Fundo Ambiental tem 10 milhões de euros para ajudar os portugueses a adquirir veículos elétricos

E não, não falamos apenas de automóveis.

- Publicidade -

Este ano, o Fundo Ambiental, criado pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, apoia com 10 milhões de euros a aquisição de veículos elétricos e de mobilidade suave. Este montante representa mais do dobro das edições anteriores.

Ora, e numa tentativa contínua de incluir todas as formas de mobilidade suave, foram consideradas novas tipologias:

  • Tipologia 5 – Motociclos, ciclomotores, triciclos, quadriciclos e outros dispositivos elétricos de mobilidade pessoal (DEMOP). Trata-se de um projeto piloto no qual se incluem todos os veículos de mobilidade elétrica que não tenham enquadramento nas demais categoriais, os denominados DEMOP (trotinetas, patins, skates, hoverboards, monowheel). Para esta tipologia estão alocados 525.000€, o que corresponde previsivelmente a 1.050 incentivos.
  • Tipologia 6 – Carregadores para condomínios. As candidaturas podem ser efetuadas por moradores em edifícios em propriedade horizontal de três formas distintas (morador individual em condomínio; grupos de condóminos e administrações de condomínio). O apoio a conceder é de 80% por lugar de estacionamento (com um máximo de 800€ por lugar) para aquisição de carregador com ligação à Mobi.E, aos quais podem acrescentar-se 80% para instalação elétrica (com um máximo de 1.000€ por lugar). Está ainda incluída a oferta de ligação à Mobi.E, por dois anos, para permitir a separação da contagem de eletricidade para carregamento da contagem das partes comuns do edifício. Nesta tipologia são disponibilizados 500.000€, o que poderá corresponder a 277 apoios.

Quanto ao apoio para a aquisição de veículos de passageiros elétricos por pessoas singulares, aumentou de 3.000€ para 4.000€, mantendo-se o limite de um incentivo por candidato e exclusivo para pessoas singulares, tal como em 2021. Para os veículos ligeiros de mercadorias 100% elétricos, o valor do apoio mantém-se nos 6.000€ por viatura.

Nas bicicletas de carga, com ou sem assistência elétrica, o apoio foi revisto em alta. Traduz-se agora em 50% do valor de aquisição do veículo, até ao máximo de 1.500€, no caso de bicicletas de carga com assistência elétrica, ou de 1.000€, no caso de bicicletas de carga sem assistência elétrica.

As bicicletas elétricas de uso citadino passam a contar com um apoio de 500€, o que representa um aumento de 150€ face a 2021, aumentando igualmente o montante disponível para esta categoria, que poderá alcançar, no mínimo, 4.550 apoios. Nas bicicletas convencionais mantém-se o apoio de 100€, mas subiu o valor disponível para esta tipologia, podendo chegar às 1.500 unidades.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Fatores-chave que influenciarão a aceitação dos veículos elétricos no mercado de Portugal nos próximos anos

Algumas visões sobre as mais importantes tendências que irão moldar o desenvolvimento da mobilidade elétrica nos próximos anos no mercado de Portugal.

Fundo Ambiental apoia famílias na compra de gás engarrafado

Segundo dados da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), há 762.320 beneficiários da tarifa social de energia elétrica.

Fundo Ambiental promove várias ações para divulgar o Programa Vale Eficiência

Este é um apoio destinado a famílias economicamente carenciadas.

Veículos elétricos superaram as vendas dos veículos a gasóleo pela primeira vez em Portugal

A este ritmo, certamente que o último trimestre do ano trará valores mensais médios de vendas bem acima das três mil unidades.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Galp Smart Store. Nesta loja não existem caixas de pagamento (nem funcionários)

A smart store da Galp está localizada na área de serviço Gago Coutinho e vai estar aberta ao público 24 horas/7 dias a partir de junho.

Grupo espanhol investe 38 milhões de euros em projeto de hidrogénio verde na zona industrial da Tocha

Grupo espanhol investe 38 milhões de euros em projeto de hidrogénio verde na zona industrial da Tocha

Feira Internacional do Artesanato de regresso a Lisboa

Três pavilhões diferentes, num total de 30 000 m² de área expositiva.