Crítica – “Mark Felt” – Liam Neeson manda abaixo a Casa Branca

[yasr_overall_rating size=”medium”]


- Publicidade -

Estávamos em 2005 quando finalmente veio à tona a verdadeira identidade do até então conhecido como deep throat, como foi apelidado Mark Felt, vice-presidente do FBI. Felt ganhou este cognome depois de se ter tornado o principal informante da imprensa sobre o caso Watergate, o que lhe valeu trinta e três anos no anonimato.

A ambição em assumir o controlo do FBI, depois da morte de Edgar Hoover, e o seu desagrado quando a Casa Branca se envolve e o impede de subir de posto, deram-lhe motivos para que se tornasse o principal informante da imprensa e uma verdadeira pedra no sapato do então presidente dos EUA, Richard Nixon, o terceiro presidente em funções durante a guerra do Vietname.

Em 1972, durante a segunda campanha eleitoral de Nixon, cinco indivíduos do partido republicano invadiram os escritórios do partido democrata americano, localizados no complexo Watergate, em Washington, com o objetivo de conseguir informações confidenciais e fazer chantagem, num dos maiores escândalos de corrupção política até à data. Esta operação foi coordenada por membros da CIA e do FBI.

No dia seguinte à invasão, a informação chega às páginas do jornal The Washington Post e deixa os jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein de tal forma intrigados que resolvem pegar neste caso e esmiuçar toda a informação sem olhar a meios até encontrarem a verdade.

Aqui entra Mark Felt, peça fundamental para a resolução deste puzzle, uma vez que Felt já contava com trinta anos de experiência no FBI e com todas as confidencialidades que o cargo por ele ocupado e todos esses anos lhe conferiam. Torna-se no principal informante sobre o caso Watergate e entrega todo e qualquer tipo de informação aos dois jornalistas.

Com Felt, vice-presidente do FBI, a deixar escapar tudo o que jamais poderia vir a público, com o maior escândalo político dos EUA desvendado e com o presidente Nixon completamente exposto e obrigada a abandonar a Casa Branca, temos todos os ingredientes para um filme que conta uma história soberba, mas sem nenhuma ação ou suspense. Mas Mark Felt faz-nos sentir que falta algo mais e que nos apresenta a versão de um “vilão” com uma causa, que é interpretado com tal frieza que nos é impossível simpatizar com ele, até mesmo nos momentos familiares, criados exatamente para tentar humanizar a personagem.

Um filme de Peter Landesman, que iniciou a carreira como jornalista e correspondente de guerra para o The New York Times Magazine, conhecido pelos filmes Concussion, JFK, a história não contada – que recria os bastidores da morte de John F. Kennedy, e O Mensageiro.

O roteiro é inspirado no livro A G-man’s life, escrito pelo advogado John D. O’Conner e por Mark Felt, na altura já com 91 anos e alguns problemas de demência que sugerem pouca precisão dos factos contados.

Com Liam Neeson, como nunca o vimos, no papel de Mark Felt, Julian Morris no papel do jornalista Bob Woodward e ainda com a participação de outras caras conhecidas como Tony Goldwyn, Kate Walsh e Diane Lane, no papel de Audrey Felt, entre muitos outros, este filme dá-nos interpretações dignas de várias nomeações e que nos impossibilitam de desviar a atenção de tela do início ao fim.

Mark Felt estreia nos cinemas nacionais a 1 de março.

Texto de: Mafalda Fidalgo

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.

Crítica – A Quiet Place Part II

A Quiet Place Part II é "menos" do que o seu antecessor em quase todos os elementos, mas continua a ser uma das melhores sequelas do género de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Programa Cultura no Dão promove cinema drive in, concertos e a descoberta dos trilhos pré-históricos do pastoreio

O programa Cultura no Dão tem como intuito contribuir para apoiar os agentes culturais e estimular a dinâmica económica, bem como valorizar o património artístico-cultural da região.

MyNestlé está a reembolsar o valor de compra de uma bebida vegetal Wunda

Já sabem: somente é possível um reembolso por pessoa.

Antevisão – Graven (Early Access)

Dos criadores de Wrath: Aeon of Ruin chega-nos mais um jogo de ação na primeira pessoa em Early Access e com imenso potencial.