Câmara Municipal de Lisboa vai lançar plataforma alternativa à Uber Eats sem custos para os restaurantes

Será apresentada muito em breve.

pedidos em grupo
- Publicidade -

Quem já utilizou, e utiliza, a plataforma Uber Eats, saberá certamente que os preços apresentados na plataforma são mais caros do que o valor original das opções em si. Afinal de contas, para que os restaurantes possam ter lucro, os pratos apresentados na plataforma têm de ser mais caros para os clientes, pois devido a todas as taxas aplicadas, só assim os estabelecimentos conseguem subsistir.

Claro, quem fala em Uber Eats, fala também nas outras plataformas, como Glovo e, mais recentemente, a Bolt Food. Pois bem, Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, declarou “guerra” a estas plataformas.

Em entrevista ao Observador, o autarca referiu que ia fazer queixa na Autoridade da Concorrência por cartelização dos serviços. Contudo, o que saltou à vista na entrevista foi o facto de o responsável ter referido que, em breve, ia lançar uma plataforma alternativa para concorrer com esses serviços de delivery. A vantagem? Será uma alternativa sem custos.

E ao ser mais vantajosa para os restaurantes, tal significa que os próprios espaços em si poderão baixar o preço dos pratos em relação aos praticados na Uber Eats e outras plataformas de delivery.

Contudo, resta saber ao certo como irá funcionar esta plataforma. É que, não correspondendo às expectativas, facilmente os utilizadores esquecem a sua utilização. Além disso, e embora as intenções de Medina possam ser as melhores, resta saber se, de facto, o preço final praticado por esta nova plataforma será mais vantajoso também para o cliente.

Quem utiliza as plataformas de delivery saberá, também, que são várias as promoções que estão constantemente em vigor. E isso poderá fazer toda a diferença.

Depois destas declarações, a Glovo veio a público dizer que estas críticas às comissões “não têm razão de ser”, uma vez que as mesmas refletem os custos do serviço, como o pagamento dos estafetas, e não propriamente a margem do negócio em si. A Uber Eats ainda não comentou a decisão de Fernando Medina.

- Publicidade -

3 Comentários

  1. Concordo com o Medina, acabem com essas empresas, criem uma empresa nacional para que o país cresça.
    Sejamos unidos, essas empresas além de explorar os trabalhadores ainda enganam os clientes.
    Abram o olho…Força Portugal

  2. Gosto muito do sr Medina tem Toda a razão, acabem com esses tiranos das plataformas da uber e da glovo, que o dinheiro dos portugueses Seja gasto numa plataforma de delivery nacional

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Uber Eats acaba de ficar disponível na Nazaré

O serviço já cobre mais de 70% da população portuguesa, estando disponível em mais de 80 cidades nacionais.

Uber Eats já recolhe refeições de mais de 40 lojas Continente nas zonas da grande Lisboa e grande Porto

Até 20 de julho, está em vigor uma promoção especial de 2x1 em todas as refeições quentes.

Uber Eats chega a Azeitão, Sesimbra, Peniche, Sines e Aveleda

Atualmente, o Uber Eats cobre mais de 70% da população portuguesa, estando disponível em mais de 80 cidades nacionais.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Stray, o jogo do gato, recebe um novo vídeo de jogabilidade

Simulador de gato em ambiente cyberpunk.

Há uma nova loja Meu Super em Santiago de Piães (Cinfães)

É a 27ª loja Meu Super no distrito de Viseu.