Associação Turismo de Lisboa criou call center que disponibiliza informação turística e cultural

Está a funcionar a partir do Pavilhão Carlos Lopes.

INFOLISBOA - call center
- Publicidade -

Face à atual situação que o mundo está a viver, a Associação Turismo de Lisboa quis criar novas formas de contacto com os turistas portugueses e estrangeiros para que seja cada vez mais fácil o acesso à informação turística. Assim, eis que surge o INFOLISBOA, um novo call center que disponibiliza informação turística e cultural sobre o destino aos portugueses e visitantes estrangeiros.

A funcionar a partir do Pavilhão Carlos Lopes, este novo serviço telefónico, assegurado por técnicos dos postos de Turismo de Lisboa, permite fazer reservas para espetáculos, em hotéis e restaurantes ou até mesmo adquirir produtos como o Lisboa Card, que dá acesso livre aos transportes públicos, entrada gratuita em 35 museus, monumentos e locais de interesse turístico e vários descontos noutros equipamentos e em lojas de artigos genuinamente portugueses.

Para além das informações e serviços úteis que ajudam os turistas a conhecer Lisboa, a equipa especializada desta linha de informação vai ainda esclarecer sobre todas as medidas Covid-19 em vigor e que devem ser respeitadas para que seja possível circular em segurança no destino.

As chamadas nacionais para o call center INFOLISBOA são gratuitas e devem ser feitas através do número 800 500 503. Este novo serviço fica disponível a partir de amanhã, dia 29 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.

Continente abre primeira loja em Gouveia

Continua a expansão da marca da Sonae.

Lagoa dos Salgados será classificada como área protegida de âmbito nacional

Há 21 anos que, em Portugal, não era classificada nenhuma área protegida de interesse nacional.