Afinal, os bares podem funcionar já a partir de 1 de agosto

- Publicidade -

Desde que apliquem as regras dos restaurantes.

Esta quinta-feira, dia 29 de julho, numa comunicação ao país, o primeiro-ministro António Costa explicou as medidas para os próximos meses, divididas entre três fases. Na última, prevista para outubro, foi dito que as discotecas e bares podiam começar a funcionar finalmente nessa altura, mas exigindo a apresentação de certificado digital ou teste negativo à COVID aos clientes.

Ora, o Governo enganou-se. Afinal, os bares podem já começar a funcionar a partir do próximo domingo, 1 de agosto, mas com as regras da restauração.

Na prática, isto significa que os clientes terão de se manter sentados e os responsáveis dos bares terão de certificar-se que estão a ser respeitados os limites no que toca ao número de pessoas por mesa. Na prática, os bares poderão estar aberto até às 2h da manhã e com um máximo de seis pessoas por mesa no interior ou 10 pessoas nas esplanadas.

“Os bares e outros estabelecimentos de bebidas sem espetáculo, com sujeição às regras estabelecidas para o setor da restauração e similares, desde que observem as regras e orientações em vigor e as especificamente elaboradas pela Direção-Geral da Saúde”, diz o comunicado do Conselho de Ministros.

Já em outubro, que é quando deverá ocorrer a terceira fase no caminho para a libertação, os bares “reabrem atividade habitual mediante apresentação de Certificado Digital COVID da UE ou de um teste com resultado negativo”. Nessa mesma altura, e aí sim, as discotecas poderão voltar a funcionar.

- Publicidade -
- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Vila Galé em Tomar deverá estar pronto até novembro de 2023

E será uma unidade hoteleira de cinco estrelas.

Arcade Fire no Campo Pequeno – A música vence sempre?

A banda canadiana recordou-nos que é obreira de alguma da melhor música das últimas duas décadas. O resto? Pois, o resto logo se verá.