Crítica – Prime Time (Sundance 2021)

Prime Time começa cheio de energia e adrenalina, mas apesar do final previsivelmente apropriado e mensagem satisfatória, falta-lhe personagens bem desenvolvidas e interessantes.

Prime Time
Foto: Sundance Institute | Tomek Kaczor
- Publicidade -

Sinopse: “Véspera de Ano Novo, 1999. Sebastian (Bartosz Bielenia), de 20 anos, armado com uma arma, sequestra um estúdio de TV e faz dois reféns – um famoso apresentador e um segurança. O plano dele? Ninguém parece saber, incluindo o próprio Sebastian. A sua exigência em entregar a sua mensagem, seja lá qual for, via transmissão ao vivo, é repetidamente interrompida por uma força policial incerta e um presidente da rede em questão egoísta. À medida que a noite passa, Sebastian e os reféns unem-se de maneiras inesperadas enquanto que aqueles no poder se atrapalham uns aos outros para restaurar a ordem.”

Não me lembro do último filme russo que vi ou se, de facto, Prime Time é o primeiro. Independentemente disso, a premissa simples é interessante logo desde o início e não perde tempo, colocando os espectadores dentro da ação quase instantaneamente. A atmosfera, inicialmente suspensa e tensa, vai-se tornando mais leve e menos ameaçadora à medida que os personagens interpretados por Bartosz Bielenia, Magdalena Popławska e Andrzej Kłak começam a entender-se. No início, esse facto torna o sequestrador e os reféns em personagens incrivelmente intrigantes, uma vez que os espectadores nada sabem sobre eles.

Infelizmente, à medida que o tempo passa, os espectadores acabam por descobrir muito pouco sobre eles. Sebastian passa por um desenvolvimento decente que ajuda os espectadores a antecipar os últimos minutos, mas ainda está aquém do necessário para um thriller supostamente stressante. O apresentador de TV carece de profundidade e o segurança mal fala, tornando a possível conexão dos telespectadores com os personagens muito difícil de alcançar. E o vínculo que esses personagens criam é tão misterioso e aparentemente injustificado que só torna o final, previsível e desanimador, ainda pior.

O comentário social é explícito e gosto muito da sua mensagem, mas é a história deficiente que leva os espectadores e os personagens através de uma montanha russa onde faltam curvas loucas e quedas cheias de adrenalina. A realização de Jakub Piątek mostra indícios do seu talento, mas falta energia. Finalmente, o argumento co-escrito com Łukasz Czapski tem uma premissa que chama à atenção e um primeiro ato emocionante, mas assim como qualquer outro componente, perde muita força demasiado rápido, culminando num clímax sem impacto emocional, mas um tanto adequado.

Prime Time possui uma premissa intrigante e um primeiro ato extremamente envolvente, mas perde essa energia inicial com o passar do tempo, terminando com um ato final previsivelmente apropriado e underwhelming. Apesar das boas prestações por parte do elenco, o argumento de Jakub Piątek e Łukasz Czapski coloca as três personagens no centro da história, mas falta um desenvolvimento individual mais convincente e aprofundado, tornando desafiador para os espectadores estabelecer qualquer tipo de conexão com o(s) protagonista(s).

A mensagem é mais do que clara e, até, bastante satisfatória, especialmente considerando que constrói indiretamente o momento final. No entanto, o caminho que os espectadores precisam de percorrer para chegar ao fim pode não conter tanto entretenimento nem ser tão emocionante como se esperava.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Crítica – Nomadland

Nomadland irá desiludir quem antecipar uma história mais ativa, mas será uma história contemplativa, esclarecedora e emocional para quem se deixar levar pelos nómadas reais.

Crítica – Cherry

Cherry é uma trapalhada indiscutível, mas ainda se aguenta firme devido a uma primeira metade cativante e à melhor performance da carreira de Tom Holland, para além de ser geralmente bem filmado.

Crítica – The Father

The Father oferece uma experiência brutalmente devastadora e emocionalmente poderosa sobre a demência que não deixará ninguém indiferente.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Rock in Rio Lisboa também não se realiza este ano

Por outras palavras, foi adiado para 2022.

EatTasty acaba de ficar disponível no Porto

Disponível tanto ao almoço como ao jantar.