Crítica – Sonic the Hedgehog

Baseado no videojogo da Sega, sucesso à escala global, Sonic the Hedgehog conta a história do ouriço mais rápido do mundo a partir do momento em que este chega à sua nova casa – o planeta Terra. Nesta comédia e aventura live-action, Sonic (voz de Ben Schwartz) e o seu novo melhor amigo Tom (James Marsden) juntam-se para defender o planeta do génio do mal, o Dr. Robotnik (Jim Carrey), e dos seus planos para domínio do mundo.

Sonic the Hedgehog era um dos meus filmes mais antecipados de 2020, não porque esperava que fosse um dos melhores do ano, mas devido à polémica gerada. O design original de Sonic era horrível e muitas pessoas ainda culpam os artistas VFX/animadores injustamente. Estas pessoas trabalham horas extras, são mal pagas e receberam um data limite impossível para entregar um trabalho magistral. Felizmente, a maioria das pessoas agora reconhece que o estúdio e todos os seus executivos são os verdadeiros culpados.

A Internet expressou a sua opinião de forma muito educada (como de costume), mas, desta vez, ocorreu um evento sem precedentes: o estúdio ouviu as críticas e decidiu adiar o filme até Sonic receber um melhor tratamento visual.

Bom, acredito firmemente que, em qualquer outro caso, isto seria extremamente perigoso. Não aceito que o público tenha tanto poder sobre um estúdio, especialmente através das redes sociais. Se os estúdios mudassem os seus filmes sempre que as pessoas criticassem um design ou uma decisão de adaptação, os filmes seriam constantemente adiados. No entanto…

Neste caso em particular, sinto-me super feliz que o tenham feito. Uma pergunta que muita gente pode fazer é: “quanto sucesso teria o filme com o design antigo?“. Nenhum. Não há hipótese alguma das pessoas gostarem deste filme com o Sonic anterior. Este novo design não só honra o visual da personagem, mas complementa o tom do filme. Jim Carrey entrega uma performance incrivelmente cartoonish, que se tornaria muito esquisita se Sonic parecesse (terrivelmente) real. Com o herói e o vilão a ser/agir como se fossem um desenho animado, o tal constrangimento não existe.

Sonic é a melhor parte de todo o filme. Se já jogaram os jogos e se carregam uma ligação emocional com a personagem, existe muito para desfrutarem. Sonic tem um design maravilhoso, soa fantástico (excelente trabalho de voz de Ben Schwartz) e, o melhor de tudo, a sua personalidade assemelha-se à personagem do videojogo. Tudo o que está diretamente relacionado com Sonic é perfeitamente fiel ao material de origem, algo que agradará a todos os fãs do mesmo. Esta é a minha mensagem principal: se são fãs do ouriço azul, não consigo imaginar alguém desiludido.

Infelizmente, a personagem é, honestamente, o único aspeto excecional do filme. É muito engraçado, e até nostálgico, ver Jim Carrey voltar às suas raízes e a divertir-se tanto com o seu papel. No entanto, tanto acerta como falha. Quando ele é condescendente com alguém, é muito engraçado, mas os maneirismos de Carrey nem sempre funcionam. Ainda assim, e voltando ao que tinha dito, acredito que ele é muito fiel ao Dr. Robotnik original, que não era, de forma alguma, uma pessoa “normal”. James Marsden é também muito bom como Tom, mas a sua personagem nunca vai para além de “compincha do Sonic”.

Os meus principais problemas estão relacionados com o argumento. Não, nunca esperei que fosse uma narrativa digna de um Óscar. Apenas desejava uma história simples que permitisse ao Sonic brilhar e, em defesa do filme, é realmente um enredo básico.

No entanto, a abundância extrema de clichês, a falta de quaisquer surpresas e as questões lógicas criadas por algumas decisões narrativas são demais para se aceitarem, na minha opinião. Existem três cenas de promoção a produtos que são alguns dos exemplos mais preguiçosos, óbvios e cringe-worthy desde Transformers. Parece que o filme vai para intervalo para ter publicidade.

Histórias secundárias que servem para gerar tensão durante o filme não têm uma resolução. Subplots que antes eram importantes são totalmente esquecidos e nunca mais abordados. Todas as personagens servem como comic-relief, todos chegam a ser o “palhaço de serviço”.

Repito: nunca esperei um argumento brilhante. Mas é pedir demais aos argumentistas para terem tanta dedicação e criatividade quanto os artistas VFX que lidaram com Sonic? Este último grupo trabalhou impressionantemente para entregar um design perfeito. Por que razão é que os escritores não se podem esforçar mais e oferecer uma história mais convincente, única e mais racional?

A forma como Dr. Robotnik entra em cena e o nível de permissão que este tem para fazer o que bem lhe apetece cheaga a ser hilariantemente ridícula. Praticamente tudo o que está relacionado com humanos levanta muitas sobrancelhas e revira muitos olhos. Comentei sobre o filme online antes de escrever esta crítica e algumas pessoas abordaram-me referindo: “estás a analisar em demasia/esperavas muito do filme”.

Entendo profundamente estas observações, compreendo genuinamente. Mas… não acredito que estou a pensar demasiado, muito menos a esperar que Sonic the Hedgehog fosse uma obra-prima. As pessoas simplesmente aceitam que o filme “não podia ser melhor do que é”. Porquê? Não se pode pedir para receber o potencial que um filme do Sonic tem em vez de uma tentativa básica? Devo ficar contente com “podia ser pior”?

Sou completamente honesto: queria gostar de Sonic the Hedgehog muito mais do que a maioria. Toda a polémica à volta do design de Sonic e a culpa injusta que os artistas VFX receberam deixou-me com um desejo tremendo de adorar este filme, para que pudesse apoiar o trabalho impressionante que estas pessoas tiveram.

Adoro tudo o que está relacionado com Sonic no filme. O seu design, voz e personalidade são perfeitos e não consigo imaginar um único fã do ouriço azul desiludido com a personagem. No entanto, mesmo com um elenco muito bom e um Jim Carrey à anos 90, Sonic the Hedgehog encontra-se repleto de clichês extremos e decisões narrativas que fazem revirar muitos olhos.

Há cenas de promoção a produtos das mais óbvias e cringe-worthy desde os filmes da saga Transformers de Michael Bay ,as personagens são construídas a partir da caixa de reciclagem de Hollywood e as histórias secundárias são esquecidas sem resolução. Sonic the Hedgehog é uma aventura divertida que qualquer família pode desfrutar numa tarde de domingo, mas não consigo mentir-me a mim mesmo: desejava que fosse mais divertido e menos frustrante no que toca à sua história.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,855FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Train to Busan

Se são fãs de cinema, não importa o género, Train to Busan é visualização obrigatória!

Crítica – On the Rocks

On the Rocks não parece um filme, mas sim uma história real com pessoas reais… pelo menos até ao terceiro ato.

Crítica – Rebecca

A versão da Netflix de Rebecca perde-se ao tentar equilibrar tantos géneros em apenas um filme.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes