Crítica – “A Maldição da Mulher Que Chora” (“The Curse of La Llorona”)

1970. Los Angeles. La Llorona persegue a noite… e as crianças. Ignorando o aviso estranho de uma mãe perturbada, suspeita de colocar menores em perigo, uma assistente social, Anna (Linda Cardellini), e os seus próprios filhos, são atraídos para um reino sobrenatural assustador. A única esperança de sobreviver à ira fatal de La Llorona resta num sacerdote desiludido com a vida e o seu misticismo que pratica para manter o mal longe das almas, nos limites onde o medo e a fé colidem.

- Publicidade -

Não é tão mau como The Nun, permitam-me relaxar-vos à partida. Se há algo que este filme prova é o talento que Michael Chaves tem por detrás da câmera, o que oferece alguma esperança para The Conjuring 3. Contrariamente ao outro spin-off do universo, The Curse of La Llorona (em português A Maldição da Mulher Que Chora) atenuou a exposição preguiçosa e elevou as sequências assustadoras, simplesmente por ter um realizador mais capaz. Fantásticas cenas one-take encontram-se espalhadas por todo o tempo de execução, o que não só aumenta o suspense, mas prova que Chaves realmente trabalha bastante para proporcionar um ambiente aterrorizador.

qFEwu wYEKb7yhLtB8GRrvRIkNCTGcRaTH00 8gjL60qjAmuOG1ihm e0MSzndLtF3ETUJIqcsR2C0C IgfmSc2eGBbHMpBthVgyCHytRLkdcNSH J e8NgcSw2nGwBnR4XNRGq1=w2400Também produz alguns jump scares eficazes e inovadores, mesmo que a maioria deles ainda sigam um timing irritantemente previsível. Estes ainda são muito baseados no cliché de “personagem vira a cabeça, um grande monstro feio grita com toda a sua força e a banda sonora vai do silêncio a um volume estridente”. Cenas como estas já não são assustadoras e são algo “antiquadas”, bem como a típica história de origem. Não há nada de novo ou entusiasmante numa “lenda urbana que afinal é verdade”.

Felizmente, a história é simples. Não é preenchida com exposição explícita a cada dois minutos, e a curta duração ajuda o filme a desenvolver através de um ritmo rápido. Por outro lado, é apenas mais um argumento de horror comum que os escritores tiraram da gaveta dos guiões clássicos.

Linda Cardellini tem um forte desempenho como protagonista. Apesar de todas as personagens deste filme tomarem decisões questionáveis que acabam por levar a eventos evitáveis (algo ironicamente inevitável em filmes de horror), Anna é uma mulher caridosa e corajosa, que apenas quer o melhor para todas as crianças, não só as suas. Raymond Cruz retrata Rafael, um sacerdote que praticamente se comporta como ou ajuda a despoletar um deus ex machina. Mal tem qualquer tipo de desenvolvimento decente de personagem, mas funciona bem o suficiente como comic relief para transformar num tom mais leve o que, de outra forma, seria demasiado negro. Os atores jovens são bons, mas Patricia Velasquez (Patricia Alvarez) é incrivelmente over-the-top, o que não ajuda o seu já enfraquecido guião.

7WMhP9ELNeOOkjjEjliFZxj18ymU8 cyWm3I1jlcZyy1DZT0VIfia BcfqRqKXVlpfmMLqDdHTBxWbexZ iadfhhpz XXvOSu5FMyz BXNDEzJhmuev0LluFwbohk1 bJhLs9gzb=w2400No final, The Curse of La Llorona é… “okay”. Não é tão horrível como The Nun, e honestamente, isto é um bom elogio para um filme de horror tão típico e cliché como este. Michael Chaves realmente salva o que poderia ter sido um desastre com outro realizador. Sequências one-take maravilhosamente controladas, aumentando os níveis de suspense, e também a produção de alguns jump scares imaginativos, mesmo que a maioria deles tenham falta de um medo real.

Linda Cardellini lidera muito bem o filme, mas é pena que todas as personagens sejam obrigadas a tomar decisões absurdas para mover o enredo para a frente. Algumas personagens também necessitavam de um maior cuidado nos seus guiões, além de um maior foco na história a contar, ao invés de apenas criar sustos após sustos.

Estiveram quase, mas não perto o suficiente…

Nota: Criticas 2 e Meia Estrelas

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
784SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Crítica – Thunder Force

Thunder Force é mais uma peça de storytelling sem sentido e absurda de Ben Falcone, caraterizada por um humor insuportavelmente seco e forçado, para além de uma história facilmente esquecível.

Crítica – Voyagers

Voyagers possui uma fórmula bem-sucedida de ficção científica e leva-a por um caminho de desenvolvimento desinteressante, nada surpreendente e frustrantemente genérico.

Crítica – Promising Young Woman

Promising Young Woman guarda uma das melhores estreias na cadeira de realização de sempre. Emerald Fennell entrega uma história fascinante e imprevisível que subverte impressionantemente o subgénero de vingança.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Plano Ferroviário Nacional quer ligar todas as capitais de distrito e cidades com mais de 20.000 habitantes

Pensado a longo prazo, é a primeira vez que Portugal tem um Plano Ferroviário Nacional. O investimento estimado é de 10 mil milhões de euros.

O novo Pastel de Nata da BAGGA cortou 50% no açúcar

E como seria de esperar, houve uma redução de gordura. Porém, a BAGGA promete o sabor de sempre no seu Pastel de Nata.

McBifana está de volta aos restaurantes McDonald’s

Nas versões McBifana Original e McBifana Mostarda.