Análise – Uncharted: The Lost Legacy

Certamente que já ouviram falar de um estúdio de jogos chamado Naughty Dog, responsável pelo clássico Crash Bandicoot para a Playstation 1. Em 2017, e já na Playstation 4 sem marsupiais animados como protagonistas, temos a mais recente entrada da série Uncharted, com The Lost Legacy.

- Publicidade -

Apesar de ser uma extensão e uma sequela de Uncharted 4, The Lost Legacy pode ser um jogo introdutório para fãs do género e novos jogadores da série. Mesmo pertencendo à icónica série da Playstation, The Lost Legacy apresenta uma história paralela e completamente nova em relação às aventuras de Nathan Drake, o protagonista da franquia Uncharted.

Neste jogo de aventuras, para ser jogado a solo, Chloe Frazer e Nadine são as personagens que vamos acompanhar, um par de caçadoras de tesouros/mercenárias que vão em aventura para a Índia em busca da Presa de Ganesh. Para quem não conhece a série Uncharted, é um título com fortes inspirações em filmes como Indiana Jones, sendo que The Lost Legacy consegue, mais uma vez, recriar momentos espetaculares de adrenalina e tensão que são dificilmente conseguidos em meios interativos, como no caso dos videojogos.

Com valores de produção e uma história ao nível do que encontramos nos blockbusters de verão, estamos perante uma aventura que dura cerca de oito a dez horas, podendo aumentar facilmente graças à exploração.

O jogo divide-se em duas grandes fatias. Numa delas temos a progressão linear, de nível em nível, com espaços mais contidos, pequenos obstáculos e encontros com inimigos. Na outra, que começa sensivelmente a meio do jogo, uma espécie de mundo aberto cheio de segredos e ruínas por explorar, algo que, embora não seja novo para a série, é uma grande evolução face aos jogos anteriores, dando ao jogador a possibilidade de quase escolher a sua aventura.

É neste espaço de mundo aberto que vamos consumir mais tempo do nosso jogo e onde vamos ficar maravilhados com a evolução que os videojogos fizeram nos últimos 30 anos. Os cenários são densos, cheios de cores e animações e a qualidade gráfica é quase imbatível noutros jogos ou plataformas, com detalhes impressionantes em situações onde a nossa personagem pisa lama ou escreve no seu mapa.

A consistência visual mantém-se ao longo do jogo, mas é também nas cinemáticas que The Lost Legacy nos deixa colados ao ecrã, com uma direção e escrita capazes de fazer inveja a muitos filmes e séries de televisão. Impressionante é, também, o modo como o jogo passa do modo jogável para estes momentos cinemáticos, sem cortes ou tempos de espera.

Ao longo do título, vamos ter imensos desafios e encontros de tiroteios cheios de ação com controlos tão eficazes e fluidos da nossa personagem que nos farão sentir o tipo mais fixe da nossa aldeia. Depois temos, também, os obstáculos e os puzzles que nos irão “obrigar” a puxar de um papel e de uma caneta para dar uso à lógica para os ultrapassar.

Apesar de ser um jogo para um jogador, é graças aos momentos cinematográficos e aos puzzles a resolver que The Lost Legacy se torna divertido de ver e jogar com mais pessoas à nossa volta, desde que se identifiquem com a temática de mundos fantásticos e fictícios.

Existe, porém, outra maneira de juntar pessoal à nossa volta. The Lost Legacy foi desenvolvido com algum do trabalho feito em Uncharted 4, trazendo consigo todos os modos multi-jogador do jogo anterior. Assim, é possível convidar todos os jogadores a entrarem em confrontos online ou a jogarem em modos cooperativos cheios de ação.

Numa era saturada de videojogos de tiro competitivos, sem substância e que geram mais frustrações do que alegria, ou jogos de mundo aberto que nos consomem tempo só para ir a todo o lado, The Lost Legacy é um jogo equilibrado, com ritmo ponderado e com elementos para agradar a gregos e a troianos.

Uncharted: The Lost Legacy
Nota: 9/10

 O jogo foi cedido para análise pela PlayStation Portugal.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – House of Gucci

Um filme que é uma demonstração de estilo, de ideias, mas com uma estrutura clássica que podia ser mais original e menos dependente de atalhos.

Arcane: Act 3 – Uma gloriosa injeção de Hype

O terceiro ato de Arcane remata com muitas emoções e uma excelente direção a primeira temporada daquela que é, inequivocamente, a melhor série de animação de que há memória.

Crítica – Ghostbusters: Afterlife

Este é um filme divertido, uma aventura para miúdos e graúdos e um retorno à velha forma dos Caça-Fantasmas.

Crítica – Tick, Tick… Boom!

Com música memorável, viciante e de "primeira classe" interpretada por atores talentosos, Lin-Manuel Miranda apresenta uma das melhores obras musicais do século.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Festival Authentica reconfirma De La Soul e Nothing But Thieves para 2022

O Authentica receberá cerca de 30 artistas internacionais e nacionais.

Centro Expositivo do Promontório de Sagres deve abrir no início de 2022

A empreitada, que ascende a cerca de 1,5 milhões de euros, está na fase da construção da cenografia.

Uber Pet. Novo serviço permite que os utilizadores viajem na companhia dos seus animais de estimação

Numa primeira fase, esta novidade está somente disponível em Lisboa, Porto e na região do Algarve.