Crítica – “Perdidos no Espaço” – Os primeiros cinco episódios

[yasr_overall_rating size=”medium”]


- Publicidade -

Perdidos nos Espaço (Lost in Space), da Netflix, é uma revisão atualizada da série original do mesmo nome, que terminou ao fim de três temporadas em 1968, ou seja, há meio-século. Tal como a sua versão original, aqui vamos acompanhar as aventuras de uma família de investigadores, a família Robinson, que luta pela sobrevivência ao despenhar-se num planeta desconhecido durante uma viagem para Alpha Centuri, depois do planeta Terra começar a dar indícios de excesso de população.

A nova versão é altamente modernizada. Produzida pela Legendary Television e distribuída pela Netflix, pega no material original de uma forma mais séria e apresenta uma estética mais familiar e atualizada ao que estamos habituados a ver em filme e séries de ficção científica. E claro, tenta adaptar-se ao novo formato de televisão, com excelentes valores de produção, mas com temporadas mais curtas.

Nós tivemos acesso aos primeiros cinco episódios de Perdidos no Espaço e as nossas primeiras impressões são bastante positivas. Ao chegarmos a meio da temporada, ficámos com vontade de continuar a seguir as aventuras da família Robinson, como é que a sua dinâmica vai progredir e que reviravoltas nos esperam na história.

perdidos no espaço netflix 02

A família Robinson não é tão perfeita como nos fazem querer no início, algo que é demonstrado logo no primeiro episódio com pequenos conflitos e inseguranças entre o casal e os três filhos. A série conta com interpretações bastante convincentes do elenco composto por John (Toby Stephens) e Maureen (Molly Parker), no papel dos pais, e os filhos Will (Maxwell Jenkins), Penny (Mina Sundwall) e Judy (Taylor Russel).

Perdidos no Espaço conta ainda com a personagem de um robô alienígena que se torna um pilar central para a trama da série com a sua relação relação com o jovem Will, restante família e elenco secundário e, também, pelo modo como afeta as motivações das personagens, que se encontram em modo “sobrevivência”.

Menos boa é a participação da antagonista principal, Dr. Smith (Parker Posey), que parece a representação de desenho animado, com uma atuação muito exagerada e demasiado teatral. Há uma tentativa de termos aqui uma personagem de personalidade perigosa e mentalmente perturbada, mas que, de intimidante, pouco tem.

De louvar está a apresentação de Perdidos no Espaço. A estética modernizada dos fatos, das naves e veículos e até do nosso robô não surgem só autênticos pelo grau de realismo estético, mas também pelo recurso a imensos efeitos especiais práticos e filmagens em localizações reais. Mesmos as cenas geradas por computador conjugam na perfeição com os elementos reais e, graças a uma boa cinematografia, Perdidos no Espaço é uma delícia de se ver numa boa televisão.

perdidos no espaço netflix 04

Estes primeiros episódios servem para estabelecer o tom da série e posicionar as ambições de todas as personagens. A série parece ter pouco a esconder sobre as personagens e as suas motivações, quase tudo é-nos dado e dito de modo a estarmos sempre a par do que está a acontecer sem fazer grande ginástica à cabeça. E isto faz sentido quando pensamos que Perdidos no Espaço é um drama familiar dirigido, passe a redundância, a toda a família.

Ainda que haja um ou outro momento mais tenso ou arrepiante, são os momentos familiares e o modo como as personagens interagem umas com as outras que nos fazem querer sentir investidos na série.

Semelhante à série Perdidos (Lost) e outras apostas televisivas que surgiram há cerca de 10 anos, Perdidos no Espaço recorre a imensos flashbacks para contextualizar o perfil das personagens. O problema aqui é que é um elemento usado com alguma irregularidade, e apenas quando convém à narrativa, quebrando o ritmo de alguns episódios que estão constantemente a saltar de personagem em personagem.

Perdidos no Espaço também se desenvolve de forma relativamente lenta, com imensos momentos que dão a ilusão de esticarem a corda para ocupar a totalidade dos 50 minutos por episódio. Este conteúdo a mais, se fosse retirado, tornava a primeira metade da temporada numa longa metragem.

perdidos no espaço netflix 03

O ritmo e progressão são os aspetos mais negativos para esta aposta da Netflix, que usa as maratonas e o “binge-watching” como argumentos interessantes para aderir ao serviço. Perdidos nos Espaço tem todos os ingredientes para nos deixar com vontade para ver os episódios seguintes, mas não o suficiente para ser feito de imediato. Cada episódio acaba deixar-nos de barriga cheia, sendo mais fácil de dirigir um episódio por dia, se houver vontade, ou por semana.

Perdidos no Espaço é intrigante, conta com alguns momentos bem emocionais, tem um elenco forte e visuais belíssimos com uma boa banda sonora a acompanhar.

Para ver sozinho ou com a família, Perdidos no Espaço estreia na Netflix com 10 episódios no dia 13 de abril.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Análise – Alba: A Wildlife Adventure (Xbox Series X|S)

Uma aventura de verão para todas as idades.

Análise – Mighty Goose (PlayStation 4)

Um ganso mercenário leva-nos numa viagem intergaláctica em busca de criminosos neste divertido jogo de ação e plataforma.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Programa Cultura no Dão promove cinema drive in, concertos e a descoberta dos trilhos pré-históricos do pastoreio

O programa Cultura no Dão tem como intuito contribuir para apoiar os agentes culturais e estimular a dinâmica económica, bem como valorizar o património artístico-cultural da região.

MyNestlé está a reembolsar o valor de compra de uma bebida vegetal Wunda

Já sabem: somente é possível um reembolso por pessoa.

Antevisão – Graven (Early Access)

Dos criadores de Wrath: Aeon of Ruin chega-nos mais um jogo de ação na primeira pessoa em Early Access e com imenso potencial.