Fórmula 1 – Grande Prémio da Estíria com vitória esmagadora de Max Verstappen

Estamos quase a bater na marca de um ano desde que a prova rainha do desporto automóvel vê os seus Grandes Prémios acontecerem com restrições devido à pandemia de SARS-CoV-2. Quase um ano depois estamos de volta à Áustria, desta vez para o Grande Prémio da Estíria, para ver o Red Bull de Max Verstappen a ter uma vantagem soberba sobre o segundo classificado, Lewis Hamilton.

- Publicidade -

Um sábado animado onde Max Verstappen conseguiu a pole position, seguido de Lewis Hamilton, Lando Norris, Sergio Pérez e Valtteri Bottas. George Russell, da Williams Mercedes, conseguiu um excelente P10 depois de Yuki Tsunoda ter sido penalizado por atrapalhar Bottas numa volta rápida durante a qualificação. Estava tudo pronto para uma corrida que se esperava, pelo menos na minha cabeça, animada e com boas hipóteses de lutas interessantes na frente, bem como a meio da tabela, com Russell a ter uma excelente oportunidade para pontuar pela primeira vez ao volante do seu Williams.

Volta 1. Curva 1. Curva 2. Curva 3. Charles Leclerc com dano na asa frontal após ter danificado por completo o pneu, e parte da suspensão, traseiro esquerdo de Pierre Gasly (obrigando o francês a não completar mais do que uma volta). Ricciardo está em P9, Tsunoda em P10 e Russell em P8 e a aguentar-se bem. Leclerc já parou e Latifi pára também o seu Williams depois de ter ficado com alguns danos no carro… enquanto isto, os cinco da frente continuam na mesma posição em que estavam, mas com Max e Hamilton a ganharem alguma vantagem aos restantes três carros logo após as primeiras voltas.

Foi na volta 7 que reparei, pela primeira vez, que a corrida ia, quase de certeza, cair para o lado da Red Bull e de Max Verstappen. Passadas sete voltas, Pérez até podia estar ainda a tentar passar Lando Norris, mas Max Verstappen já levava 2.746 segundos de vantagem para o rival Lewis Hamilton. A velocidade era tanta lá para a frente que Latifi, um dos primeiros pilotos a parar, foi também o primeiro a ser dobrado por Max, que continuava a voar baixinho.

Salto para a volta 13 para vos contar que, por esta altura, existiam duas corridas. A de Max com Hamilton, bem lá na frente. Mais atrás tínhamos os outros carros que iam lutando para conseguir uma melhor posição, mas nunca para ganhar a corrida. Lando Norris já tinha deixado passar o Red Bull e o Mercedes e estava agora em P5, talvez para conseguir aguentar os pneus iniciais por um maior número de voltas. Já Russell estava a fazer a corrida da sua vida ao volante de um Williams e, na volta 22, continuava em P8 a conseguir apertar Fernando Alonso e a sua P7, ao mesmo tempo que conseguia defender a sua própria posição dos ataques do japonês da AlphaTauri.

Grande Prémio da Estíria
Crédito: Fórmula1.com

No entanto, numa altura em que Verstappen já leva mais de 5 segundos de vantagem para Lewis Hamilton, Russell parou para meter pneus de composição dura, e o que parecia ter sido uma má paragem revelou ser muito mais que isso, pois uma volta depois o piloto da Williams pára novamente. E se já parecia mau ficou ainda pior, quando na volta 39 parou de vez. Problemas no carro levam o britânico a desistir do Grande Prémio da Estíria quando já tinha visto a desaparecer a sua hipótese de pontuar pela primeira vez ao volante do Williams Mercedes.

Depois do drama de Russell e de todos os segundos que Hamilton vai perdendo para Verstappen, lá temos notícias que podem agradar à Mercedes. Pérez pára e a Mercedes responde de seguida ao mandar parar Bottas. Com a resposta rápida da construtora alemã (ao contrário do que aconteceu no último Grande Prémio), o piloto finlandês consegue ganhar posição em pista e passar para P3, ajudando assim a equipa na luta pelo campeonato de construtores. Conseguir P2 e P3 não é ideal, mas é claramente melhor que ter ambos os pilotos a perder pontos para os seus concorrentes diretos.

Durante algumas voltas parecia que Hamilton estava a gostar dos pneus de composição dura. Parecia até que estava a ganhar tempo a Max Verstappen, mas não. Foi tudo fogo de vista. 21 voltas para o fim e Max leva 6.5 segundos de vantagem. Na volta 56, o ritmo do holandês era tanto que já tinha dado uma volta de avanço a Lando Norris (P5).

Pérez pára pela segunda vez e sai da pit com pneus de mistura média numa clara tentativa de conseguir roubar a volta mais rápida a Hamilton e, assim, dar mais um ponto à sua Red Bull neste Grande Prémio da Estíria. O mexicano consegue e Hamilton já está 10 segundos atrás de Max Verstappen, isto numa altura em que também faltam 10 voltas para o fim.

