Crítica – Sometimes I Think About Dying (Sundance 2023)

- Publicidade -

Como diz uma personagem, “é difícil ser uma pessoa”.

Até hoje, o “ritmo lento” de uma longa-metragem continua a ser uma característica que deixa as pessoas entusiasmadas ou imediatamente preocupadas. As razões são simples. Por um lado, um filme que demora a desenvolver-se pode ser uma das experiências cinematográficas mais imersivas para um espetador, se bem feito. De atributos técnicos atmosféricos a personagens que valem o investimento emocional, se os espetadores se relacionarem com o assunto facilmente ficam investidos. Por outro lado, os filmes podem também tornar-se desafiantes se forem aborrecidos e, acima de tudo, se não fizerem sentido. Às vezes, Sometimes I Think About Dying está no meio de tudo isso.

Há algo neste filme que captou a minha atenção. Embora Daisy Ridley se destaque do restante elenco, pessoalmente achei que a premissa aparentemente genérica apresentava um grande potencial. Sometimes I Think About Dying passa-se numa cidade pequena, na qual seguimos o dia-a-dia da vida chata e monótona de Fran (Ridley). Fran acorda cedo, põe-se a caminho do típico trabalho chato de escritório, volta para casa, aquece comida no micro-ondas e vai dormir. Perceberam? Basicamente, a sua vida é tão monótona que nada de excitante acontece.

E é isto que acontece, com Fran a isolar-se de qualquer tipo de interação social. Depressão, ansiedade, insegurança ou simplesmente falta de interesse são problemas da vida real com os quais muitos espetadores se identificam facilmente, mesmo que possam associar apenas uma pequena parte de suas vidas. Pessoalmente, como alguém que, de facto, trabalha todos os dias em frente ao computador, seja no escritório ou em casa, essa monotonia cria inevitavelmente algumas fases de puro tédio. Honestamente, se não fosse pelo maravilhoso grupo de colegas de trabalho e amigos da empresa na qual trabalho, eu seria muito mais parecido com Fran, e isto é o que Sometimes I Think About Dying faz de forma excelente.

Sometimes I Think About Dying

É uma experiência triste, deprimente e até cansativa, mas faz parte da vida. Nem toda a gente está constantemente feliz. Nem todos os dias são grandes dias. O filme é bem-sucedido porque é realista. Sem se aperceber, o público desenvolve uma forte ligação com a protagonista, dando valor a uma das cenas finais mais bonitas e inspiradoras que vi recentemente. Obviamente, o elenco faz um bom trabalho em formar esse vínculo com o espetadores, especialmente Ridley, que tem aqui o melhor desempenho da sua carreira. As suas micro-expressões ajudam muito a mostrar como a sua personagem evolui ao longo do tempo.

Sometimes I Think About Dying é até bastante genérico: um aspect ratio à antiga, ângulos de câmara que não surpreendem, uma paleta de cores sem vida, uma banda sonora que dá vontade de dormir (Dabney Morris) e diálogos curtos e escassos – a maior parte da conversa neste filme acabam por ser sons de fundo. Os sonhos estranhos e aleatórios de Fran são as partes mais estimulantes precisamente porque quebram a monotonia geral. Ainda assim, por mais propositadamente brando que seja, a realizadora Rachel Lambert é capaz de atrair a atenção do espetador. Como fã de The Office, o humor sagaz funcionou para mim, mas não posso deixar de confessar que nunca mais assistirei a este filme.

Essa é uma das coisas mais frustrantes de ser um cinéfilo. Entendo totalmente a intenção, os temas e as mensagens de Sometimes I Think About Dying. Até me identifico pessoalmente com algumas delas. No entanto, no final, a estrutura repetitiva e a narrativa “onde nada acontece” diminuem imensamente o valor de uma nova visualização. Além disso, há muitos tópicos nos quais não encontrei motivos para investir devido à falta de ligação com as outras personagens. Ainda assim, depois de uma boa noite de sono, sinto-me mais positivo do que ontem, então talvez seja um filme que crescerá para mim com o passar do tempo.

Como diz uma personagem, “é difícil ser uma pessoa”. E com isso, eu relaciono-me totalmente.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes

Como diz uma personagem, "é difícil ser uma pessoa". Até hoje, o "ritmo lento" de uma longa-metragem continua a ser uma característica que deixa as pessoas entusiasmadas ou imediatamente preocupadas. As razões são simples. Por um lado, um filme que demora a desenvolver-se pode ser...Crítica - Sometimes I Think About Dying (Sundance 2023)