Análise – Shadow Man Remastered (PC)

Um clássico esquecido regressa ao PC com uma remasterização a cargo da Nightdive Studios.

Shadow Man Remastered
- Publicidade -

Não é fácil voltar atrás. Por mais que nos enganemos e por mais que as saudades apertem, não é tão fácil regressar aos videojogos da nossa infância e adolescência quanto pensamos. Os óculos da nostalgia nem sempre funcionam, e se um filme consegue resistir facilmente à passagem do tempo, os videojogos já são mais propícios a uma enorme falta de comunicação geracional, com mecânicas, decisões e filosofias de design a chocarem violentamente com as tendências atuais. O tempo é cruel.

Conheci Shadow Man em 2000, há 21 anos atrás. Em 2000, tinha apenas 13 anos, uma PlayStation e um amor incondicional por RPG, mas o título da Acclaim fascinou-me. A sua jogabilidade aproximava-o de um Legacy of Kain: Soul Reaver e de Tomb Raider, pelo menos num primeiro contacto, e a sua arte mórbida, inspirada pela banda desenhada do mesmo nome – criada por Jim Shooter, Steve Englehart e David Lapham –, era tão assustadora como intrigante. Mas Shadow Man foi confuso, difícil e quase sempre desorientador devido ao seu sistema de navegação e desbloqueio de novas zonas – que está associado ao número de Dark Souls que encontramos. Em pouco tempo desinteressei-me, senti que o jogo me tinha vencido e passei à frente. 21 anos depois, aqui estou eu, exatamente no mesmo local, neste mundo de anjos e demónios, de vudu e lendas mitológica.

Como podem prever, não sabia o que ia reencontrar em Shadow Man Remastered, agora a cargo da Nightdive Studios: se uma nova experiência, que seria enaltecida pelos meus anos de experiência, ou a mesma aventura confusa, desorientadora e pouco acessível que tinha encontrado em 2000. Para minha surpresa, os óculos da nostalgia foram atirados pela janela fora e deparei-me com um delicioso jogo de ação e aventura que, anos depois, continua a ser visualmente marcante e com uma estrutura pouco linear.

Shadow Man Remastered

Para todos os efeitos, é o mesmo Shadow Man que me enlouqueceu há tantos anos atrás, mas o polimento da Nightdive Studios deu uma segunda vida a este clássico. Os cenários estão mais apurados, as cores mais vivas e a alta definição revitalizou os modelos algo poligonais de Shadow Man e companhia. A iluminação também foi melhorada e as partículas funcionam melhor em contraste com os cenários escuros, livres do aspeto lamacento das consolas de 32 bits. A jogabilidade também parece ter recebido algumas melhorias, mas não sei até que ponto é verdade. A minha experiência com o jogo foi tão negativa que recordo-me de achar os controlos muito complexos e difíceis de utilizar, mas, nesta versão remasterizada, dominei rapidamente este elo perdido entre os “tank controls” e os títulos de ação na primeira pessoa, que viriam a popularizar-se na geração seguinte. Uma surpresa agradável em todos os sentidos e a Nightdive Studios parece continuar a surpreender nestes relançamentos.

A estrutura e foco na exploração surpreenderam-me. Não me recordava que Shadow Man apresentava tantos caminhos alternativos e alguma liberdade de escolhas no que toca à progressão da campanha. A abertura de portais, que dão acesso a novas zonas, está restrita à recolha de Dark Souls – almas especiais que funcionam também como colecionáveis–, mas senti que existia sempre espaço para explorar e descobrir novos caminhos. A ação divide-se quase em duas partes: no Deadside, onde decorre a maioria da campanha, e o mundo normal – também denominado como Liveside. Se, em Deadside, Shadow Man tem acesso a várias armas e habilidades, tal como a sua inabilidade para morrer, já no quotidiano as suas habilidades são muito mais limitadas e senti que a ação focava-se muito mais na navegação dos níveis e na resolução de puzzles. Não tem a complexidade das aventuras de Lara Croft, mas existem muitos segredos para encontrarem.

Shadow Man Remastered é um jogo difícil de recomendar para os jogadores que falharam o seu lançamento original, mas é uma janela nostálgica para uma época de experimentação na indústria. As aventuras em 3D ainda estavam a encontrar o seu estilo e mecânicas, e parecia que existia muito mais uma aposta nas ideias e no ambiente dos videojogos do que propriamente numa solidez no design destas experiências. Com uma remasterização sólida e um preço muito convidativo, de 16,79€ (e está em promoção até 22 de abril, por 12,59€), não descartem Shadow Man.

Nota: Bom

Disponível para: PC. Em breve na Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch.
Jogado no PC.
Cópia para análise cedida pela Uberstrategist.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Rune Factory 4 Special – A lavrar o campo com uma espada enferrujada

Com quase 10 anos, o título da Marvelous não consegue fascinar por mais que tente.

Clockwork Aquario – Uma nova oportunidade para este clássico perdido

Anteriormente cancelado, o título da Westone regressa à vida graças à conversão da Inin Games.

MXGP 21 – O salto para a nova geração continua por ser dado

MXGP 20 não tinha surpreendido, despenalizado apenas pelo facto de a Playstation 5 ter sido lançada umas semanas antes. Este ano não há desculpas, mas MXGP continua aquém das expectativas.

Treasures of the Aegean – Presos em mais um loop temporal

Com foco na História e no saltos arriscados, o novo título da Undercoders constrói-se de forma curiosa ao apostar num loop temporal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.

Continente abre primeira loja em Gouveia

Continua a expansão da marca da Sonae.

Lagoa dos Salgados será classificada como área protegida de âmbito nacional

Há 21 anos que, em Portugal, não era classificada nenhuma área protegida de interesse nacional.