Análise – Energy Earphones 6 True Wireless – Os cabos são mesmo história

A espanhola Energy Sistem parece atenta à nova tendência de, cada vez mais, surgirem dispositivos móveis, como os smartphones, que deixam para trás as portas de áudio físicas, apostando num catálogo já composto de auriculares sem fios.

- Publicidade -

Entre os seus produtos, destacam-se os Energy Earphones 6 True Wireless, um pequeno par de auriculares bastante acessíveis que têm sido gabados pela crítica em diferentes meios tecnológicos especializados.

A Energy Sistem apresenta este par dizendo que “cabos são história”. E não poderíamos concordar mais. Depois de experimentarmos os Earphones 6, foi estranho voltar a usar auriculares do género com fios.

Este par utiliza a tecnologia Bluetooth, o que garante desde logo o seu emparelhamento com praticamente qualquer dispositivo. São pequenos e compactos e têm a possibilidade de adicionar um suporte para colocar à volta da orelha. Têm um aspeto moderno e discreto sem grandes decorações, formas estranhas ou cores. Contudo, o seu aspeto simplista pode também ser atrofiante para novos utilizadores no que toca a distinguir o auricular do lado esquerdo com o do lado direito.

Sincronizar os Earphones 6 é, provavelmente, o ponto menos positivo de toda a experiência. É necessário carregar nos botões de ambos os auriculares em simultâneo, durante algum tempo, e, se não for feito logo à primeira, é possível que percam alguns minutos a tentar achar o modo de sincronização. Neste caso, é melhor procederem à leitura do manual e à interpretação de vários padrões de indicadores sonoros.

Depois deste entrave, usar os Earphones 6 é uma maravilha por duas simples razões. O som é bom e são “invisíveis”.

Atendendo ao seu segmento e custo, os Earphones 6 valem bem a pena o investimento, comportando-se de uma forma excelente. O seu som é encorpado, bem definido e com um bom isolamento. Em situação alguma senti necessidade de mexer no equalizador dos players que estava a usar (nos smartphones e no PC) e o volume máximo é suficiente para ficarmos a ouvir o que queremos sem destruirmos os ouvidos.

Aliado ao conforto do som temos o conforto da utilização. Depois de os colocarmos nos ouvidos, é muito fácil esquecermo-nos que os temos colocados. A liberdade de podermos sair de onde estamos sem a preocupação de estarmos ligados fisicamente ao dispositivo é ótima, e dei por mim a falar várias vezes com outras pessoas sem me lembrar que os tinha colocados. É que, além de isolarem bem o som durante a sua utilização, é também possível estar atento ao que nos rodeia quando estão desligados.

O alcance Bluetooth dos Earphones 6 não foge muito à regra do que encontramos noutros equipamentos do género, até mesmo se falarmos em colunas. É possível ir até outras divisões e continuarmos a ouvir a nossa música favorita, algo extremamente útil para usar quando precisamos de estar em constante movimento em tarefas mais físicas.

Os Earphones 6 trazem consigo quatro borrachas de diferentes tamanhos e dois apoios que se ligam às portas USB. Isto é algo que é de extremo valor, pois permite adaptar seus auriculares a diferentes necessidades de utilização.

O tempo de vida da bateria também impressiona, podendo ser usados durante uma tarde inteira de trabalho de secretária, non-stop, sem termos que recarregar. E, como seria de esperar, também permitem atender e fazer chamadas, podendo, para o efeito, ser utilizado apenas um dos auriculares.

Mas o que impressiona é mesmo o preço. Os Energy Earphones 6 True Wireless custam apenas 59,90€ na sua loja e revelam-se, desta forma, um concorrente de peso em relação a outras propostas do género, sendo especialmente forte contra soluções com fios.

O equipamento foi cedido para análise pela Energy Sistem.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,025FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
789SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.

Análise – R-Type Final 2 (PlayStation 4)

Um regresso há muito esperado de uma das séries mais icónicas do género shoot’em up.

Análise – New Pokémon Snap (Nintendo Switch)

Uma viagem nostálgica e refrescante, mas limitada.

Análise – Returnal (PlayStation 5)

“Vive, morre, repete”, neste jogo de ação frenético da nova geração.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes