Porto recebe aquele que será o mais curioso festival dedicado à cerveja artesanal

- Publicidade -

E há workshops gratuitos mediante reserva antecipada.

A cerveja artesanal continua a viver momentos de fulgor e dinâmica neste período pós-pandémico. E é já esta semana, nos próximos dias 5, 6 e 7 de novembro, que o Porto recebe o Festival internacional C’Azedu Wild At Heart, um evento de cervejas muito especiais e da cultura das fermentações espontâneas.

No edifício da Alfândega do Porto, este será muito provavelmente o mais curioso festival desta temática tão em voga. 17 cervejeiras, nove nacionais e oito internacionais de renome mundial, trazem até ao Porto pela primeira vez na história da cervejaria portuguesa, num certame completamente focado nas chamadas Wild Ales ou cervejas espontâneas, cujo o estilo mais reconhecido será o Lambic, um produto secular belga, classificado como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Entre as estrelas destacam-se a Timmermans, uma cervejeira dos arredores de Bruxelas com mais de 300 anos, a nova vaga belga com Alvinne e Bofkont, as vanguardistas dinamarquesas Penyllan e Baghaven, ou as culturalmente irrequietas, a catalã La Calavera e a Popihn francesa. A estas convidadas especiais juntam-se as mais reputadas do movimento cervejeiro nacional: Vadia, Dois Corvos, Letra, Maldita, Luzia, Barona e ainda a Burguesa e a Sovina, com as suas propostas deste tema.

Destaque também para as Portuguese Grape Ale, um estilo que se quer afirmar internacionalmente e que tem na cultura da vinha e das castas de uva autóctones portuguesas a base deste estilo cervejeiro. Para a partilha de conhecimento, o festival convidou os pioneiros da Italian Grape Ale, a Loverbeer, do Piemonte italiano.

Mas não só de cerveja vive esta cultura das fermentações espontâneas, e a grande novidade é que a anfitriã cerveja recebe também no evento as novas tendências dos vinhos e “nat cool” naturais, sidras, kombuchas, destilados e cocktails, que são a nova vocação deste efervescente mercado.

A organização conjunta da cervejeira Vadia e da promotora OG&ASSOCIADOS (PortoBeerFest), para além do festival aberto ao público, propõe paralelamente uma programação mais técnica “Vadia Knowledge&Networking” com workshops, palestras e experiências sensoriais, mediante reserva antecipada e limitada por email. Os temas são variados e vão da maturações em barrica, I&D da cortiça na conservação destas bebidas, mercado inovador das sidras, projetos de novas leveduras espontâneas… até a apresentação da nova edição especial Seleção 1927 Barrel Aged, da Super Bock.

Com tantas referências únicas e exclusivas para provar – algumas mesmo raridades mundiais – outras fermentações como o pão de massa-mãe e a queijaria portuguesa não podem faltar. Da mesma forma, uma típica assadora de castanhas de rua e outros petiscos em pop ups de comida de rua darão o conforto que se precisa para acompanhar as 100 cervejas “wild” do festival.

Durante os dias do festival e por toda a cidade do Porto, a programação acontece nos bares especializados, onde os mestres cervejeiros estarão para contacto com o público nos “Meet The Wilders”, no Armazém da Cerveja, Catraio, Letraria, Hoptrip e Beer Kingdom.

Quanto a preços, a entrada é de 4€, incluindo copo, sendo que o consumo é feito mediante aquisição de fichas no recinto. No que toca às degustações, as Provas 10cl custam a partir de 1,5€ ou ao copo 20cl e conforme estilo/marca/tipo de bebida.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes