que, por norma, não encontramos nesta sala. Aqui, porém, fazia todo o sentido, até porque o propósito era o de experienciar os nossos filmes e séries preferidos de uma maneira completamente diferente. A Lisbon Film Orchestra interpreta os melhores temas de algumas longas-metragens com o objetivo de chegar às gerações mais novas e, dessa forma, os fazer apaixonar pela música tocada por uma orquestra.

A orquestra quis conquistar o público logo ao primeiro hit, dando como pontapé de saída o medley de Star Wars, uma das melhores bandas sonoras de uma galáxia muito, muito longe. Óbvio que foi a euforia total às primeiras notas tocadas.

De seguida, de maneira a não deixar cair o nível de expectativa criado, veio Indiana Jones com seu tema icónico. Daí para a frente, fomos presenteados por temas como os de Harry Potter, Senhor dos Anéis, 007: Skyfall e, também, o tema mais inesperado da noite, o tema de introdução da série Casa de Papel, levando o público ao êxtase. No fim dessa performance, até o maestro gracejou com um “desta não estavam à espera”.

Mas os pontos altos da noite foram mesmo alguns dos temas da banda sonora de Inception, composta por Hans Zimmer, e a banda sonora do filme de Amália, sendo ótimo poder ver algo português nesta perspetiva. No final, acabámos com o maestro a lutar de sabre de Luz na mão contra um sith e, logo depois, o adeus com Missão Impossível.

Saímos do concerto com a sensação de ver e rever todos os filmes que foram apresentados neste espetáculo composto por cerca de 60 músicos que fizeram o público vibrar com esta experiência imersiva.

Vimos uma máquina extremamente bem montada musicalmente, mas, a acompanhar as bandas sonoras históricas, fomos sendo presentados com imagens estáticas dos filmes em formato slideshow, algo que não conseguiu fazer jus ao resto.

A Lisbon Film Orchestra irá regressar com um novo espetáculo a 1 de março de 2019, pelo que esperamos lá estar, juntamente com as 5 mil que esgotaram o Campo Pequeno, para ver se o projeto consegue melhorar essa parte visual.

A Lisbon Film Orchestra é uma organização sem fins lucrativos que doou os lucros deste espetáculo à Fundação Make-a-Wish. Mais uma boa razão para lá estarmos em 2019.

Texto por: Bernardo Bismarck; Foto de destaque de: João Vasco

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,471FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Concerto dos Cut Copy em Portugal está agora agendado para outubro de 2021

Naturalmente, os bilhetes já adquiridos mantêm-se válidos para a nova data.

Tiamat são um dos cabeças-de-cartaz do festival Under The Doom 2021

O evento realiza-se entre 4 e 5 de dezembro de 2021, no Lisboa ao Vivo.

Trivium regressam a Portugal em 2021

Será que vão ter novamente o cantor Toy como convidado especial?

Ghostemane regressa a Portugal em novembro de 2021

Ainda este ano, antes da pandemia, Ghostemane deu espetáculos em Portugal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

OPPO Find X será das primeiras séries de smartphones 5G com o novo processador Snapdragon 888

Os novos dispositivos deverão chegar ao mercado no primeiro trimestre de 2021.

Samsung pode estar em vias de acabar com a linha Galaxy Note

As quebras no segmento e pandemia de COVID-19 são as razões apontadas para este possível fim.

Corsair iCue 4000X RGB – Forma, função e estilo

Seja num cenário profissional de produtividade, lazer ou entretenimento, a caixa é, por vezes, deixada para último plano quando se monta um PC. Mas não deveria de ser o caso.