Joana Espadinha – A celebração

Joana Espadinha não é, felizmente, um nome desconhecido na pop portuguesa. Apesar da sua presença nos Happy Mess, a razão deste facto prende-se com “Leva-me a Dançar”, single em nome próprio, que nos tomou de assalto em 2018, uma canção exemplar, fruto de uma melodia eficaz e letra bem orelhuda. Foi um bom prenúncio ao álbum, O Material Tem Sempre Razão, lançado meses depois.

Ao final de um ano de concertos, o culminar deu-se no Villaret. Uma celebração que foi motivo para convidados especiais, Benjamim – que produziu o álbum –, Samuel Úria – confesso fã de Joana Espadinha – e ainda o irmão desta que acompanhou à guitarra acústica algumas das canções.

O início das hostes foi o espelho do álbum com “Jogo das Cadeiras”, um exercício que mostrou um grupo coeso, transpondo a obra sem fugir ao álbum com uma ótima performance. “Pensa Bem”, outro single, outra canção muito bem conseguida, alimenta a atenção por esta pop viciante tendo, no entanto, dado asas a um momento cómico fruto da reação de Joana Espadinha ao notar que o seu teclado estava fora de nota e jocosamente concluiu que o material tem sempre razão. “Contramão” e “Vai Ser Melhor” (canção que, notou Joana Espadinha, foi escrita sobre o sofrimento de mulheres vítimas de violência doméstica) seguiram-se na mostra da pequena, mas muito boa, obra da cantora.

Fomos depois presenciados com a apresentação de “Queda Para a Desgraça”, uma canção nova e que deveria ter sido um dueto com Luísa Sobral – que não pode estar presente – foi cantada então a par com Margarida Campelo, teclista da banda, dando azo a um bom resultado. “Sem Emenda”, “Mais Uma Estrada”, a já tão esperada “Leva-me a Dançar” e “Zero a Zero”, obra de Benjamim e Joana Espadinha para o Festival da Canção, foram aumentando a boa disposição e vontade de ouvir mais.

Que noite maravilhosa! Muito obrigada a todos os que vieram fazer a festa connosco, estou muito feliz! Obrigada aos…

Publicado por Joana Espadinha em Quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Seguiu-se a canção que dá nome ao álbum para nos cativar ainda mais (como se tal fosse preciso) e “Ao Seu Dispor”, peça do álbum Avesso (2014), uma sátira despretenciosa – palavras da autora – ao entretenimento, que nos dá um primeiro piscar de olhos ao primeiro álbum, relevante, de Joana Espadinha. As surpresas da artista continuaram, desta vez com a presença de Samuel Úria, com a sua assinalável “Lenço Enxuto”. Ainda houve espaço para uma versão de “Estou Além” do grande António Variações.

Aproximávamo-nos do final, que ainda nos trouxe “Qualquer Coisa”, último single a ser lançado recentemente, uma versão a cappella de “Voo Raso” cantada com o público e, como não poderia deixar de ser, “Leva-me a Dançar” com a presença de todos os convidados e o público todo de pé, literalmente, a dançar fecharam uma noite muito bem passada.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,470FansCurti
4,048SeguidoresSeguir
536SeguidoresSeguir

Relacionados

- Publicidade -

Mais Recentes

Glovo vai chegar a Santarém em breve

Tudo indica que essa expansão vai acontecer ainda este mês.

Bilhetes para a Festa do Avante! já estão à venda

A chamada EP (Entrada Permanente) dá acesso aos três dias de festa. Os bilhetes diários só poderão ser adquiridos nos próprios dias da realização do evento.

Burger Wheels. Nova hamburgueria de Setúbal inaugura a 9 de junho

Para já irá funcionar somente através do Uber Eats. No futuro, quando a pandemia de COVID-19 acalmar, o espaço irá abrir ao público.