Crítica – “The Highwaymen” A captura a Bonnie e Clyde retratada num filme pouco tenso

The Highwaymen (Emboscada Final em português) é um filme sobre os dois agentes reformados que foram chamados de volta ao trabalho para capturar Bonnie e Clyde, o conhecido casal de criminosos.

- Publicidade -

Kevin Costner interpreta Frank Hamer e Woody Harrelson incorpora Maney Gault, a dupla de agentes que carrega a narrativa às costas e ainda bem que é assim, porque ambos foram bastante competentes nos seus papéis.

Em relação à história, esta começou um pouco lenta devido às cenas maçadoras que antecedem filmes do género como a típica reunião entre chefias. Sim, aquela reunião onde há sempre um tipo com a brilhante ideia de contratar os agentes que as pessoas naquela reunião lixaram de alguma forma. Felizmente, uma vez ultrapassada esta fase, a narrativa prossegue para o que realmente interessa: a perseguição e a captura de criminosos.

E, embora o filme seja envolvente, a verdade é que não há muito a acontecer. À exceção de alguns arrependimentos por parte de Maney e Frank, as personagens não têm dilemas fraturantes que criem tensão, um elemento que fazia falta ao enredo. Todavia também não é isso que a história promete. O que é prometido é o retrato dos eventos e das pessoas que estiveram por detrás da captura de Bonnie e Clyde, e tal é cumprido.

The Highwaymen é tão fiel a este princípio que só vemos o rosto dos criminosos no fim do filme.

Tendo em consideração os aspetos mencionados, não temos a certeza se The Highwaymen merece uma recomendação. Ainda que a sua visualização tenha sido uma experiência agradável, não se pode negar que o ponto forte do filme são os atores. Tudo o resto é mais ou menos. Portanto, tudo o que vos podemos oferecer é a nossa hesitação, e talvez isso vos ajude a tirar uma conclusão.

The Highwaymen estreia no próximo dia 29 de março na Netflix.

Nota: Criticas 3 Estrelas

- Publicidade -

2 Comentários

  1. Assistindo nesse exato momento. E confesso.. .É muito lento mesmo rsrs. Eu até fui verificar a duração novamente, pois pensei q fosse uma série tamanha é a demora do q vai acontecer. Esperava mais.

    • Os primeiros 20 minutos são realmente lentos mas depois do encontro entre as personagens principais, o filme melhora bastante. A personagem do Woody Harrelson até é um tipo engraçado e acrescenta mais ritmo ao filme.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

He-Man está de regresso no primeiro trailer de Masters of the Universe: Revelation

Kevin Smith ajudou ressuscitar a saga de culto para uma continuação na Netflix.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Programa Cultura no Dão promove cinema drive in, concertos e a descoberta dos trilhos pré-históricos do pastoreio

O programa Cultura no Dão tem como intuito contribuir para apoiar os agentes culturais e estimular a dinâmica económica, bem como valorizar o património artístico-cultural da região.

MyNestlé está a reembolsar o valor de compra de uma bebida vegetal Wunda

Já sabem: somente é possível um reembolso por pessoa.

Antevisão – Graven (Early Access)

Dos criadores de Wrath: Aeon of Ruin chega-nos mais um jogo de ação na primeira pessoa em Early Access e com imenso potencial.