Análise – Star Wars Episode I: Racer

Corre como se fosse 1999.

Star Wars Episode I: Racer
- Publicidade -

Tinha apenas 11 anos em 1999 e, já na altura, ainda antes de me ligar à Internet, tinha uma paixão enorme por Star Wars. A minha inocência e antecipação por novos filmes fez com que, apesar das suas falhas, tivesse gostado imenso de Star Wars Episode 1: The Phantom Menace, que vi e revi vezes sem conta quando saiu em VHS e DVD posteriormente, depois de o ver nos cinemas no ano da sua estreia.

Mas até poder ver e rever no conforto da minha televisão, pude reviver uma das cenas mais icónicas do filme com Star Wars Episode I: Racer, um jogo de corridas inspirado nas competições de Pod Racer que foram brilhantemente executadas nesse infame filme.

A velocidade, a adrenalida, o perigo, o design e a atmosfera daquelas competições que, no fundo, eram corridas de biga futuristas, tinham tudo para ser um excelente jogo. E na altura foram mesmo isso.

Com uma jogabilidade de árcade quase perfeita, uma sensação de velocidade impecável, visuais na altura muito bem conseguidos e a fantástica banda sonora de John Williams, Star Wars Episode I: Racer foi, durante muito tempo, um dos meus jogos favoritos. E desde então que ansiava por uma versão moderna em forma de um remake ou reboot.

star wars episode 1 racer review echo boomer 3

Em 2020, Star Wars Episode I: Racer está de volta e, infelizmente, não é bem o que eu gostava que fosse. Porém, após uma viagem nostálgica na minha Nintendo Switch, posso dizer que estou satisfeito.

Depois de um port simples para o PC, a PlayStation 4 e a Nintendo Switch recebem um relançamento do icónico jogo de Star Wars. Convertido pela Aspyr, a promessa de Star Wars Episode I: Racer é de preservar a experiência do original lançado originalmente no PC e Nintendo 64.

A conversão é simples. Temos resoluções até 4K na PlayStation 4, HUD melhorado, uma imagem mais clara, suporte de 60FPS e, também, a adição de multijogador local com splitscreen. O resultado final não é perfeito, mas, para os fãs de longa data que não se importam com um ou outro problema, é uma verdadeira viagem a 1999.

A versão que joguei foi a Nintendo Switch. Este é o tipo de jogo que parece fazer todo o sentido estar na consola portátil/hibrida de Nintendo. Com uma campanha composta por provas isoladas que podem ser pausadas a qualquer momento, o formato do jogo encaixa na perfeição na filosofia da pequena consola.

Começando pelos visuais do jogo, é importante reforçar que este é um jogo antigo. 1999 já foi há 21 anos e, desde então, muita coisa evoluiu. Este não é um daqueles casos em que um remaster traz novidades que encaixam nas perspetivas da nossa memória. Na verdade é o inverso, e relembra-nos o quão rudimentares os visuais da época eram.

Felizmente, Star Wars Episode I: Racer não aposta num aspeto realista. Há um lado mais surreal e hiper-realista, muito por causa dos pods e dos cenários, que, com a arte geométrica, fruto das limitações tecnológicas da altura, oferece ao jogo algum do seu charme.

Em movimento, Star Wars Episode I: Racer é pura magia e joga-se quase tão bem como um jogo moderno. A fluidez de jogo faz-se sentir bastante bem e os controlos são precisos o suficiente para escapar aos obstáculos que se colocam pela nossa frente em corridas a mais de 500km/h.

Talvez um dos aspetos menos positivos seja o áudio do jogo, cuja qualidade parece não ter levado o mesmo tratamento de remasterização expectável. O áudio parece todo de baixa qualidade e com algum ruído, algo que se destaca em particular na fantástica música do jogo que empresta temas originais do próprio filme, mas que ajuda a estabelecer aquele tom nostálgico que tanto adoramos.

A adição do modo mulijogador é uma bênção, especialmente em modo de ecrã dividido, onde podemos partilhar os Joy-Cons e fazer partidas à antiga para ver quem é o melhor piloto. E por falar em Joy Cons, há também a inclusão de HD Rumble que tornam as corridas minimamente mais imersivas.

Star Wars Episode I: Racer faz o mínimo dos mínimos para agradar aos fãs do original. Com uma excelente variedade de cenários e veículos presentes no original, traz de volta as emoções mais inocentes e divertidas de uma era em que tudo era mais simples.

Contudo, há muita coisa que podia ter sido melhorada e que é de estranhar dado o tempo que houve com adiamentos até ao seu lançamento final. O jogo podia ter, por exemplo, texturas melhoradas, as introduções cinemáticas mais fluidas, um áudio melhor e até a interface podia ser mais trabalhada, pois durante as corridas os indicadores parecem continuar com uma resolução muito baixa.

No fim de contas, Star Wars Episode I: Racer, mesmo com as expectativas baixas, pode não ser aquilo que eu gostaria que fosse, mas os problemas que apresenta são, na minha opinião, menores, pois a essência está toda lá. O jogo no formato da Nintendo Switch resulta na perfeição e, enquanto não temos um hipotético regresso moderno, esta é das melhores formas atuais para fazer podracing.

Atualização: Logo após o lançamento desta análise Star Wars Episode I: Racer para a Nintendo Switch recebeu um patch que melhorou elementos como a definição do HUD, implementou controlos por sensor de movimentos, entre outros pequenos ajustes.

Nota: Bom

Plataformas: PlayStation 4 e Nintendo Switch
Este jogo (versão Nintendo Switch) foi cedido para análise pela Zebra Partners.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,026FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
788SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Star Wars Episode I: Racer chega à PlayStation e Nintendo Switch em maio

Esta versão de Star Wars Episode I: Racer, a cargo da Aspyr, é, virtualmente, o jogo original, mas com algumas melhorias de destaque

Star Wars Episode I Racer a caminho da Nintendo Switch e PlayStation 4

Star Wars Episode I Racer está de regresso em 2020 para a PlayStation 4 e Nintendo Switch.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo filme de Dragon Ball Super prestes a ser anunciado

Houve um leak acidental... do site oficial.

First Cow vai ficar disponível em Portugal em exclusivo na MUBI

Quererá isto dizer que não vai chegar aos cinemas portugueses?

Análise – Teclado G.Skill RIPJAWS KM570 RGB

Oiçam o clicar das teclas deste teclado da G.Skill.