Copo de Mar – Do Mercado 31 de Janeiro diretamente para o nosso prato

- Publicidade -

Podem vir aqui comer peixe bom, à confiança.

Portugal é reconhecido pelos quatro cantos do mundo por vários motivos, nomeadamente pela sua gastronomia inconfundível e, claro, pelas matérias-primas que a compõem. Falamos, nomeadamente, do peixe e marisco tão característicos, não fosse o nosso país estar banhado pelo Oceano Atlântico, que nos providencia assim d peixe mais fresco e delicioso que há.

E foi com base nesta premissa que três sócios se juntaram para abrir nada mais nada menos que o Copo de Mar, um restaurante não-tradicional de peixe grelhado que promete trazer um twist muito interessante a um conceito já bastante trabalhado e bastante português, marcando assim a diferença no mercado da restauração.

Aberto desde agosto, o projeto começou a ser pensado há cerca de um ano pelos três sócios fundadores: Rodrigo Braga, gerente do espaço; o seu tio, Paulo Braga (responsável pela carta de vinhos), que, tal como o seu sobrinho, se apaixonou pelas comidas tradicionais portuguesas, sobretudo pelo mar e o seu peixe; e Armando Baptista, o designer de todo o espaço. Mas o projeto não se transformou logo no Copo de Mar, uma vez que passou por diferentes conceitos teóricos até culminar no restaurante que hoje todos podem visitar. Inicialmente pensou-se um formato de dark kitchen, isto é, um local que não recebe clientes, servindo apenas para delivery e takeaway, e depois os três sócios pensaram em criar uma casa de frangos. Mas não foi nada disso que aconteceu – no fim de tudo, o que importa dizer é que Lisboa ganhou um novo restaurante requintado e muito chique.

Nota-se claramente o amor e o cuidado com o serviço ao cliente e também que cada pormenor foi pensado obsessivamente, resultando num espaço perfeito para um encontro romântico ou até mesmo uma refeição em família. Já o nome, Copo de Mar, teve a sua inspiração no poema Invenção de Orfeu, de Jorge Lima, afixado na parede do restaurante e que alude ao sonho e novos desafios, algo que serve que nem uma luva a este restaurante.

Nós não podíamos deixar passar a oportunidade e decidimos ir experimentar o Copo de Mar. Localizado em Lisboa, na Av. Barbosa Du Bocage 107A, temos uma entrada discreta que assim que entramos nos leva para o mundo marítimo: há uma aiola e um barco típico sesimbrense (sim, leram bem, havia um barco no teto!), que cria logo uma atmosfera que quase parecemos sentir o cheiro do sal e ouvir o barulho das ondas. Mas desengane-se quem pensa que isto é algum restaurante de peixe assado/grelhado como os demais.

A verdade é que o design de tudo foi pensado até ao ínfimo pormenor. Temos, por exemplo, as luminárias, que foram criadas por uma artista de Turim, que trabalha tecidos e já fez vários trabalhos para hotéis, tecidos que também foram usados para forrar as cadeiras do restaurante. Outro exemplo que achámos bastante engraçado foi o facto de até os individuais se adaptarem ao tema, tendo imagens de peixes, mapas ou bussólas, e ainda uma típica sardinha portuguesa em cerâmica para colocar os talheres em cima. Tudo pormenores que fazem com que este restaurante se diferencie dos demais.

À conversa com Rodrigo Braga, percebemos que era mesmo essa a intenção: primar pela originalidade e qualidade, tentando destacar-se num mercado já bastante competitivo. E como prova disso, no Copo de Mar come-se bom peixe, em que há sempre camarão ou salmão, mas também peixe do dia (robalo e dourada, por exemplo) que são confecionados de maneira tradicional. O que muda radicalmente são os acompanhamentos que cada prato traz: aqui temos um pouco do gostinho da culinária do Brasil aliada a um ótimo peixinho grelhado – é vitória certa. O que é mais interessante é que, em termos dos acompanhamentos, há um claro enfoque nos vegetais e frutas, numa mistura de diferentes sabores e texturas, tudo criado para que o cliente tenha uma explosão fantástica de sabores com uma só garfada. Ou seja, e se é para primar pela diferença, bem podem esquecer aqui as típicas batatas assadas/cozinhas servidas nos milhentos restaurantes de peixe grelhado que vamos encontrando por aí.

Mas mergulhemos agora no que realmente importa e o verdadeiro motivo pelo qual devem visitar o Copo de Mar: comida deliciosa.

O menu não é propriamente vasto, o que é ótimo para irmos logo diretos ao assunto, e, no nosso caso, começámos com duas entradas: Tártaro de Atum e Maçã Verde (com erva doce, alface frisée, ervas frescas e yuzu) e Bacalhau e Sofrito (brandade de bacalhau e batatas, cebola com tomate e tapenade de azeitonas pretas). Ambos os pratos estavam muito bem empratados, bem servidos e o tártaro estava com a textura perfeita que este prato sempre pede, além de que o toque da maçã verde faz realmente a diferença. Já a entrada de Bacalhau e Sofrito destaca-se claramente graças à cama de cebola com tomate, a fazer lembrar o bacalhau tão típico da nossa avó.

Já os pratos principais acabaram por refletir os nossos gostos pessoais, uma vez que não apreciamos marisco. Dito isto, optámos antes pelos pratos de peixe, nomeadamente pelo Salmão e Chutney (salmão grelhado com couscous de sêmola, legumes e frutas secas, chutney de manga e gengibre) e pela Pesca do Dia, que neste dia foi robalo, acompanhado de farofa de banana e mandioca na nata. São pratos que dificilmente desiludem, e aqui passaram com distinção – destaque para o salmão, que casa sempre bem com manga.

Convém dizer que o peixinho vem diretamente do Mercado 31 de Janeiro, pelo que a qualidade está mais que assegurada.

Para terminar na crista da onda, escolhemos uma Tarte de caramelo salgado e tangerina e Entremet chocolate. Ambas estavam deliciosas e foram o ponto final perfeito da experiência. A tarte não tinha como desiludir, já que o sabor do caramelo é uma tentação e, em conjunto com a tangerina, fica uma sobremesa fantástica. Quanto ao entremet de chocolate, fazia lembrar uma tira muito comprida de salame de chocolate, o que para nós é um sonho, já que somos fãs acérrimos de chocolate… e de salame também.

Uma ressalva que gostávamos de fazer é que é possível usar a app Grazie, que permite fazer o pedido e fazer o pagamento sem terem de pedir diretamente a um dos funcionários. Facilita, e muito, o processo, pelo que basta esperar que tudo chegue à mesa.

O Copo de Mar está aberto de segunda a sexta, das 12h às 15h e das 19h às 23h, e aos sábados das 19h às 23h, e conta com 36 lugares sentados. Para reservas, podem ligar para o 21 796 0774, através do TheFork ou diretamente por aqui.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes