fbpx

Crítica – “The Highwaymen” A captura a Bonnie e Clyde retratada num filme pouco tenso

The Highwaymen (Emboscada Final em português) é um filme sobre os dois agentes reformados que foram chamados de volta ao trabalho para capturar Bonnie e Clyde, o conhecido casal de criminosos.

Kevin Costner interpreta Frank Hamer e Woody Harrelson incorpora Maney Gault, a dupla de agentes que carrega a narrativa às costas e ainda bem que é assim, porque ambos foram bastante competentes nos seus papéis.

Em relação à história, esta começou um pouco lenta devido às cenas maçadoras que antecedem filmes do género como a típica reunião entre chefias. Sim, aquela reunião onde há sempre um tipo com a brilhante ideia de contratar os agentes que as pessoas naquela reunião lixaram de alguma forma. Felizmente, uma vez ultrapassada esta fase, a narrativa prossegue para o que realmente interessa: a perseguição e a captura de criminosos.

E, embora o filme seja envolvente, a verdade é que não há muito a acontecer. À exceção de alguns arrependimentos por parte de Maney e Frank, as personagens não têm dilemas fraturantes que criem tensão, um elemento que fazia falta ao enredo. Todavia também não é isso que a história promete. O que é prometido é o retrato dos eventos e das pessoas que estiveram por detrás da captura de Bonnie e Clyde, e tal é cumprido.

The Highwaymen é tão fiel a este princípio que só vemos o rosto dos criminosos no fim do filme.

Tendo em consideração os aspetos mencionados, não temos a certeza se The Highwaymen merece uma recomendação. Ainda que a sua visualização tenha sido uma experiência agradável, não se pode negar que o ponto forte do filme são os atores. Tudo o resto é mais ou menos. Portanto, tudo o que vos podemos oferecer é a nossa hesitação, e talvez isso vos ajude a tirar uma conclusão.

The Highwaymen estreia no próximo dia 29 de março na Netflix.

Nota: 

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,781FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
629SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Crítica – Enola Holmes

Enola Holmes oferece uma agradável e refrescante visão de uma franchise que pode ter ganho um novo futuro.

Crítica – The Devil All The Time

The Devil All The Time pode não ser indicado para aqueles que têm uma visão muito pessoal sobre a religião. Já para outros será um filme que tardará a desaparecer da memória.

Candyman adiado para 2021

E não é preciso adivinhar porquê.

Vem aí um filme sobre a vida de Madonna

E o guião está a ser desenvolvido pela própria.
- Publicidade -

Mais Recentes

“Compra um, recebe outro grátis” é a nova campanha da Ryanair

A decorrer até às 23h59 de hoje, 24 de setembro, a companhia aérea irlandesa promove assim a sua primeira oferta 2 por 1 de sempre.

HP apresenta o portátil de 15″ mais pequeno do mundo para criação e gaming

O Zbook Create foi apenas uma das novidades apresentadas esta tarde pela conhecida marca tecnológica.