Análise – Exit the Gungeon

As mãos ainda soam, os cabelos estão em pé e as mãos tremem descontroladamente – assim é a experiência de Exit the Gungeon, um jogo de plataformas e ação que se despe do género dungeon crawler do título anterior, lançado em 2016, para se focar numa estrutura mais linear e muito mais assente na jogabilidade árcade.

Exit the Gungeon é um spin-off tremendo, no sentido em que consegue readaptar a jogabilidade do original e transformá-la num novo e igualmente desafiante género. As masmorras procedurais desapareceram e deram lugar a arenas verticais que se dividem por vários níveis, onde temos de eliminar todos os inimigos, evitar o mar de balas e enfrentar um boss para avançarmos para a próxima etapa. Os níveis seguem um design simples, com várias plataformas que podemos utilizar para nos desviarmos, mas há uma evolução na sua complexidade e uma variedade interessante no que toca aos perigos que encontramos em cada uma delas.

Se, por exemplo, começamos numa arena sem perigos adicionais, rapidamente passamos para níveis onde o chão se move e somos atacados por caveiras embutidas nas paredes. O ritmo é frenético, imparável e muito intenso, com a dificuldade a aumentar a cada arena que conquistamos.

Exit the Gungeon

O conceito, no entanto, nunca deixa de ser intuitivo e acessível, focando-se unicamente em dois elementos concretos: desviar e disparar. Com arenas fechadas, somos atacados de todas as direções por inimigos de vários tipos, desde explosivos até a atiradores furtivos. As balas vêm de todos os lados e é necessário sermos rápidos e eficazes. O salto e o desvio dão-nos invencibilidade momentânea que nos permitem evitar as balas e continuar a lutar, com Exit the Gungeon a criar padrões de ataques que nos irão levar à loucura. Nos momentos mais intensos, parece que estamos perante um Bullet Hell, onde é estritamente necessário compreender os ataques dos inimigos e dominar o desvio.

Tal como no original, Exit the Gungeon traz consigo um armamento surpreendente, apostando na variedade e na aleatoriedade, onde encontramos pistolas tradicionais, lança-rockets, guitarras, atiradores de gelo e até de bolhas de sabão, entre outros. Cada arma tem a sua vantagem e todas elas, até as mais lentas e que necessitam serem carregadas, funcionam dentro das arenas frenéticas.

No entanto, o elemento aleatório não está presente apenas no poder destas pistolas, mas também na ordem em que as usamos. Exit the Gungeon não nos deixa escolher ou trocar de armas e implementa uma seleção aleatória que vai rodando de acordo com a nossa utilização. Ao fim de poucos minutos, a arma muda automaticamente e vemo-nos com um tipo de disparo diferente, sobre o qual temos de alterar a nossa estratégia. Apesar de ser contra este tipo de ausência de liberdade, devo admitir que a escolha aleatória funciona em Exit the Gungeon, nunca deixando os jogadores indefesos ou com uma arma pouco funcional.

Exit the Gungeon

As raízes roguelite continuam presentes em Exit the Gungeon e é possível, após cada partida, utilizar o dinheiro amealhado para comprar novas armas e itens. Estas armas, que desbloqueiam à medida que avançam na masmorra vertical, ficam disponíveis no jogo e passam a fazer parte da roleta de seleção, adicionando assim mais armamento à campanha. Com mais armas, mais hipóteses de sucesso. Não há, portanto, uma evolução de personagens, mas sim novas opções de combate e de lutadores que dão uma maior variedade à jogabilidade.

Não é uma sequela, mas Exit the Gungeon é um spin-off delicioso que irá entreter os fãs da série, de roguelikes e Bullet Hells/Shoot’em Ups. É divertido, muito difícil e tem o ritmo perfeito para um jogo deste género. Apesar de existirem ainda alguns bugs, não deixem passar este título se procuram algum desafio.

Nota: Muito Bom

Plataformas: PC, Nintendo Switch, iOS
Este jogo (versão Nintendo Switch) foi cedido para análise pela Cosmocover.

Exit the Gungeon não complica e dá-nos uma experiência simples, mas muito desafiante que irá satisfazer os fãs do género.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,470FansCurti
4,048SeguidoresSeguir
536SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Shirley

Shirley é, sem dúvida alguma, cinema de autor por parte de Josephine Decker, que entrega uma biopic única que quebra todas as limitações impostas pelo género.

Crítica – White Lines

Mistério, drama e romance. A nova produção de Álex Pina tem um pouco de tudo.

Crítica – The Untouchables (1987)

Apesar de três longas décadas, The Untouchables sobrevive ao teste do tempo com uma produção autêntica e realista.

Harvest Moon: One World anunciado

Chega à Nintendo Switch lá para o final de 2020.
- Publicidade -

Mais Recentes

Glovo vai chegar a Santarém em breve

Tudo indica que essa expansão vai acontecer ainda este mês.

Bilhetes para a Festa do Avante! já estão à venda

A chamada EP (Entrada Permanente) dá acesso aos três dias de festa. Os bilhetes diários só poderão ser adquiridos nos próprios dias da realização do evento.

Burger Wheels. Nova hamburgueria de Setúbal inaugura a 9 de junho

Para já irá funcionar somente através do Uber Eats. No futuro, quando a pandemia de COVID-19 acalmar, o espaço irá abrir ao público.