Infinitebook troca 10 cadernos usados por um reutilizável

É uma campanha que serve também para alertar o consumidor para o desperdício de papel.

Infinitebook
- Publicidade -

O ano letivo começou há umas semanas e o impacto da compra de manuais escolares já foi contabilizado. Segundo o Ministério da Educação, a taxa de reutilização de livros nos últimos anos ultrapassava já os 50%, um dado importante do ponto de vista ambiental e que sofreu um revés com a decisão da Assembleia da República de impedir a reutilização de manuais escolares no ano letivo 2020/2021.

Mas se 2020 trouxe um retrocesso na reutilização de manuais escolares, a Infinitebook quer reverter a tendência no que diz respeito aos cadernos. Como? Com a Infinitechange, uma campanha inovadora que prevê a oferta de um Infinitebook por cada 10 cadernos usados.

Os interessados terão apenas de possuir 10 cadernos usados e inscreverem-se aqui. Depois basta aguardarem pelo dia 3 de novembro, data em que será feita uma seleção aleatória dos participantes inscritos. O Infinitebook – o famoso whiteboard portátil reutilizável – será entregue em mãos pela própria empresa, juntamente com uma caneta, num ecoroadshow nacional que irá, ao mesmo tempo, recolher os 3000 cadernos para reciclagem.

Mas a campanha não termina aqui. A 10 de novembro, a marca pretende ainda plantar 300 árvores, uma por cada Infinitebook entregue.

Desde a criação do caderno reutilizável, a empresa já conseguiu evitar a produção de 77 toneladas de papel e o consumo de 47 milhões litros de água (o equivalente a 17 piscinas olímpicas), bem como salvar mais de 1540 árvores, uma estimativa daquilo que seria utilizado na produção de cadernos não reutilizáveis.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,770FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Há pessoas a fazerem-se passar por profissionais de saúde para agendar vacinação

O agendamento da vacina não é feito ao domicílio, alerta a Direção-Geral da Saúde (DGS).