Pode o concerto de Ed Sheeran mudar o panorama da venda de bilhetes em Portugal?

- Publicidade -

É uma das notícias que marcaram a semana. Não só porque faz regressar Ed Sheeran, que se estreia agora a solo no nosso país após a sua vinda ao Rock in Rio Lisboa, em 2014, mas também porque aposta numa política de venda de bilhetes diferente daquela a que estamos habituados.

Vamos por partes. O jovem britânico vem dar um concerto ao Estádio da Luz – um local que não costuma receber concertos, mas já fazia falta em Lisboa algum estádio que quisesse concertos dessa magnitude – no dia 1 de junho de 2019, num espetáculo que servirá para promover o seu mais recente álbum, “÷ ” (Divide).

Até aqui tudo bem. O que muitos não esperavam é que, também em Portugal, fosse aplicada a política da proibição de revenda de bilhetes para o concerto de Ed Sheeran, algo que tem acontecido em todos os espetáculos desta tour. Ed Sheeran é totalmente contra a compra de bilhetes em segunda mão. E não é o único. Há outra mega estrela contra este negócio: Adele.

Os bilhetes para o concerto do artista britânico vão estar à venda dia 27 de setembro, quinta-feira, a partir das 10h, nos pontos de venda oficiais: FNAC, Worten, El Corte Inglés, www.ticketline.pt, SEETickets.com, SEETickets.es, ticketmaster.es, Masqueticket, Digitick e nas bilheteiras oficiais da Ticket Line (Agência ABEP, Galeria Comercial Campo Pequeno, Casino de Lisboa, CCB, Do Alentejo Pro Mundo, C.C. Dolce Vita, Cascais Visitor Center, E.Leclerc Guimarães e Famalicão, Fórum Aveiro, Forum Braga, IT-Tabarias-Amadora e Estoril, MMM Ticket, C.C. Mundicenter, Note!, Pav. Multiusos de Guimarães, Shopping Cidade do Porto, SuperCor, Time Out Mercado da Ribeira, Teatro Tivoli BBVA, UTicketline, Ticke Line Sede).

Quanto aos preços, são estes:

  • Relvado / Piso 0 Sul: 65€
  • Bancada Piso 0 Nascente: 80€
  • Bancada Piso 0 Poente: 80€
  • Bancada Piso 1: 90€
  • Bancada Piso 3: 59€
  • Mobilidade Condicionada: 59€

Sim, o custo é elevado, mas é algo que se justifica visto tratar-se de Ed Sheeran e de ser um concerto de estádio, algo que encarece o valor.

Repararam na lista de pontos de venda oficiais? Apenas os bilhetes adquiridos nesses locais serão considerados válidos para o concerto de Ed Sheeran no Estádio da Luz. Podem esquecer sites de revenda de bilhetes como a Viagogo, Stubhub.pt e Ticketswap, nada disso irá funcionar.

Ou seja, não existe mercado secundário para este espetáculo. Apesar de uma pessoa poder adquirir um máximo de quatro bilhetes (neste caso todos os membros do grupo têm de entrar obrigatoriamente juntos no Estádio da Luz), cada bilhete terá obrigatoriamente o nome da pessoa ao qual pertence, uma vez que, para entrar no Estádio da Luz, será pedido não só o comprovativo de compra (fatura ou recibo), como um documento de identificação com fotografia. Além disso, se a compra tiver sido efetuada através da Internet, deverão também levar o cartão de crédito/débito utilizado na compra e indicado no comprovativo de compra.

Desta forma impede-se a revenda de bilhetes a preços inflacionados através de sites de compra não oficiais.

A questão que se coloca é: poderá esta iniciativa de Ed Sheeran abrir um novo precedente em Portugal? A verdade é que não se sabe ao certo a resposta, mas milhares de pessoas iriam agradecer se tal acontecesse.

Recordemo-nos das recentes detenções efetuadas pela ASAE na altura dos concertos dos U2 em Portugal. 24 pessoas foram detidas em vários pontos do país por crime de especulação, ou seja, estavam a vender os bilhetes para o espetáculo a um preço muito superior ao que era suposto. Bilhetes que custavam 37€ eram vendidos por 150€ e outros que custavam 338€ eram revendidos por 1000€, o que representava margens de lucro na ordem dos 900%.

Para o NOS Alive também é uma prática recorrente. Na altura do festival, a ASAE deteve sete pessoas pelos mesmos motivos, vendendo bilhetes de 65 e 149€ por valores finais superiores a 230€. Recorde-se que o NOS Alive começou por esgotar os passes gerais da edição deste ano, encabeçada pelos Pearl Jam, em dezembro, quando ainda faltavam sete meses para a realização do evento. Muitos aproveitaram para comprar passes em avanço, tentando, depois, já com o evento esgotado, obter lucro fácil.

Esta prática faz com que os reais fãs fiquem impossibilitados de ir, que, por diversas razões, optam por apenas adquirir os bilhetes mais perto do evento.

No caso dos bilhetes para Ed Sheeran, compreende-se que seja difícil alguém saber se vai estar disponível no dia do espetáculo, uma vez que ainda faltam vários meses. Em todo o caso, os reais fãs podem, e devem, adquirir os bilhetes assim que forem colocados à venda. Devem, também, ativar o seguro de bilheteira, uma vez que, caso estejam impossibilitados de ir e tenham uma justificação plausível para tal, podem reaver o vosso dinheiro junto da bilheteira onde efetuaram a vossa compra.

Caso esta política de venda de bilhetes funcione mesmo bem, quem sabe não poderá ser utilizada em mais espetáculos ou festivais num futuro próximo…


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome