Crítica – Marvelous and the Black Hole (Sundance 2021)

Marvelous and the Black Hole contém uma história muito bonita no seu centro, impossível de não criar um impacto positivo na audiência.

Marvelous and the Black Hole
Foto de: Sundance Institute | Nanu Segal
- Publicidade -

Sinopse: “Sammy (Miya Cech), de 13 anos, encontra-se com dificuldades em lidar com a morte da mãe. Depois de ser apanhada a vandalizar uma das casas-de-banho da escola, o seu pai, farto do seu comportamento selvagem, coloca-a num curso de verão – se falhar, será enviada para um campo de treino para jovens delinquentes. Depois de sair tempestivamente da sua primeira aula, Sammy conhece Margot (Rhea Perlman), uma ilusionista mal-humorada. Margot força Sammy a ser a sua assistente para uma performance e, embora Sammy esteja pouco interessada, procura Margot após o espetáculo e pede para se tornar sua aprendiz. Margot concorda e, à medida que a sua amizade improvável cresce, aprendemos que ela e Sammy acabam por entender-se mais do que esperavam.”

É, definitivamente, culpa minha, mas, até, agora, a minha agenda do Festival Sundance pode ser caracterizada principalmente por finais incrivelmente ambíguos, narrativas com várias camas e histórias emocionalmente pesadas que me deixaram totalmente exausto até o final do dia. Depois de assistir a Mass, cuja visualização se tornou devastadora, precisava seriamente de algo para alimentar meu espírito e recarregar a minha energia para o resto do dia. Portanto, estou super encantado após perceber que Marvelous and the Black Hole é um filme tão maravilhosamente leve, engraçado e edificante.

Miya Cech (Sammy) e Rhea Perlman (Margot) oferecem duas performances sinceras e divertidas, retratando personagens cativantes que têm mais coisas em comum do que imaginam. Com um guião muito bem escrito, nuances e realização fantástica, Kate Tsang entrega uma linda história sobre assuntos sensíveis como luto, raiva e tudo o que está relacionado com o tema “seguir em frente”, mas também sobre seguirmos a nossa paixão sem olhar para o que deixamos para trás. Foi com genuíno prazer e alegria que acompanhei de perto a jovem protagonista durante todo o tempo de execução sem desviar o olhar do ecrã.

O meu maior elogio vai para a escrita de Tsang. Posso contar tantos detalhes aparentemente irrelevantes que, mais tarde, acabam por revelar-se emocionalmente ressonantes. Deixei cair algumas lágrimas nos últimos minutos quando Sammy conseguiu provar o seu valor. Parte disso deve-se, também, à exibição de Miya, que foi uma verdadeira surpresa. Além disso, adoro os pequenos esboços espalhados pelo filme, como se o ecrã fosse o caderno de Sammy, demonstrando o que está a sentir nesse momento. Uma forma inovadora e divertida de desenvolver, ainda mais, uma personagem.

Marvelous and the Black Hole é uma tremenda surpresa, sendo um dos meus filmes favoritos do Festival Sundance até ao momento. A estreia de Kate Tsang é um sucesso fantástico que, definitivamente, a coloca como uma cineasta a quem se deve dar muita atenção nos anos seguintes.

Com um argumento notavelmente subtil e detalhado, Miya Cech e Rhea Perlman espalham a sua química brilhante pelo ecrã, entregando duas das prestações mais divertidas que vi nos últimos dias. Uma história bonita que começa com o impacto da perda de uma mãe e termina com um espetáculo mágico, emocionalmente poderoso e inspirador, que vou recordar durante algum tempo. A jovem protagonista é tão relacionável que não consegui impedir um par de lágrimas no final.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Sundance 2021 – Quinto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quinto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – The World to Come (Sundance 2021)

The World to Come é mais um drama romântico de um século passado com o qual tenho dificuldades em me sentir realmente investido.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Quarto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quarto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

CP repõe a totalidade de lugares disponíveis nos comboios apenas com lugares sentados

Fica sem efeito qualquer limitação imposta no âmbito da pandemia COVID-19.

Explora Journeys. Grupo MSC entra no mercado de cruzeiros de luxo

O primeiro dos quatro navios de luxo iniciará os seus cruzeiros em 2023, com outros três navios programados para navegar em 2024, 2025 e 2026.

As novidades da Square Enix na E3 2021

Marvel e Final Fantasy marcaram presença na transmissão.