Volta a volta, a distância que o holandês levava para Hamilton era maior: 12 segundos, 14 segundos, 16 segundos… nada o ia parar, a vitória era para Max Verstappen. Com tempo suficiente para parar sem perder a P2 para Bottas, Lewis Hamilton e a sua equipa começavam, certamente, a pensar em parar para conseguir, pelo menos, aquele ponto extra da volta mais rápida. Mas esperaram, e esperaram, não fosse a chuva começar e uma paragem nas boxes, ou até um pião, ajudassem o britânico a conquistar o lugar mais alto do pódio.

Grande Prémio da Estíria
Crédito: Fórmula1.com

Escusado dizer que tal não aconteceu e, no início da volta 70 (de 71), Hamilton lá parou para calçar pneus macios. A última volta foi uma festa para Max Verstappen. O piloto da Red Bull até se deu ao luxo de quase parar o carro ao lado da sua equipa que festejava antes do cruzar da meta (vejam no YouTube), tal era a vantagem que tinha. Para os pilotos da Mercedes, a última volta foi de pressão: enquanto Hamilton puxava ao máximo para conseguir a volta mais rápida, Valtteri Bottas teve que puxar, também ao máximo, para conseguir defender a sua P3, que era atacada por Sergio Pérez no Red Bull. No fim, Hamilton teve a volta mais rápida com 1:07.058 e Bottas segurou a P3… nem tudo é mau.

Dou ainda destaque aos problemas no carro de Ricciardo, que o fizeram terminar em P13 mesmo após início promissor, e ainda à fantástica corrida de Charles Leclerc que, mesmo após ter descido quase para último lugar, conseguiu subir até à 7ª posição, ficando assim nos lugares pontuáveis, mas atrás do seu colega de equipa, Carlos Sainz Jr., em P6. As posições menos más dos pilotos da Ferrari e o desaire de Daniel Ricciardo fazem com que a marca italiana continue perto da McLaren Mercedes na luta pelo 3º lugar do campeonato de construtores, isto numa semana em que a tabela classificativa não teve mudanças na classificação dos pilotos ou das equipas.

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Top 10 por pilotos

PosiçãoPilotoEquipaPontos
1Max Verstappen Red Bull Racing Honda156
2Lewis HamiltonMercedes138
3Sergio PérezRed Bull Racing Honda96
4Lando NorrisMclaren Mercedes86
5Valtteri BottasMercedes74
6Charles LeclercFerrari58
7Carlos SainzFerrari50
8Pierre GaslyAlphaTauri Honda37
9Daniel RicciardoMclaren Mercedes34
10Sebastian VettelAston Martin Mercedes30

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Top 5 por equipas

PosiçãoEquipaPontos
1Red Bull Racing Honda252
2Mercedes212
3Mclaren Mercedes120
4Ferrari108
5AlphaTauri Honda46
- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Grande Prémio de França – P1 para Max Verstappen e dois Mercedes no pódio

De volta ao circuito Paul Ricard para a edição de 2022 do Grande Prémio de França, os Ferrari pareciam fortes tendo em conta a forma apresentada durante os treinos e qualificação...

Fórmula 1 – Grande Prémio da Áustria foi agridoce para a Ferrari

A Ferrari acertou na estratégia e preparava-se para subir aos dois lugares mais altos do pódio do Grande Prémio da Áustria quando o motor do Ferrari de Carlos Sainz cedeu à batalha com Max Verstappen, o espanhol acabou com o carro em chamas e Max quase que conseguia segurar o primeiro lugar depois de alguns problemas assombrarem também o carro de Charles Leclerc.

Fórmula 1 – O Grande Prémio de Inglaterra foi dos melhores do ano

Fórmula 1 deveria ser sinónimo de emoção. Mas a verdade é que nem sempre é assim, alguns Grandes Prémios podem mesmo ter partes aborrecidas em que a ação em pista não acontece. O Grande Prémio de Inglaterra foi o oposto: emoção da primeira à última volta que resultou no melhor Grande Prémio deste ano, uma corrida que a única coisa que teve de negativo foi o acidente ao na primeira volta. Felizmente Zhou Guanyu está bem e fica apenas para a história como um susto.

Fórmula 1 – Grande Prémio do Canadá de volta e com emoções fortes

Depois de alguns anos sem acontecer, a edição de 2022 do Grande Prémio do Canadá foi uma para relembrar.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Balada para Sophie, banda desenhada portuguesa, vai ser adaptada a série pela Universal

IDW anunciou a adaptação de cinco títulos de banda desenhada para várias plataformas, e uma é da autoria do português Filipe Melo.

Concerto dos Backstreet Boys em Lisboa está esgotado

Agora só mesmo através de um passatempo... ou mercado em segunda mão.