- Publicidade -

Explosions In The Sky – Uma explosão na Aula Magna

-

“Boa noite! Obrigado por estarem aqui hoje. Celebramos vinte anos de banda e é um prazer estarmos aqui esta noite. Somos explosões no céu.” Foi com estas palavras – cada uma delas ditas em português e com direito a tradução direta de Explosions In The Sky -, que a banda de post-rock abriu o concerto na Aula Magna, no passado dia 1 de fevereiro. Foi uma viagem instrumental que serviu, e bem, como celebração de tantos anos de carreira da banda.

Com um público bastante eclético, era possível sentir as cadeiras desta sala de espetáculos a abanar, de tanto headbanging que acontecia ao som das guitarras de Munaf Rayani e de Mark Smith, da bateria de Christopher Hrasky e do baixo de Michael James. Quem conhece bem as músicas dos Explosions in the Sky não resiste a não só abanar a cabeça, como também a cantarolar as melodias ritmadas e expectáveis que a banda apresentou em concerto.

A viagem pelo espaço começou calmamente com “A Song For Our Fathers”, do álbum How Strange, How Innocence (2000), que, com uma introdução serena, permitiu uma descolagem tranquila, até chegar, claro, a turbulenta e agitada bateria a meio da música, abrindo espaço para que a guitarra e o baixo se soltassem nos últimos momentos.

Seguiu-se “Catastrophe and the Cure”, do álbum All Of A Sudden I Miss Everyone (2007), que já tinha mais do que espaço em aberto para que o espírito mais rock da banda se pudesse apresentar ao vivo, durante quase oito minutos, com Mark Smith a consumar toda a sua energia na bateria. Uma música que é, totalmente, um descolar do foguetão, que, a meio, acaba por pairar durante um pouco – os instrumentos tocam-se num mezzo muito suave – até que, com a bateria e a guitarra numa dança estrelar, acaba por criar uma badalada constante que termina abruptamente.

As luzes intermitentes do espetáculo transmitem o público para esse ideal, variando entre o laranja, vermelho e amarelo – e com algum fumo branco, claro, a tornar o espaço mais sideral.

https://www.facebook.com/everythingisnew/posts/10151221577649950?__xts__%5B0%5D=68.ARB1lNVkNHnqB8gg_NKF35u_tIO2GucPqz55v8cUAwL8rjXgZQo2GL9OdeZ4h9ZH7QnHHcmYxdRs41hXE-WeGCBkQQBPnI0wt1-PsXHNQjA0-Lxlj1itLCHjdsR3OBuYtOBqfDGCH52frt58DmIHxrYw64djtKxd6_HVwEVzKeViUccZpBiVPJJJMfbtc_ZfrhXT8tzr7nuuETX2ZU3JlRw8kFREsZG0BGfOmkMvhYHDogOBTGGRezgkEd2SRAxC0ySbyY_j9XA0FyKAuHWozks2C7ET-NEJDOOnM5siQ2lQrAzjXwdLnOymijGX0_JSM1jqnTZEExSG_ngMI7c-&__tn__=-R

“Yasmin The Light” e “Greet Death”, ambas do álbum Those Who Tell the Truth Shall Die, Those Who Tell the Truth Shall Live Forever (2001), juntam-se a “Disintegration Anxiety” quando a viagem já vai a meio e a sensação é de relaxamento, sensação essa obtida após tantos minutos seguidos de um instrumental cadenciado, porém imprevisível, conjugado com um jogo de luzes que nos relembra uma colisão de estrelas no espaço, o aspeto de uma galáxia ou até mesmo de um buraco negro.

“Your Hand In Mine”, do álbum The Earth Is Not a Cold Dead Place (2003), era uma das músicas mais esperadas da noite. A preferida do público foi recebida com carinho e entusiasmo, numa melodia inigualável e bastante característica dos Explosions in the Sky, que, sem dúvida, acarreta uma viagem sentimental mais forte. “Have You Passed Through This Night?” contrapõe o cenário mais melódico do tema anterior e faz com que se sinta uma vontade extrema de fazer air drumming, bem vísivel no público.

A setlist contou também com “The Birth And The Death Of The Day” e “Magic Hours” antes de “Colors In Space”, do último e sexto disco de originais dos Explosions in the Sky, The Wilderness (2016). O tema foi uma passagem por um arco íris musical, com uma dança de luzes coloridas e um espectro de sete cores que se fez refletir no ar e que criou um cenário agradável e mágico de se ver.

“The Only Moment We Were Alone” (The Earth Is Not A Cold Dead Place, 2003) fez com que aterrássemos novamente nos lugares da Aula Magna, visto ser a última música da setlist, mas que, no entanto, proporcionou uma ovação em pé após a música, que tem mais de dez minutos e é, também, das mais queridas dos ouvintes da banda texana, que não tocava em Portugal desde 2016.

Fotos de: Tiago Cortez

- Publicidade -

Sigam-nos

10,010FãsGostar
4,037SeguidoresSeguir
501SeguidoresSeguir

Mais Recentes

Depois do Irista, Canon apresenta novo serviço de armazenamento na cloud

Lembram-se quando existia o serviço Irista, a cloud de armazenamento da Canon? Pois bem, é algo que não existe desde o passado dia 1 de fevereiro. Aquando do anúncio, a marca referia querer focar-se em investir nas tecnologias e serviços de imagem, como por exemplo o Canon image Gateway e o Canon Camera Connect.

10 diferenças entre o Samsung Galaxy Z Flip e o Motorola Razr

De um lado, temos aquele que pode ser considerado o anti-Galaxy Fold. Do outro, um telemóvel reinventado, uma vez que surge de uma inspiração do Motorola V3, lançado em 2004. Falamos, claro, do Samsung Galaxy Z Flip e o Motorola Razr, dois dos equipamentos mais badalados do momento, ou não fossem dobráveis.

Oficial: Elenco de Friends vai reunir-se para um especial da HBO

Pode-se dizer que é um dos segredos mais mal guardados de sempre no que toca à indústria do entretenimento. Após vários rumores e quase confirmações, agora é oficial: o elenco de Friends vai reunir-se para um especial no serviço HBO Max.

Westworld parece uma série completamente nova no novo trailer da terceira temporada

Está quase a chegar mais uma temporada de Westworld e pelo novo trailer as cowboiadas ficaram mesmo no passado.

Borderlands vai ser adaptado ao cinema

Há mais uma série de jogos a caminho do cinema. Trata-se de Borderlands, o FPS cooperativo da Gearbox, que é a próxima vitima do tratamento cinemático, com alguns nomes de peso associados.
- Publicidade -