Crítica – Slender Man

Nota: Echo Boomer 2 Estrelas


- Publicidade -

Slender Man é uma personagem fictícia que não será desconhecida para quem consome muita Internet. Tudo começou em 2009 quando Eric Knudsen, sob o pseudónimo de Victor Surge, criou uma imagem de um homem anormalmente alto, magro e sem rosto para participar num concurso de Photoshop no fórum Something Awful, cujo objetivo passava por debater temas paranormais.

Agora, em 2018, numa tentativa de assustar a malta nova, temos um filme que trata este mito urbano como um monstro de histórias de fantasmas tradicionais.

Antes de chegar ao grande ecrã, Slender Man tornou-se popular noutros meios, como web-séries, um videojogo bastante popular e até um documentário baseado numa tragédia que foi quase fatal para uma rapariga do estado de Wisconsin, nos Estados unidos, depois de ter sido esfaqueada por duas colegas de escola a “mando de Slender Man”.

O filme Slender Man é realizador por Sylvain White e conta com o argumento de David Birke. Esta adaptação cinematográfica conta a história de quatro jovens adolescentes – Wren (Joey King), Katie (Annalise Basso), Hallie (Julia Goldani Telles) e Chloe (Jaz Sinclair)-, que, ao ouvirem falar da lenda do Slender Man, resolvem invocá-lo através de um vídeo da Internet. Tudo contado de uma forma muito formulaica à la Hollywood.

Pouco depois, as quatro amigas começam a ter pesadelos e alucinações até que uma delas desaparece. E é a partir daqui que o filme se desenrola, de forma lenta e aborrecida.

Slender Man é um filme chato. Os diálogos são pouco relevantes, chegando a reduzirem-se em clichés, está cheio de cenas de suspense desnecessárias e conta com um tom muito escuro. Nada no filme assusta. Na verdade, a tentativa de assustar o público com jump-scares ou de tentar enganar ao pensarmos que vai haver um, é executado de uma forma tão embaraçosa que é impossível não largar uma gargalhada.

É fácil perceber que o filme está composto por partes desconexas como um puzzle onde alguém tenta enfiar peças que não lhe pertencem, no que é um reflexo dos problemas de produção e de exibição que atrasaram a chegada de Slender Man. Consta que, para o filme poder ser exibido no cinema, a Sony teve, por exemplo, que cortar umas quantas cenas violentas para garantir que o público mais novo podia assistir ao seu filme.

Com uma história banal dentro do género e que nunca consegue surpreender o espectador, Slender Man é também uma estranha representação da realidade, apresentando um mundo onde parece que só as crianças deste filme é que existem, uma vez que a quase ausência de figuras adultas no filme nos faz pensar que as jovens vivem sozinhas e isoladas nas suas casas. Pelo meio temos ainda outras personagens, igualmente jovens, que desaparecem da história sem qualquer tipo de razão aparente ou um ponto final no seu papel.

A única coisa menos negativa em Slender Man será a prestação do elenco, que, apesar do trabalho que lhes foi dado, conseguem dar corpo às suas personagens de uma forma algo credível. Contudo, quando o texto é fraco, não há nada que se possa fazer.

Slender Man não é um bom filme de terror e nem sequer se esforça para ser um filme de todo. É um cliché que tenta explorar um fenómeno da Internet com quase 10 anos. E como qualquer tendência da Internet, Slender Man já surge tão tarde que qualquer mistério em torno da personagem é apenas uma piada. E das fraquinhas.


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.

Crítica – A Quiet Place Part II

A Quiet Place Part II é "menos" do que o seu antecessor em quase todos os elementos, mas continua a ser uma das melhores sequelas do género de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Programa Cultura no Dão promove cinema drive in, concertos e a descoberta dos trilhos pré-históricos do pastoreio

O programa Cultura no Dão tem como intuito contribuir para apoiar os agentes culturais e estimular a dinâmica económica, bem como valorizar o património artístico-cultural da região.

MyNestlé está a reembolsar o valor de compra de uma bebida vegetal Wunda

Já sabem: somente é possível um reembolso por pessoa.

Antevisão – Graven (Early Access)

Dos criadores de Wrath: Aeon of Ruin chega-nos mais um jogo de ação na primeira pessoa em Early Access e com imenso potencial.