Crítica – Uma Luta Desigual (On the Basis of Sex)

O biopic. O biopic é uma tradição da cada vez mais curta época dos filmes de prestígio em que são estreados nas salas as longas-metragens com pretensões às principais categorias de estatuetas reluzentes. E tem dado bons resultados neste campeonato, dado o reconhecimento transversal a atores a fazer de pessoas conhecidas. Se incluir uma mudança física radical, tanto melhor.

- Publicidade -

Uma Luta Desigual (On the Basis of Sex, no original) vem nesta linha e conta a história do caminho das pedras de Ruth Bader Ginsburg, prestigiada figura na luta pela igualdade de género perante a lei, até à sua nomeação como Juíza do Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Ainda ativa nos dias de hoje, e com um historial de resistência aos poderes instituídos e coragem perante diversos problemas de saúde, é uma figura inspiracional para muitos.

Temos, assim, uma história real forte para ser adaptada ao cinema, e Ruth (Kiki para os amigos) é aqui tratada, como seria de esperar, com o máximo respeito, com a validação suplementar da verdadeira Ruth Bader Ginsburg aparecer em dois breves cameos no filme.

O problema, se é que pode ser chamado assim, é o tom certinho do filme, desde a fotografia com aquele tom azulado de filme de época à banda sonora a sublinhar os momentos dramáticos. Sendo isto até certo ponto inevitável neste tipo de produções, a capacidade de destaque deste filme, na era de abundância de oferta para o espectador em que vivemos, depende em larga medida do argumento cativar num cenário em que o final já é, à partida, conhecido, e aqui não há grandes surpresas para quem conhece a vida de Ruth Bader Ginsburg.

umalutadesigual destaque echoboomer

Situação comum a diversos filmes deste sub-género, a tentativa de tocar diversas épocas (faculdade, procura de trabalho, ensino, barra do tribunal), e áreas da vida (família e trabalho) faz com que nenhuma delas seja explorada a fundo e que algumas cenas prometedoras não tenham consequência. Em paralelo, o nível alto de exposição direta da trama ao espectador garante que ninguém se vai perder a meio até à chegada da fase de clímax de filme.

Num elenco competente de atores principais e secundários, Felicity Jones cumpre com competência e descrição e dá mais um passo seguro numa carreira em Hollywood que equilibra apelo comercial e seriedade dramática, e Arnie Hammer desliza com facilidade enquanto companheiro fiel e pai de família com voz calorosa. Mas é Cailee Spaeny que surpreende enquanto filha adolescente que, se por um lado se rebela e desenvolve valores em conflito com os pais – Atticus Finch citado largamente -, por outro mantém o seu amor filial intacto a ajudar ao desenvolvimento pessoal e profissional da mãe.

É um oásis de profundidade no meio de diversos papéis essencialmente utilitários (Kathy Bates é especialmente desperdiçada num papel secundário que merecia mais sumo), levantando curiosidade para o seguimento da carreira da jovem atriz.

Uma Luta Desigual – tradução chocha do título em inglês – é um filme adulto que, dificilmente, irá ferir alguém com a sua mensagem, mas que sofre pelo seu anonimato e batimento cardíaco baixo.

Bom para quem quiser levar alguém a ver um filme reconfortante nestes dias frios de Inverno.

Nota: echo boomer 3 estrelas

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.

Crítica – A Quiet Place Part II

A Quiet Place Part II é "menos" do que o seu antecessor em quase todos os elementos, mas continua a ser uma das melhores sequelas do género de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Está proibida a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana

A medida entra em vigor já esta sexta-feira, às 15h.

Já se pode comprar detergentes a granel em todas as lojas Go Natural de Portugal

A venda de detergentes a granel na Go Natural traz maior poupança ao cliente, com a redução de pelo menos 13% no preço.

Telepizza abre lojas em Santo Tirso e Taveiro

São já 143 espaços a nível nacional.