Análise – TT Isle of Man II: Ride on the Edge (Nintendo Switch)

Se procuram um jogo de corridas excitante, realista e que leve ao limite as vossas habilidades na Switch, TT Isle of Man II: Ride on the Edge é a resposta.

TT Isle of Man II

Após o lançamento para PC, PS4 e Xbox, TT Isle of Man II: Ride on the Edge chega finalmente à Nintendo Switch.

Isle of Man, nome de uma ilha situada entre Inglaterra e Irlanda, empresta o nome a uma das provas mais emocionantes e perigosas do mundo que ocorre na mesma. Nessa prova, todos os motociclistas em competição correm a alta velocidade em estradas estreitas ao longo de vales, no meio da floresta, no campo, junto a precipícios íngremes e até no meio de povoações. Percebe-se facilmente de onde vem a adjetivação do perigo que esta prova secular acarta, registando já uma totalidade de 260 fatalidades ao longo de 112 anos de competição.

Em relação ao jogo, é o segundo da franquia e houve bastantes melhorias e algumas novidades em relação ao anterior. Toda a física em torno da dinâmica da moto foi melhorada: com a integração do efeito giroscópico, a direção ganhou mais precisão e naturalidade; o conta-quilómetros da moto alerta para o perigo iminente de queda, ajudando a antecipá-las e evitá-las; ao curvar, mediante o ângulo da moto, há a sensação de alteração de aderência à pista; e houve ainda uma melhoria na suspensão e na gestão de temperatura dos pneus e dos travões. Tudo isto, juntamente com uma melhor resposta da moto e técnicas de condução, resulta numa melhoria abismal na experiência de condução.

Tal como MotoGP, se não estão familiarizados com este tipo de simuladores, custa um bocado ao início a apanhar o jeito, tornando-se, por vezes, numa experiência frustrante. Para além disso, TT Isle of Man não tem os mesmos mecanismos de assistência de corrida que MotoGP, sendo maior o choque inicial. No entanto, com alguma persistência, atenção e dedicação, vão acabar por começar a entrar no esquema do jogo e a ganhar cada vez mais controlo sobre a moto. Até lá, muitas quedas aparatosas vos esperam.

TT Isle of Man II

No que toca a menus e modos, o jogo é muito básico, mas acaba por ter o essencial. O Single-Player subdivide-se em modo carreira, corrida rápida, contra-relógio, Free Roam e num tutorial para tornar mais fácil a aprendizagem de comandos importantes. Já o Multi-Player pode ser jogado online ou offline contra amigos.

Ainda sobre os modos de jogo, o Free Roam funciona um bocado como Sandbox, permitindo andar de forma livre num dos mapas (Irlanda) e testar a moto e aprimorar habilidades sem a obrigatoriedade de cumprir um objetivo em concreto. Este modo também é ótimo para ganhar aquele calo inicial.

O modo carreira, apesar de não ter muitas opções de customização, está bem estruturado, obrigando os jogadores a começar de baixo (com contrato ou de forma independente) até conseguirem a desejada qualificação para o Tourist Trophy da Isle of Man (que pode não ser na primeira época).

Ao longo da carreira, são disponibilizados vários eventos a cada dia de prova (quanto mais difíceis, melhores são os prémios), permitindo uma gestão personalizada de calendário. O desempenho nesses eventos traz retorno para podermos melhorar a moto, de modo a ajudar a garantir a qualificação para a prova final, e consumíveis específicos que podem ser ativados antes de corridas, gerando vantagem competitiva. No modo carreira, também existe a opção Free Roam com alguns desafios, cujo prémio é dinheiro extra, algo que dá muito jeito. As boas e más notícias é que, apesar de ter havido melhorias em relação ao capítulo anterior, ainda há bastante espaço para melhorar.

