Crítica – Wild Indian (Sundance 2021)

Wild Indian é uma estreia forte de Lyle Mitchell Corbine Jr., mas é Chaske Spencer quem rouba as atenções.

Wild Indian
Foto: Sundance Institute | Eli Born
- Publicidade -

Sinopse: “Makwa, um jovem garoto Anishinaabe, tem uma vida difícil. Aparece frequentemente na escola com hematomas a dizer que caiu, mas ninguém acredita nele. Ele e o seu único amigo, Ted-O, gostam de fugir para ir brincar na floresta, até que chega o dia em que Makwa mata um colega de escola. Depois de encobrirem o crime, os dois miúdos passam a viver vidas muito diferentes. Agora, como homens adultos, devem enfrentar a verdade do que fizeram e do que se tornaram.”

Sendo este um filme indígena e uma estreia numa longa-metragem para Lyle Mitchell Corbine Jr., não sabia bem o que esperar. Talvez seja por isso mesmo que gostei mais do que previa. Wild Indian agarra num momento trágico e sombrio numa fase inicial da vida de dois personagens e segue um caminho não convencional para demonstrar o quão surpreendente o futuro de alguém pode ser, especialmente considerando a personalidade mais jovem. A verdade é que todos mudam partes de si mesmos ao longo da vida, ainda mais durante a infância e a adolescência.

Apesar do ritmo lento geral – mais lento do que o que eu acredito ser necessário – uma “reviravolta” na história eleva num ápice o nível de interesse na narrativa principal, que ainda leva algum tempo até superar a necessária, mas formulaica, construção de personagens. É aí que Michael Greyeyes e Chaske Spencer entram realmente em cena, dando performances envolventes que me mantiveram investido na história. Greyeyes pode retratar o protagonista e ter mais tempo de ecrã, mas Spencer rouba os holofotes com um atuação emocionalmente devastadora.

Contudo, e apesar de ser estreia sólida de um realizador-argumentista ao qual devemos prestar atenção durante o próximo ano, não posso escapar ao meu principal problema com a personagem central. Embora entenda totalmente o comentário que Lyle Mitchell Corbine Jr. transmite com sucesso aos telespectadores sobre tantos assuntos importantes, não consegui nutrir qualquer sentimento pelo protagonista, muito pelo contrário. É uma sensação frustrante esta, mas acho o personagem de Greyeyes extremamente difícil de se gostar, não só devido às suas ações no passado, mas principalmente graças à sua atitude no presente. Além disso, a escolha de elenco de Jesse Eisenberg parece fora de lugar e estranha… e estou a ser simpático.

Não posso terminar esta crítica sem realçar o trabalho do cinematógrafo Eli Born, que fez um belíssimo trabalho a filmar esta longa-metragem.

Wild Indian é uma estreia forte na realização de Lyle Mitchell Corbine Jr., que recomendo acompanhar de perto nos próximos anos. Com uma narrativa convincente, Michael Greyeyes e Chaske Spencer levam os espectadores através de uma jornada sombria e emocional com o objetivo de compreender que a vida nem sempre é justa e que corrigir erros do passado só funciona para pessoas que realmente sentem culpa ou remorsos. Ambos os atores oferecem prestações notáveis, mas é Spencer quem realmente consegue causar impacto a nível emocional, elevando a única personagem com a qual me importei verdadeiramente.

Por outro lado, o protagonista é uma pessoa incrivelmente difícil de se gostar, pois esforça-se ao máximo para esquecer o passado trágico através de ações deploráveis. Jesse Eisenberg, infelizmente, destaca-se pela negativa devido à estranha escolha de casting estranha. A curta duração compensa parcialmente o ritmo lento, mas, no geral, desfrutei bastante.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Sundance 2021 – Quinto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quinto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – The World to Come (Sundance 2021)

The World to Come é mais um drama romântico de um século passado com o qual tenho dificuldades em me sentir realmente investido.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Quarto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quarto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

60.000 jovens vão poder fazer um Interrail gratuito já em 2022

Poderão viajar por um período máximo de 30 dias.

Chegou o trailer oficial da 3ª temporada de You

E muita coisa vai acontecer nos novos episódios. Depois das primeiras imagens e da data de estreia da terceira temporada,...

10.ª edição do Open House Lisboa leva-nos a descobrir “Os Caminhos da Água” com várias visitas gratuitas na capital e em Almada

25 e 26 de setembro são as datas do regresso do incontornável fim de semana de visitas gratuitas que desafia a percorrer e a desvendar a cidade através da arquitectura.