“Dirty John”, uma série criminal baseada em factos reais

A melhor forma de descrever Dirty John é começando por dizer que esta não é o que parece.

Embora a premissa da série seja o relacionamento amoroso entre John Meehan (Eric Bana) e Debra Newell (Connie Britton), ao longo dos episódios percebemos que esta relação é mais um efeito colateral da dinâmica familiar entre Debra e as suas duas filhas, do que propriamente uma escolha apaixonada e deliberada por parte da personagem.

Aliás, são as filhas de Debra que mais incitam o espectador a acompanhar a série. Ao contrário das personagens principais que são interpretadas de forma monótona, Juno Temple e Julia Garner são competentes no retrato dos seus papéis e na elevação das falas pouco memoráveis com que foram prendadas.

0NJ BuhINFxeIZ 2ejpYEJc3CWxBNF8 2ajwphTzK5KWEypJoERfcgkgkM1A3f6UW5gem4UFb BsF2zeNPDPsdSkj nV0UEO6Xuie5 qV8t8xziN0cFfffry03j9mvuiJb  AOVz=w2400Neste sentido, Juno incorpora Veronica, a filha mais velha de Debra, e, possivelmente, a mais irritante. Todavia, em simultâneo à sua arrogância e prepotência, ela também revela audácia. Uma dualidade que acaba por refletir-se na forma como a vemos. Se no início a julgamos insuportável, tal muda e acabamos por achá-la surpreendentemente apelativa. A transformação é tamanha que, a determinada altura, começamos a questionarmo-nos mais sobre as suas ações do que as de John, o indivíduo sobre o qual devíamos estar mais curiosos.

Por sua vez, Julia Garner interpreta Terra, a filha mais nova e menos petulante que parece demasiado dócil e inofensiva para ser uma personagem de referência, algo que contribuiu imenso para o elemento surpresa da série.

Quanto aos atores principais, como já foi mencionado, ambos ficaram muito aquém daquilo que as respetivas personagens tinham para oferecer.

x84bdy wKrB iYia1sE44cV1951qQODH5iMC IDQ9dNUi5XvoNeU4W CzR3hg11sPzeX5YwlGC Pm2DnlmqfHMfBVH8KNeYFP9SQjLzoxQmoVNteFeCkexdxfcSG tcG6uhNnWGC=w2400Ainda que tenhamos gostado da sobriedade do John, algo que não se costuma ver em personagens do género, por várias vezes o ator deixou que este se reduzisse a um vigarista de segunda. Incapaz de usar a simplicidade da personagem para criar uma inesperada aura de mistério, o espetador vai assistindo aos feitos de John moderadamente interessado na esperança que algo de extraordinário aconteça.

Da mesma forma, Connie Britton mostrou-se incapaz de servir o caráter de Debra. Em vez de ser a mulher meiga e generosa que o resto do enredo quer fazer o espectador acreditar, este apenas consegue vislumbrar uma mulher tonta cujas ações mais inteligentes parecem golpes de sorte.

Neste seguimento, Arlane Hart foi outra atriz que não fez jus à personalidade complexa e rica em contrariedades que Jean Smart (a mãe de Debra Newell) era. A sua escolha em representar Jean como uma mulher frágil imensamente devota à sua fé foi francamente superficial, dada a determinação e a coragem assumidas pela personagem em alguns momentos.

FGCSy8naBCmh2w 4Ky 1iIlNpy9HynZHsjz1lq4p5G0I7nfpgTg5MI4dnOUaGiO1eE50BpSRYZleMdV0AZ9adkPor conseguinte, se querem ver uma série criminal em que os aspetos que vos prendem ao ecrã são o suspense e a trama criminal, Dirty John não é a melhor opção, ainda que faça um trabalho relativamente decente nesse âmbito.

Por outro lado, se querem divagar sobre questões de dinâmica familiar e a forma como a disfuncionalidade entre pais e filhos pode afetar os relacionamentos amorosos dos pais, então recomendamos esta série da Netflix. No entanto, salientamos que se vão entreter, mas não se vão impressionar.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,076FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Crónica dos Bons Malandros. Série estreia na RTP a 2 de dezembro

Depois do livro e do filme, uma série de oito episódios. Marco Delgado, Maria João Bastos, Rui Unas, Joana Pais...

Crítica – Hillbilly Elegy

Hillbilly Elegy sofre com a sua narrativa formulaica presa num loop cansativo de cenas superdramáticas que escalam demasiado rápido.

Afinal, a sexta temporada de Prison Break não vai acontecer

Um retrocesso face ao que Dominic Purcell tinha dito em setembro.

Assassin’s Creed está a caminho da Netflix com uma série live-action

A popular saga da Ubisoft dá um leap of faith para a plataforma de streaming.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Chamadas de valor acrescentado têm os dias contados

A proposta do PAN foi aprovada no Orçamento do Estado para 2021 e não teve votos contra.

Lewis Hamilton, Dua Lipa e outros transformam-se em jogadores virtuais no modo VOLTA de FIFA 21

O que quer dizer que irão defrontar e jogar com estas personalidades.

Crónica dos Bons Malandros. Série estreia na RTP a 2 de dezembro

Depois do livro e do filme, uma série de oito episódios. Marco Delgado, Maria João Bastos, Rui Unas, Joana Pais...