Encontro com Vinhos – Novidades e clássicos para enófilos

- Publicidade -

Um evento com casa cheia. E ainda bem.

Pouco tempo depois de outro grande evento que tivemos a oportunidade de visitar, foi a vez de irmos desta vez ao Centro de Congressos de Lisboa, na Junqueira, para o Encontro com Vinhos, certame organizado nos dias 6, 7 e 8 de novembro pela Revista de Vinhos, publicação decana sobra a área em Portugal.

Em dia de sol de outono e com casa cheia na nave restaurada daquela que, para os mais antigos, ainda se lembram foi a casa da FIL durante décadas – agora Centro de Congressos de Lisboa -, foi possível provar diversas novidades, regressar a alguns clássicos e, ainda, molhar o pé no mundo dos destilados. A abrir, e para não sair para longe de Lisboa, O Cerrado da Porta foi uma grande maneira de começar, projeto que faz algo que poucos fazem: comercializar Arinto com alguma idade. E que diferença faz. O Quinta do Cerrado da Porta Branco Seco 2016 (PVP na casa dos 9,40€), só com estágio em inox, é um grande negócio para os amantes da casta. Nem deveria ser possível vender 2020 à data de hoje quando um pouco de espera eleva desta forma o prazer da prova. Os monocastas Peripécia, com uma interessante blanc de noirs 2016 de Pinot Noir, ou o Chardonnay 2019, na mesma ordem de preços, são também opções a ter em consideração.

Na Romana Vini, também de Lisboa, o Página Encruzado 2020 (13€), feito com batonnage e 30% em barrica, é um ótimo exemplar da casta por estas terras. Perfil sério, sílex, mas sem perder completamente a fruta. Numa gama acima, o Quinta Nogueira Reserva 2017 (20€), Sauvignon Blanc, Arinto e Encruzado e nove meses de estágio. Cor dourada e fumo a atravessar a pimenta e manteiga do Sauvigon Blanc, mais destacado no Página dessa casta.

O Grupo Abegoria tem vindo a investir forte e apresenta projetos interessantes em várias latitudes. Desde o Alentejo mais a norte, mais altaneiro, com o Terras do Crato 2020 (5€), produzido na Herdade do Gamito, e que é um bom cartão de visita para aquilo que a zona de Portalegre, em grande desenvolvimento, por apresentar. Descendo para a zona das ânforas, José Piteira é nome incontornável. O José Piteira 2020 (8€), não é talha, mas é feito em curtimenta com base de Roupeiro e a rara Diagalves. É uma delícia delicada, mas cheia de característica e verniz.

Entretanto, e após simpático convite da organização, foi possível frequentar a Masterclass sobre espirituosas da Vinalda, onde era possível provar o Gin Sharish, o Rum William Hilton e a ginja Mariquinhas, marcas comercializadas por aquela casa. No que diz respeito ao Sharish, gin de estilo Destilled/New Western Dry, produzido com o máximo de produtos naturais do Alentejo, foi servido o Gin original, com notas de gengibre, citronela e maçã bravo de Esmolfe, e o Blue Magic, onde se encontra pronunciados os silvestres de morango e framboesa. Por último, e como estrela, a última edição limitada, de 9999 garrafas, com destaque para a pêra rocha, notas de baunilha e calor a realçar. Em todos os casos, uma adição de umas gotas de água foi fundamental para realçar os sabores mais delicados de fruta.

Já quanto ao rum William Hinton, foi especialmente interessante a distinção que foi explicada entre rum de melaço, feito com aquele sub-produto de açúcar e passível de ser produzido todo o ano, e o rum agrícola, apenas possível de ser produzido durantes poucos meses do ano, em abril/maio, durante a altura do corte da cana. Foi possível provar o rum natural, de tripla destilação; o 6 anos, envelhecido em carvalho francês; e a estrela da sessão. Este último é o único destilado português com grande medalha de ouro no concurso de Bruxelas, resultando de uma combinação única de rum de diferentes idades, submetido a um estágio final com duração de nove meses. Uma grande experiência e disponível a uma fracção do preço dos concorrentes internacionais do mesmo patamar de perfil. Fica ainda a nota, a título de curiosidade, de que, em termos de envelhecimento, os rótulos são apenas publicados de três em três anos.

Com o prolongar da hora tivemos de passar a ginja e voltar cá para fora. Rumamos finalmente a Norte, com o Titan do Douro, e em particular o Titan 2019 (10€), branco de lote só com inox (está na moda e ainda bem), é mais um ao nosso gosto. Austero sem largar a frescura, cítricos leves a dar o tom. Noutro perfil, o Titan of Távora-Varosa Daemon 2019 (20€), feito a altitudes de 600/700 metros apresenta uma cor mais carregada, fruta mais tropical sem deixar a finura, um belo tranquilo feito em sítio de espumantes.

Já nos Verdes, Sem Igual é rótulo e também bom descritivo para os vinhos que se fazem por João Camizão Rocha. O Sem Igual 2017 (13€), Arinto e Azal, traz um perfil mais vegetal associado à frescura dos citrinos, e mostra que nos Verdes há muitos vinhos aparentemente simples que também merecem que se espere um par de anos antes da sua abertura. Sem Igual Ramadas Metal 2017 (24€) é uma criação também de Arinto e Azal, mas aqui com uvas retiradas de vinhas com mais de 70 anos. Untusoso, cheio, com tudo no sítio. Grande vinho. Por último, e para variar, o Sem Igual Pét-Nat 2019 (18€). Baga e Touriga Nacional, sem degórgement.

Já na reta final, um nome grande dos vinhos: Luís Seabra, que em nome próprio estava a distribuir classe em copo. A destacar, o Granito Cru Dão 2019 (25€), Dão de Encruzado, Bical e Cerceal. Na altitude perto de Vila Nova de Tazém. Sal e erva fresca em vinho, mineral na verdadeira acepção da palavra. Granito Cru Alvarinho 2019 (20€), feito no berço de Monção e Melgaço, mais carregado no aspecto mas com sabor leve, quase de maçã de sidra.

- Publicidade -
- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Reportagem NOS Alive 2022 (dia 2): A experiência coletiva com os Florence + The Machine

Um dia muito mais composto que ontem e que teve nos Florence + The Machine os protagonistas da noite. Sem margem para dúvidas.

Reportagem NOS Alive 2022 (Dia 1) – O regresso ao sítio do costume, mas com menos gente

Apesar da afluência ser inferior ao normal, os concertos não deixaram a desejar.

NOS Primavera Sound, Dia 3 – Dry Cleaning, a viagem com Khruangbin e as guitarras perdidas dos Dinosaur Jr.

Passaram 100.000 pessoas pelo festival ao longo dos três dias. Cá esperamos por 2023!
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Makro vai abrir um marketplace que estará disponível para todos os clientes

Mesmo para aqueles que não têm acesso às lojas físicas.

Roger Waters marca segundo concerto em Portugal

Isto tudo porque o primeiro concerto já esgotou.

Vodafone chegou a acordo para adquirir a NOWO

Isto poderá fazer com que a operadora se expanda para cidades que, até aqui, não possuem a fibra Vodafone.