Para principiantes, começar a jogar em Handheld Mode ou Tabletop Mode é um erro, na medida em que vai ser um choque muito grande a nível de jogabilidade, dificultando a aprendizagem inicial. Isto porque os gráficos têm qualidade inferior e o tamanho do ecrã da Switch torna muito difícil a perceção de profundidade e o desenvolvimento de reflexos em alta velocidade. Como tal, aconselho que comecem por jogar em TV Mode, onde os gráficos são superiores, fazendo com que seja mais fácil aprender a controlar a moto.

TT Isle of Man II

Ainda assim, os gráficos deixam um bocado a desejar, sendo que podem melhorar muito. Notei alguns problemas de desempenho a nível de renderização de imagem e atraso de reação face aos comandos, mas foi algo pontual. Não é grave, mas deixa a sensação que o jogo ainda não está 100% preparado para correr de forma fluida na Switch (poderá justificar o atraso no lançamento). Nada que um update não resolva, claro.

O facto do ZL e RL funcionarem de forma binária, ao contrário dos respetivos botões noutras consolas (que funcionam de forma progressiva), tornam a experiência de mudança de velocidade/travagem um pouco estranha, mas é uma questão de hábito. O Free Roam no modo carreira podia estar mais bem explorado e peca pela escassez de desafios. Para além disso, era de valor ser possível ter opção de escolher outros mapas para usufruir deste modo e conhecer melhor todas as pistas.

Apesar destas pequenas falhas, é preciso lembrar que este é só o segundo capítulo na franquia, pelo que fiquei com a sensação de que o futuro desta linha de simuladores (desportos motorizados) é promissor. TT Isle of Man II tem potencial para ser um rival à altura para MotoGP num futuro próximo.

A começar pelo modelo de competição, que é menos pensado e trabalhado, mas muito mais entusiasmante. Depois, o modo Free Roam, que é ótimo para passar tempo e descontrair da competição, tem um potencial enorme. Para terminar, a sensação de velocidade é muito superior, resultando numa maior adrenalina e gosto pela condução de motos.

Eu não sou o maior fã de motos, mas, se MotoGP me deixou bastante satisfeito, este jogo era o que faltava para me render e começar a ganhar interesse neste tipo de simuladores de corrida. Se procuram um jogo de corridas excitante, realista e que leve ao limite as vossas habilidades na Switch, TT Isle of Man II: Ride on the Edge é a resposta, trazendo consigo a promessa de diversão garantida por muito tempo – pelo menos até sair o próximo capítulo.

Ainda que a experiência em PC/PS4/Xbox possa ser superior à na Nintendo Switch relativamente aos gráficos, não é uma diferença muito notória. Portanto, o facto de poderem jogar este jogo em qualquer lado acaba por tornar vantajoso investir na versão da Switch.

Não se esqueçam é que vão ter de cair muitas vezes e ser persistentes, mas, ultrapassando esse obstáculo, o difícil é não viciar neste jogo.

Nota: Muito Bom

Plataformas: PC, Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch
Este jogo (versão Nintendo Switch) foi cedido para análise pela Upload Distribution.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,679FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
620SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Análise – Destroy All Humans!

Conquistem a Terra neste regresso a 2005.

Música – Álbuns essenciais (junho)

Junho foi fantástico do início ao fim (mas no fim sobretudo) e, a uma semana do fim do mês, tive a missão de ouvir cerca de mais vinte álbuns de ótima qualidade.

Os Idles apresentam novo álbum

Os Idles regressam em 2020 para apresentar Ultra Mono, um álbum que promete, mais uma vez, revolucionar o punk.

Música: Álbuns essenciais (maio)

Depois de abril ter sido marcado pelo regresso dos The Strokes, mas principalmente pelo novo álbum de Fiona Apple, o disco mais incrível de 2020, chegamos a maio com as expetativas em alta.
- Publicidade -

Mais Recentes

MEO vai passar a apresentar anúncios no sistema de Gravações Automáticas

Tal não quer dizer que os anúncios sejam sempre exibidos, mas é algo que vai mesmo acontecer.

Análise – Destroy All Humans!

Conquistem a Terra neste regresso a 2005.