fbpx

Crítica – Daredevil (Terceira Temporada)

Para os que estão menos familiarizados – o que deve ser difícil nesta altura – Daredevil é a primeira série resultante do acordo entre Marvel e Netflix em produzir séries de televisão para a plataforma de streaming.

A primeira temporada chegou em 2015, conquistando fãs e críticas ao focar-se no seu protagonista, Matthew Murdock, e num dos seus maiores inimigos, Wilson Fisk, e deixou bem longe as terríveis memórias proporcionadas pelo ainda pior filme de 2003. Já a segunda temporada chegou meses depois, mas deixou algo a desejar quando começou a focar-se em personagens como Elektra, totalmente desinteressante.

Agora, esta terceira temporada volta a focar-se em Murdock e Fisk, além de introduzir novos personagens, claro, mostrando que em equipa que ganha não se mexe, evolui-se.

Há, no entanto, logo um “problema” inicial: esta terceira temporada começa logo após os acontecimentos de Os Defensores, o que significa que será obrigatório ver essa minissérie para ficar a par da história e de tudo o que acontece logo no primeiro episódio.

Há algo que persiste nos primeiros episódios desta nova temporada: Matthew Murdock está perdido. Destruído física e emocionalmente, questiona a sua existência, a sua fé e o seu papel perante o mundo, perdendo, até, a vontade de viver. Porém, e apesar da vontade de permanecer escondido, acaba por aperceber-se não pode deixar de lado a sua vertente de “The Devil of Hell’s Kitchen” enquanto aqueles que mais ama são ameaçados. De realçar o desempenho de Charlie Cox no papel, mostrando que é bem mais interessante que um Luke Cage ou um Iron Fist.

Ainda assim, os primeiros dois/três episódios são algo chatinhos, uma vez a narrativa é lenta em desenvolver e toca em pontos desnecessários, acusando um ritmo inconsistente. Mas é a partir daí que tudo melhora.

Nota-se que houve um esforço em trazer de novo o ambiente e o tom vividos na primeira temporada. E, inteligentemente, os guionistas sabem que, além de um grande super-herói, tem de existir um vilão ainda melhor. E não há ninguém que marque tanto uma cena como Wilson Fisk. Vincent D’Onofrio – muito subaproveitado no grande ecrã – é mais do que perfeito para o papel da personagem que se irá assumir, de uma vez por todas, como Rei do Crime.

Ou seja, o regresso do icónico vilão é uma das melhores qualidades desta terceira temporada. Decidido a ajudar a sua amada Vanessa, Fisk não olha a fins para atingir os seus objetivos, sendo mesmo responsável por excelentes cenas de ação e por dos melhores momentos da série no geral. Aliás, nota-se que D’Onofrio tem um gozo tremendo ao encarar a personagem, pois sabe melhor que ninguém que nada é mais importante ali que as suas palavras ou ações. Dito isto, seria pedir muito um spin-off dedicado a Fisk?

Se estas duas estrelas são os pontos mais fortes de Daredevil, é nas personagens secundárias que incide um dos problemas da série. Sim, Karen Page (Deborah Ann Woll) e Foggy Nelson (Elden Henson), dois dos personagens que o público mais gosta, também conseguem bons momentos, eles que pensam que Murdock está morto, lutando para que, de alguma forma, consigam dar seguimento ao legado do seu amigo. Mas outros personagens secundários que foram adicionados à trama, como um novo vilão, por exemplo, deixam bastante a desejar, fazendo com que existam momentos aborrecidos ao longo destes 13 episódios.

Aliás, 13 episódios é mesmo o problema destas séries da Marvel, uma vez que, quando as histórias deixam de se centrar nos personagens principais, os acontecimentos tornam-se bastante banais. Ou seja, há conteúdo de qualidade? Claro que sim. Mas serão 13 episódios excessivos? Sem dúvida.

Em todo o caso, para quem segue as histórias da banda desenhada, irá perceber que esta temporada é baseada no arco “A Queda de Murdock“, conseguindo-se aqui uma boa adaptação.

Em suma, a terceira temporada de Daredevil, apesar do seu ritmo pausado, de tempos a tempos, tem tudo para funcionar. Vai ser uma temporada muito sombria e com muita, muita violência. Preparem-se.

A terceira temporada de Daredevil já está disponível na Netflix.


- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,779FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Crítica – The Devil All The Time

The Devil All The Time pode não ser indicado para aqueles que têm uma visão muito pessoal sobre a religião. Já para outros será um filme que tardará a desaparecer da memória.

Crítica – Mulan (2020)

Mulan é um filme que muito difere da versão animada e original de 1998. E é provável que muitos fãs não fiquem agradados com esta película live-action.
- Publicidade -

Mais Recentes

Raised By Wolves vai ter uma segunda temporada

Em Portugal, a série é exibida na HBO Portugal.

Festival Gastronomia de Bordo acontece em Peniche já em outubro

Este ano, o festival Gastronomia de Bordo em Peniche adaptou-se às novas circunstâncias e fica circunscrito à experimentação dos pratos em apenas alguns restaurantes.

Vodka Russkaya já chegou a Portugal

É uma das marcas de vodka mais vendidas em todo o mundo.