Galaxy Fold. Dobrável da Samsung chega a 23 de dezembro a Portugal

É oficial: Portugal será o oitavo país da Europa a receber o Galaxy Fold, o primeiro smartphone dobrável da Samsung. A apresentação do dispositivo aconteceu hoje na nova loja da marca sul-coreana no Centro Comercial Colombo, que surge em parceria com a Phone House, e que é, também, a primeira loja a estrear um novo conceito no sul da Europa.

Este produto, que promete marcar o início de uma nova era de equipamentos móveis, é descrito pela marca, e bem, como um produto “altamente premium”. José Correia, diretor de marketing da Samsung Portugal, disse, na altura da apresentação, que o objetivo é mesmo o de dar uma “experiência premium”, não havendo preocupação com o número de vendas deste equipamento tão especial.

No entanto, o responsável também revelou que muitos parceiros pediram para a tecnológica lançar o Fold em Portugal antes do fim do ano, até para apelar a um cliente mais endinheirado e que queira causar espanto junto dos seus neste Natal que se aproxima.

A aposta na experiência é tão forte que a Samsung revelou que terá uma linha de apoio telefónica dedicada para os clientes do Galaxy Fold disponível 24/7. Isso mesmo, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Para quem quiser mexer neste dobrável da Samsung antes de o ponderar comprar, poderá fazê-lo em cerca de 15 lojas em Portugal, embora os responsáveis não tenham definido ao certo quais aquelas que terão o Galaxy Fold em exposição.

Mas vamos a detalhes mais concretos. O Galaxy Fold poderá ser pré-reservado a partir de 6 de dezembro, com o equipamento a chegar às lojas a 23 de dezembro, ou seja, bem a tempo da época natalícia.

Com um preço de 2049€, que não é, de todo, para qualquer carteira, traz alguns mimos que ajudam a justificar este valor: carregador, auriculares Galaxy Buds e até uma capa protetora feita a partir de Kevlar.

Além disso, a Samsung disponibiliza-se a reparar o ecrã interior do Fold na íntegra um ano após este ter sido adquirido. Bem útil caso um azar gigante aconteça.

Como é, lá está, um produto premium, a Samsung referiu ainda que, aquando da aquisição, o cliente irá receber uma formação para a melhor utilização possível do Fold. Por exemplo, sabe-se que, em relação à dobra ao centro, é necessário ter alguns cuidados para que não se registem vincos.

O Echo Boomer esteve uns minutos com o dobrável da Samsung na mão e percebeu que, apesar da dobra se notar ligeiramente se olharmos ao longe para o dispositivo, tal não é tão percetível quando o temos na mão. É mais pesado que um smartphone convencional, é certo, algo que se justifica graças ao facto de ter duas baterias, mas a experiência multimédia parece incrível, especialmente quando está aberto. Já a qualidade fotográfica promete não desiludir.

Em relação à dobra, o Galaxy Fold pode ser dobrado e desdobrado 200.000 vezes, o mesmo que dizer que o podemos abrir e fechar 100 vezes por dia durante cinco anos. Ao efetuarmos este movimento in loco, notámos que existe alguma suavidade no processo. Ou seja, não parece demasiado forçado, embora a experiência de dobragem do equipamento ainda possa ser bastante aprimorada.

O Galaxy Fold pode ser adquirido nas cores Cosmic Black e Space Silver.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,157FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

RTP Play acaba de chegar às smart TVs da Samsung

Ficou até disponível em modelos de 2015!

Galaxy S20 Fan Edition (FE) é oficial, custa 679€ e chega a 2 de outubro

Há ainda uma versão preparada para o 5G e que é 100€ mais cara.

Vários smartphones e tablets da Samsung vão ter três anos de atualizações Android

Ou seja, e ao que tudo indica, irão receber futuras edições do sistema operativo móvel da Google.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Gone Girl

Com um dos melhores argumentos e elencos da década respetiva, Gone Girl não podia ser mais chocante.

Crowdville. A plataforma que paga aos utilizadores por testarem apps e serviços online

Basicamente, estamos a ser pagos para que possamos dar a nossa opinião sobre algo.