Análise – La-Mulana 1 & 2

Lançado originalmente em 2005, La-Mulana marcou os primeiros passos da indústria independente no Japão, iniciando uma pequena revolução e uma nova aposta no saudosismo e na homenagem aos clássicos que ainda hoje marcam a atualidade. Mas quando Takumi Naramura se lançou no desafio de recriar uma experiência próxima de títulos como Castlevania e Super Mario Bros., o mercado era pequeno, as sensibilidades e exigências eram outras e a sua motivação muito mais forte do que a que vemos nesta reedição dos dois títulos da série.

- Publicidade -

Naramura trouxe-nos uma homenagem e uma tentativa em recriar algo próximo da era dos 16-bits, mas sem a limitação física das consolas, com o primeiro jogo a chegar ao PC numa versão agora esquecida. Depois de um remake, lançado para a WiiWare, a série de ação e plataformas estreia-se nas consolas atuais, apostando na exploração e na dificuldade, com os nossos heróis a lutarem contra um leque variado de monstros e figuras mitológicas enquanto procuram por tesouros perdidos e outras regalias.

La-Mulana é, acima de tudo, um jogo com um mundo quase-aberto, onde cada zona tem vários caminhos alternativos, tesouros escondidos e outras surpresas. Não me arrisco a dizer que é um protótipo de metroidvania ou algo semelhante, mas é o equivalente a um título de aventura com uma área principal onde podemos comprar novas armas e equipamentos. Os jogos apresentam ainda um sistema monetário que influencia a nossa progressão e um pequeno, mas presente, sistema de evolução que nos permite melhorar os pontos de vida dos nossos exploradores.

la mulana

Para um jogo em 2D, com um pixel-art que aguentou o teste do tempo – ainda que a sequela se destaque mais a nível visual –, é interessante ver como o design dos níveis é variado e muito desafiante. Existem inimigos e armadilhas à nossa espera, a dificuldade é acentuada e sentimos que cada escolha poderá determinar a nossa sorte.

No entanto, o design consegue ser demasiado confuso e de leitura difícil devido às suas cores mais neutras, apostando muito em tons de cinza, e em estruturas, como escadas, que se misturam com os cenários. É um jogo simples, mas ao mesmo tempo com alguns problemas que evidenciam a sua idade.

Em ação, La-Mulana é simples. É um jogo de ação e plataformas onde podemos saltar, atacar – com o famoso chicote – e utilizar várias armas secundárias, que podemos escolher através do menu. Os níveis dividem-se, assim, por secções de salto, algumas muito desafiantes, e no combate rápido contra inimigos e bosses. No primeiro jogo, o salto é muito rígido e difícil de controlar, existindo pouco espaço para alterar a trajetória.

Já em La-Mulana 2, senti um maior controlo sobre a personagem, ainda que o combate tenha sofrido poucas alterações. O grande destaque vai para os confrontos contra os bosses, que podem envolver mais do que atacar e saltar, com momentos em que estamos, por exemplo, presos a um rio ou com um monstro enorme capaz de nos atacar de qualquer lado.

Há, portanto, uma simplicidade inerente à jogabilidade que contrasta com a aposta numa estrutura mais aberta. Cada caminho é uma porta para novas zonas e senti que não existem escolhas erradas. A presença de um HUB, onde podemos falar com outras personagens, dá aos dois jogos uma sensação de segurança, sendo possível regressar, quando possível, às suas lojas e expandir o nosso armamento.

la mulana 2

É preciso, claro, apostar na descoberta de tesouros e juntar o maior número de moedas se quisermos comprar os melhores equipamentos, uma motivação que se mantém presente do início ao fim. La-Mulana, e a sua sequela, tem assim um lado mais RPG, sem o ser, e uma aposta na personalização, sem o ter.

Se a nível gráfico os jogos sobreviveram ao teste do tempo, o mesmo não posso dizer da sua jogabilidade. La-Mulana 2 é um jogo muito mais limado e fácil de controlar, com a protagonista, a jovem Lumisa Kosugi, a ter um salto mais seguro e uma maior fluidez na movimentação, mas não posso dizer o mesmo do título original. Há uma rigidez desmotivante no jogo, nos seus saltos, nos ataques e até na deslocação. Não podemos saltar das escadas, não há qualquer variedade na jogabilidade e nunca nos sentimos como verdadeiros exploradores.

Apesar da sua aposta na exploração, na compra de itens e na descoberta de tesouros, a série La-Mulana parece ser, ao mesmo tempo, muito retrograda e presa aos títulos que tentou homenagear.

La-Mulana vive da sua popularidade e importância numa indústria que ajudou, ainda que indiretamente, a crescer. No entanto, 15 anos é muito tempo e algo se perdeu nesta passagem entre gerações. Muito mudou. E La-Mulana, especialmente o primeiro jogo, ficou na mesma. A série terá os seus fãs, acredito que sim – basta olhar para as classificações no Steam –, mas não serei um deles. Se tiverem, ainda assim, curiosidade, aconselho-vos a apostar apenas em La-Mulana 2, o melhor da série. É o máximo que consigo recomendar.

Nota: Satisfatório

La-Mulana 1 & 2

Plataformas: Xbox One, PlayStation 4, Nintendo Switch
Este jogo (versão PlayStation 4) foi cedido para análise pela Bandai Namco.

Um pacote que poderá deliciar os fãs de plataformas e ação, mas que sofre por estar perdido no tempo e pro ter uma jogabilidade que teima em não evoluir para além da sua fórmula.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,026FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
788SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.

Análise – R-Type Final 2 (PlayStation 4)

Um regresso há muito esperado de uma das séries mais icónicas do género shoot’em up.

Análise – New Pokémon Snap (Nintendo Switch)

Uma viagem nostálgica e refrescante, mas limitada.

Os Prémios Esports Portugal foram adiados para 2022

A pandemia da COVID-19 ainda não garante uma celebração em segurança.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo filme de Dragon Ball Super prestes a ser anunciado

Houve um leak acidental... do site oficial.

First Cow vai ficar disponível em Portugal em exclusivo na MUBI

Quererá isto dizer que não vai chegar aos cinemas portugueses?

Análise – Teclado G.Skill RIPJAWS KM570 RGB

Oiçam o clicar das teclas deste teclado da G.Skill.