fbpx

Dão Capital – Encruzado e Touriga Nacional brilharam no Mercado da Ribeira

A sexta edição do Dão Capital, evento organizado pela Comissão Vitivinícola Regional do Dão e pela revista Grandes Escolhas, teve casa cheia, com o piso de cima do Time Out Market, em Lisboa, a apresentar uma grande moldura humana pela altura da nossa visita.

Estiveram, assim, durante dois dias em Lisboa, 33 produtores de vinhos desta região icónica, por alguns chamada a Borgonha de Portugal, bem como diversas iguarias para acompanhar as provas, com enchidos e queijo da Serra da Estrela. Realizaram-se ainda provas especiais focadas na casta Touriga Nacional no primeiro dia, e Encruzado, no segundo.

Assim, apresentam-se de seguida os nossos destaques em relação ao que se provou no certame, separados por brancos e tintos:

Brancos

Ao falar de brancos do Dão não dá para fugir a um nome: Encruzado. Esta casta de excelência tem aqui o seu habitat natural e a Casa da Passarella é um dos seus produtores mais relevantes. O Abanico Reserva 2018 é um belo exemplar do que se faz por aquelas vinhas. Com um ano de estágio, e na casa dos 9€/10€, temos aqui uma relação qualidade/preço assinalável. O Enólogo, monocasta Encruzado com 25% com dois anos de barrica está ainda jovem, e os 14€/15€ a gastar por uma garrafa deverão ser acompanhados por alguma paciência, pois toda a fineza da sua acidez só tem ganhar com mais tempo em garrafa.

Para finalizar, Villa Oliveira 2016, o rótulo bandeira da Passarella. Na casa dos 35€/40€, temos aqui um expoente do Encruzado em vinhas velhas. Bem polido, para beber já numa ocasião especial ou para guardar. Daqueles casos que, estivesse o produtor localizado uns quilómetros mais a Norte, e o preço seria algumas vezes maior.

Quinta do Carvalhão Torto: Desta quinta em Nelas, no coração do Dão, e com o mesmo nome em rótulo, o Quinta do Carvalhão Torto 2018 tem PVP recomendado de 15€/16€ e produção limitada, na casa das 2.500 garrafas. É outro grande Encruzado, bastante mineral e com algumas notas de cítrico num conjunto delicado.

Uma surpresa veio com o Barão de Nelas 2014, da família Barahona Paes de Brito. Um encruzado genuinamente diferente, com um ano de barrica e bom tempo de estágio em garrafa o que se saúda nestes tempos de pressão para a saída rápida. Bem gastronómico, com o natural crescimento e suavidade que lhe está associado aos anos de guarda, pelos 9€ recomendados, é de aproveitar sem hesitações para os apreciadores da casta.

O Dão Capital recebeu dois mil visitantes durante os dois dias do evento, que decorreu no Estúdio da Time Out, no Mercado da Ribeira em Lisboa. Partilhamos alguns momentos:

Publicado por Vinhos do Dão em Quarta-feira, 27 de novembro de 2019

A Adega de Vila Nova de Tázem tinha em mostra o Pedra d’Orca 2018, blend de Bical, Malvasia Fina e Encruzado, um entrada de gama guloso que, na casa 5€/6€, é uma boa opção para entrar neste mundo, com a sua acidez vibrante e bom final, sem perder delicadeza.

Carlos Lucas continua a ser uma presença marcante na região com o seu trabalho na Quinta do Ribeiro Santo. O Ribeiro Santo 2016, com PVP (9€) e seis meses de barrica de pouca tosta em segunda mão, continua não obstante a presença da madeira mostrar as características de frescura do Encruzado, e muita fruta. A beber ou guardar. Em alternativa, e sem passar por madeira, o Automático 2018 (11€/12€). Mais fechado, mais ácido mas mais natural também, quem o gostar mais suave pode bem ganhar com a guarda. Mas nós gostámos assim.

Tintos

Para começar, referência a um projeto ainda recente e que, para já, apenas se dedica aos tintos: A Quinta de Silvares, onde o rei dos Verdes, Anselmo Mendes, procura explorar novos terroirs. Desta forma, o lote de Touriga Nacional, Alfrocheiro, Tinta Roriz e Jaen que dá corpo ao Quinta de Silvares 2015 (PVP 9€) apresenta-se bem acabado, suave, com muita fruta silvestre resultante do Touriga Nacional equilibrado pelas restantes castas.

De volta à Casa Passarella, e O Enólogo Vinhas Velhas 2016 (PVP 15€/18€), de vinhas com 85 anos, está um verdadeiro mimo. Com a fruta silvestre sempre presente, mas envolvido em elegância sem perder o volume. A pedir comida e boa companhia. Rumo aos topos de gama, o Villa Oliveira 2015, de preço alinhado com o branco, é um Touriga Nacional de grande pureza mas forte complexidade, fruta e especiarias, cheio de vida e pronto para guardar durante largos anos, de final longo.

Atenção especial para o Villa Oliveira Vinhas das Pedras Altas 2014 (PVP 35€/40€), um vinho de parcela única de vinhas com bastante Alfrocheiro, de carácter mais seco, com toque de alguma mineralidade. Caso muito sério.

Por último, a Quinta dos Carvalhais apresentou diversas opções no Dão Capital, e em particular, o Quinta dos Carvalhais Reserva 2016, com preço de recomendado na casa dos 25€/27€, é um vinho de qualidade superior no lote dominado pela Touriga Nacional mas também com alguma Tinta Roriz, e lançamento apenas em anos que cumpram com os critérios de exigência. Denso, grande mistura de especiarias, fruta silvestre e mineralidade.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
629SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Mercado Ferreira Borges vai ter uma feira dedicada a vinhos portugueses em setembro

Será a 3ª edição do Vinhos a Descobrir Wine Market, mostra e feira de vinhos produzida pela Inspire.

Os vinhos do ator e cineasta John Malkovich chegaram a Portugal

Estão já disponíveis no mercado nacional todas as cinco referências do produtor.

Vinhos da Sogrape dão pontos que podem ser trocados por vales Netflix, Ikea ou Galp

Se costumam comprar alguns vinhos em específico, então este passatempo é para vós.

JMV lança loja online. Há vinhos, espumantes, cafés e chás

Nesta fase de lançamento, a JMV arranca com uma campanha que coloca mais de 40 produtos com preços especiais.
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Enola Holmes

Enola Holmes oferece uma agradável e refrescante visão de uma franchise que pode ter ganho um novo futuro.

Análise – Xiaomi Mi TV Stick

A pen que transforma uma TV antiga numa SmartTV.