Crítica – Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time chega finalmente ao ocidente através da Amazon Prime, terminando a longa série anime, que marcou e traumatizou gerações, de forma vitoriosa e emocional.

- Publicidade -

Sinopse: “Shinji Ikari continua à deriva depois de perder a sua vontade de viver, mas chega a um local onde aprende o que é ter esperança. Finalmente com o Instrumentality Project em ação, Shinji toma uma última e muito difícil posição para impedir que o Último Impacto aconteça.

Antes de entrar a pés juntos numa apreciação muito superficial deste adeus, questiono: O que é Evangelion? Não num sentido literal em que a resposta é “um anime”, nem num sentido filosófico sobre o seu sentido e temáticas provocantes entrelaçadas com a sua complexidade mitologia. Pergunto o que é numa ótica mais pessoal. É uma história sobre crescimento? Sobre relações? Uma aventura com robôs gigantes à luta com seres alienígenas? Um marco para a animação japonesa? Na verdade é tudo isto, mas, no fim de Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time, pude cimentar a minha posição para esta série que acompanhou toda a minha vida e focar-me no que realmente é: procura da felicidade.

É irónico falar em felicidade e em esperança naquela que é uma das séries mais viscerais, cruas, torcidas e niilistas de maior sucesso. A série original de 1996 criada pelo lendário Hideaki Anno, Neon Genesis Evangelion, marcou e traumatizou gerações pelo seu tom melancólico e negro, condimentada com pequenos momentos de leveza para eventualmente quebrar o nosso coração. Algo que ficou ainda mais vincado com o The End of Evangelion, em 1997, com uma visão ainda mais desesperante e desconcertante dos momentos finais da série.

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time

Como o nome sugere, a saga Rebuild, composta por quarto filmes, é um ponto de reset, uma oportunidade de recontar os eventos de outra forma, algo que foi confirmado logo no primeiro filme com a introdução de novas personagens e uma história que começa a desviar-se um pouco do universo pré-estabelecido. A espinha dorsal é a mesma, os temas são os mesmos, até que tudo muda e ficamos com mais questões do que respostas, entre elas: será que vai ser mesmo uma versão mais otimista?

São muitos os sinais de esperança ao longo dos três filmes, e Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time confirma-nos logo isso com uma incrível sequência de animação, onde a humanidade tenta sobreviver num mundo novamente destruído por más decisões de Shinji. Também nos confirma tal facto ao colocar-nos num novo e raro cenário de slice-of-life, onde encontramos caras familiares e onde o trio de personagens principais tem a oportunidade de desenvolver o seu caráter e confrontar os seus fantasmas.

Desde cedo que Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time não esconde o que quer fazer para toda a série desde a sua introdução em 1996 sem fazer qualquer contra-mão narrativo: quer pedir desculpas. Numa primeira hora, o novo filme quase nos oferece tudo o que o lento Evangelion 3.0: You Can (Not) Redo, o filme anterior, deveria ter feito. E é de uma satisfação imensa.

O que parece ganhar um formato mais tradicional ou cliché, rapidamente se transforma no Evangelion que todos conhecemos. Após várias resoluções pessoais, embarcamos numa aventura para territórios desconhecidos, de coração nas mãos, temendo pela vida das personagens e pelo seu futuro que parece novamente negro e melancólico, mas que, a certa altura, ganha uma clareza enorme quando começamos a ler e a focar o que realmente interessa, especialmente durante um clímax que é uma inacreditável ode à animação e ao cinema, através de técnicas reminiscentes do final da série original, mas entrelaçadas de forma brilhante com a sua narrativa e ritmo emocionalmente catártico.

Há uma luz ao fundo do túnel e essa é a felicidade e esperança. Um espelho perfeito ao que a série foi uma vez, e uma oportunidade de renascer, sem ignorar ou trair o seu passado, em suma, crescimento – o verdadeiro tema de Evangelion. Podemos até dizer que o Rebuild de Evangelion é o Yang para o Yin que foi a série original.

Claro que Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon não é uma gloriosa vitória apenas pela direção otimista que toma. Se a qualidade da animação e os altos valores de produção que definiram a saga são uma prioridade para uma porção de fãs, Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon não desaponta, com os estúdios da Khara a darem tudo e a usarem todos os truques à sua disposição para contar a sua história. De animação 2D tradicional ao tão controverso uso de CGI 3D, tudo é animado de forma coesa e brilhante, e mesmo quando parece que não está “a funcionar”, há algo que nos responde “então é por isso”. Cada frame, cada ângulo, cada movimento da câmara e dos seus sujeitos têm algo para contar, e tudo isso sente-se ao longo das suas duas horas e meia de duração.

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon a Time

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon é um filme grande, algo raro para este tipo de produções animadas, e em consequência disso sofre um pouco de ritmo. Na verdade, o quarto filme é uma temporada inteira, que daria meia dúzia de episódios, onde se percebe facilmente onde começam e acabam os seus “capítulos” focados numa personagem ou situação.

Como não seria de esperar, Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon tenta também justificar todas as loucuras que acontecem no ecrã com conceitos científicos e mitológicos que transcendem a nossa lógica, através de diálogos expositivos que várias vezes afetam a nossa oportunidade de compreensão. É uma espécie de gordura extra, que dá sabor, mas no fim não só é desnecessária, como acaba por nos enjoar, naquele que podia ser um prato perfeito.

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon não é perfeito enquanto filme. É uma chama que arde lentamente, recheada de exposição mais confusa do que seria ideal, com algumas decisões um pouco questionáveis para os maiores fãs da série, mas é o final e o adeus que a saga e as suas personagens mereciam. Algo que já se deixava antever desde Evangelion: 1.01 You Are (Not) Alone. É belo, emocionante, trágico e surpreendentemente doce e otimista, terminando numa nota extremamente alta e marcante. Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon é, no fundo, uma revelação.

Evangelion: 3.0+1.01 Thrice Upon chega à Amazon Prime no dia 13 de agosto, juntamente com os filmes anteriores: Evangelion 1.11 You Are (Not) Alone, Evangelion 2.22 You Can (Not) Advance e Evangelion 3.33 You Can (Not) Redo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Fantastic Beasts 3 recebe um título e chega em 2022

The Secrets of Dumbledore é oficial e tem estreia marcada para abril.

Crítica – The Green Knight

The Green Knight é um estudo de personagem lento com alguns dos melhores visuais e produção sonora que alguma vez testemunhei.

Bem Bom é o filme português mais visto desde 2019

Já precisávamos de boas notícias.

Dragon Ball Super: Super Hero é o nome do novo filme

Foi revelado o teaser que anuncia esse mesmo nome, bem como um primeiro olhar ao design de algumas personagens.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Shawn Mendes regressa a Portugal em 2022

King Princess junta-se ao músico para assegurar a primeira parte do espetáculo.

Desconfinamento. Bares e discotecas voltam a funcionar a 1 de outubro e acabam os limites de lotação

O certificado digital será necessário para aceder a grandes eventos e a máscara continua a ser obrigatória em várias situações. Mas há exceções.

O Jumanji está a caminho da Playstation 5

Jumanji: The Video Game vai ser relançado com uma edição adaptada à nova consola da Sony.