Crítica – Wild Indian (Sundance 2021)

Wild Indian é uma estreia forte de Lyle Mitchell Corbine Jr., mas é Chaske Spencer quem rouba as atenções.

Wild Indian
Foto: Sundance Institute | Eli Born
- Publicidade -

Sinopse: “Makwa, um jovem garoto Anishinaabe, tem uma vida difícil. Aparece frequentemente na escola com hematomas a dizer que caiu, mas ninguém acredita nele. Ele e o seu único amigo, Ted-O, gostam de fugir para ir brincar na floresta, até que chega o dia em que Makwa mata um colega de escola. Depois de encobrirem o crime, os dois miúdos passam a viver vidas muito diferentes. Agora, como homens adultos, devem enfrentar a verdade do que fizeram e do que se tornaram.”

Sendo este um filme indígena e uma estreia numa longa-metragem para Lyle Mitchell Corbine Jr., não sabia bem o que esperar. Talvez seja por isso mesmo que gostei mais do que previa. Wild Indian agarra num momento trágico e sombrio numa fase inicial da vida de dois personagens e segue um caminho não convencional para demonstrar o quão surpreendente o futuro de alguém pode ser, especialmente considerando a personalidade mais jovem. A verdade é que todos mudam partes de si mesmos ao longo da vida, ainda mais durante a infância e a adolescência.

Apesar do ritmo lento geral – mais lento do que o que eu acredito ser necessário – uma “reviravolta” na história eleva num ápice o nível de interesse na narrativa principal, que ainda leva algum tempo até superar a necessária, mas formulaica, construção de personagens. É aí que Michael Greyeyes e Chaske Spencer entram realmente em cena, dando performances envolventes que me mantiveram investido na história. Greyeyes pode retratar o protagonista e ter mais tempo de ecrã, mas Spencer rouba os holofotes com um atuação emocionalmente devastadora.

Contudo, e apesar de ser estreia sólida de um realizador-argumentista ao qual devemos prestar atenção durante o próximo ano, não posso escapar ao meu principal problema com a personagem central. Embora entenda totalmente o comentário que Lyle Mitchell Corbine Jr. transmite com sucesso aos telespectadores sobre tantos assuntos importantes, não consegui nutrir qualquer sentimento pelo protagonista, muito pelo contrário. É uma sensação frustrante esta, mas acho o personagem de Greyeyes extremamente difícil de se gostar, não só devido às suas ações no passado, mas principalmente graças à sua atitude no presente. Além disso, a escolha de elenco de Jesse Eisenberg parece fora de lugar e estranha… e estou a ser simpático.

Não posso terminar esta crítica sem realçar o trabalho do cinematógrafo Eli Born, que fez um belíssimo trabalho a filmar esta longa-metragem.

Wild Indian é uma estreia forte na realização de Lyle Mitchell Corbine Jr., que recomendo acompanhar de perto nos próximos anos. Com uma narrativa convincente, Michael Greyeyes e Chaske Spencer levam os espectadores através de uma jornada sombria e emocional com o objetivo de compreender que a vida nem sempre é justa e que corrigir erros do passado só funciona para pessoas que realmente sentem culpa ou remorsos. Ambos os atores oferecem prestações notáveis, mas é Spencer quem realmente consegue causar impacto a nível emocional, elevando a única personagem com a qual me importei verdadeiramente.

Por outro lado, o protagonista é uma pessoa incrivelmente difícil de se gostar, pois esforça-se ao máximo para esquecer o passado trágico através de ações deploráveis. Jesse Eisenberg, infelizmente, destaca-se pela negativa devido à estranha escolha de casting estranha. A curta duração compensa parcialmente o ritmo lento, mas, no geral, desfrutei bastante.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Sundance 2021 – Quinto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quinto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – The World to Come (Sundance 2021)

The World to Come é mais um drama romântico de um século passado com o qual tenho dificuldades em me sentir realmente investido.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Quarto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quarto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Rock in Rio Lisboa também não se realiza este ano

Por outras palavras, foi adiado para 2022.

EatTasty acaba de ficar disponível no Porto

Disponível tanto ao almoço como ao jantar.