fbpx

Os europeus acham que os andróides seriam benéficos para a sociedade

Detroit: Become Human é a mais recente aposta exclusiva da Sony para a sua consola PlayStation 4, jogo que, entretanto, tivemos a oportunidade de jogar e analisar aqui no Echo Boomer.

Um dos elementos mais interessantes do jogo, para além do modo orgânico com que a história se desenvolve através das nossas ações, é a capacidade de nos fazer questionar a realidade das personagens em contexto daquele mundo, ao ponto de comunicar com o jogador como se o próprio jogo tivesse consciência.

Num desses momentos de interação, o jogo coloca-nos questões sobre a nossa opinião sobre os andróides daquele mundo, chegando a fazer com que cocemos a cabeça com algum constrangimento. No fim, temos ainda a oportunidade de vermos a opinião dos restantes jogadores de Detroit.

Mas agora levanta-se outra questão. Qual será a opinião daqueles que não foram influenciados pelas personagens e situações apresentadas no jogo?

Numa ação de promoção do lançamento do jogo da Quantic Dream, a Sony Entertainment Europe realizou um pequeno estudo que procurou saber a opinião de pessoas de diferentes países europeus sobre a futura relação entre humanos e andróides.

No inquérito realizado no Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e Polónia, dos 3000 inquiridos, 93% consideram que os andróides podem ser benéficos para a sociedade, mas, ainda assim, parece existir um certo receio pela ascensão das máquinas como vemos na ficção científica.

Do inquérito, foi ainda possível tirar outros resultados, uns otimistas, outro mais pessimistas, sendo um dos piores (para os andróides) os 38% que consideram os andróides como um bem material, o que poderá ser muito questionável numa altura em que estes possam vir a desenvolver inteligência ou consciência.

Ainda assim, a esperança parece fazer parte deste inquérito, já que 13% dos visados consideram que os andróides devem ser tratados da mesma forma que os humanos e 17% até consideram que merecem o direito a uma vida normal, como casar, trabalhar, entre outras atividades.

Claro que tudo tem um preço e, a favor ou não destes direitos, 25% dos inquiridos considera que também os andróides deverão pagar os impostos.

Mas a resposta mais interessante e positiva está nos 75% dos inquiridos que afirmam que gostariam de criar laços de amizade com os andróides.

Uma sociedade com andróides entre nós é, para já, um cenário de ficção. Os medos, receios e romances criados em tal cenário não passam apenas de meras especulações. Até lá, ainda falta muito tempo.

Para já, com mais drama, conflitos e momentos de esperança, podemos sempre virar as atenções para Detroit: Become Human e ajudar os três andróides protagonistas a sobreviverem num mundo menos amistoso para eles.


 

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,779FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
629SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Se tens um PC de jogos podes ajudar a combater a COVID-19

O projeto Folding@Home já existe há quase 20 anos, mas neste período complicado, a NVIDIA relembra todos os entusiastas, que podem, a partir das suas casas, ajudar a combater a COVID-19.

Depois de F9, podemos ter mais dois filmes de Fast and Furious

Se nove filmes e um spin-off da saga Fast and Furious não vos chega, relaxem, porque seguindo Vin Diesel depois de F9, o décimo e, provavelmente o último filme, poderá ser dividido em duas partes.

Detroit: Become Human chega aos PCs em dezembro

A Quantic Dream prepara-se para trazer até aos PCs mais um ex-exclusivo da PlayStation 4, com Detroit: Become Human, já em dezembro.

A Samsung revela o que poderá ser o smartphone dobrável do futuro

O Samsung Galaxy Fold foi só o inicio daquilo que poderão ser os smartphones da marca no futuro.
- Publicidade -

Mais Recentes

Domino’s Pizza chegou a Leiria

A marca continua a sua expansão por Portugal.

Alain Afflelou lança óculos de sol fabricados com plásticos retirados do oceano

Em cada par de óculos H2O foram utilizadas cinco garrafas de plástico recuperado do oceano.

Turismo de Lisboa apresenta a nova rota de Arte Urbana

Lisboa foi escolhida por muitos artistas portugueses e internacionais para ser a sua tela.