Análise – Memories of Mars

Marte foi abandonada. Depois de décadas de exploração mineira, o planeta foi abandonado e os seus habitantes deixados à sorte. Muitos morreram, outros sobreviveram sobre o terrível solo árido de Marte. Como um clone, que acaba de acordar, a nossa missão é a de sobreviver, a solo ou com a ajuda de amigos, e descobrir o que levou a Humanidade a deixar o planeta para trás. Por entre vales sombrios, estações abandonadas e planícies desertas, assim encontramos Memories of Mars.

Como jogo de sobrevivência, Memories of Mars não se procura destacar. Influenciado por alguns dos melhores títulos do género, como Ark: Survival Evolved e Conan Exiles, mantém o foco na recolha de recursos e na construção de utensílios, equipamentos e bases que se tornam essenciais para a nossa sobrevivência. Memories of Mars coloca-nos no centro deste planeta explorável, com várias zonas que podemos visitar e ocupar, existindo um foco na manutenção das necessidades básicas da nossa personagem e na luta contra robôs que continuam a povoar o planeta.

Memories of Mars pode não destacar-se, sendo, em vários sentidos, muito próximo do que já vimos noutros jogos, mas há uma tentativa forte em ser mais profundo e variado do que a norma. Há um leque impressionante de habilidades que podemos desbloquear, divididas por três classes, que nos dão acesso a novos tipos de construções, armas e resistências biológicas para a personagem. As opções de personalização são interessantes e há uma aposta na liberdade dos jogadores, ainda que o estilo visual, muito assente na ficção científica, repleto de tons brancos e cinzentos – juntamente com estruturas gastas e enferrujadas –, não surpreenda pela positiva. É um planeta extenso, sem dúvidas, mas pouco apelativo.

O modulador 3D é um dos destaques, oferecendo aos jogadores a possibilidade de construírem tudo em qualquer parte do mapa. Para tal, só precisam de posicionar o modelador no chão e aceder ao seu menu, existindo assim uma aposta curiosa no realismo, como se estivéssemos perante uma verdadeira ferramenta científica. Apesar dos menus serem, nesta versão para consolas, pouco intuitivos e difíceis de navegar – ainda mais em momentos de tensão –, consigo apreciar a variedade de opções e a facilidade em posicionar no mapa os vários objetos para construção.

memories of mars review echo boomer 1

O que não consigo apreciar é a insistência num modo online, sem quaisquer opções de jogar offline. As experiências cooperativas e competitivas são sinónimos do género, criando assim um mundo mais verossímil e povoado por sobreviventes como nós, mas acho importante ter a escolha de jogar completamente a solo. Memories of Mars apresenta vários servidores, com modos de PvP e PvE, mas perde este lado mais solitário que aprecio no género. A ideia de sobreviver sozinho perante as adversidades é perdida quando vejo o horizonte marciano poluído por estruturas construídas por jogadores que nunca encontro dentro do jogo. É um problema pessoal.

Memories of Mars é um jogo que considero ser apenas para fãs do género. Mesmo com uma variedade considerável de habilidades e opções de construção, é um jogo desinteressante a nível visual e que não adiciona nada a um género tão apetrechado de melhores exemplos. As primeiras horas são, ainda assim, empolgantes, com muito para descobrir, mas rapidamente percebemos que Marte é mais aborrecida do que esperávamos.

Nota: Satisfatório

Plataformas: PC, PlayStation 4, Xbox One
Este jogo (versão PlayStation 4) foi cedido para análise pela 505 Games.

Memories of Mars consegue apelar aos fãs do género e dar-nos uma experiência assente na recolha de recursos e na sobrevivência, mas é condicionado por uma jogabilidade aborrecida e pouco limada, e um motor gráfico já datado.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,584FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
609SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Palm Springs

Palm Springs não só é uma das melhores rom-coms alguma vez feitas, como é também um dos melhores (se não mesmo o melhor) filmes de 2020 até à data.

Crítica – Shirley

Shirley é, sem dúvida alguma, cinema de autor por parte de Josephine Decker, que entrega uma biopic única que quebra todas as limitações impostas pelo género.

Crítica – White Lines

Mistério, drama e romance. A nova produção de Álex Pina tem um pouco de tudo.

Crítica – The Untouchables (1987)

Apesar de três longas décadas, The Untouchables sobrevive ao teste do tempo com uma produção autêntica e realista.
- Publicidade -

Mais Recentes

Devolver Digital apresenta o futuro das exposições com a Devolverland Expo

Provavelmente, o primeiro “simulador de marketing” do género.

Carrion aterroriza o PC e consolas já a 23 de julho

Com lançamento especial no Xbox Game Pass.