Análise – Razer Raiju Tournament Edition para PlayStation 4

O novo Razer Raiju Tournament Edition é uma de duas novas soluções da Razer na oferta de comandos para a PlayStation 4.

- Publicidade -

Com base no Razer Raiju anterior, que oferecia um conjunto de botões extra e capacidades de personalização, a nova geração aparece com um design renovado, mais arredondado e simplista e com a adição de uma funcionalidade muito importante, o Wireless.

O Razer Raiju Tournament Edition, apesar de incluir modo Wireless, tal como o mais completo Raiju Ultimate, é, dos três modelos existentes agora, o mais simples.

Nele vamos poder contar com apenas quatro nossos botões programáveis e os interruptores de prender os gatilhos.

Se ignorarmos estas pequenas adições, o Razer Raiju Tournament Edition é um comando para a PlayStation 4 básico e com praticamente as mesmas funcionalidades que o comando original.

O que torna este comando diferente dos demais é também a disposição dos analógicos, que aqui estão colocados na diagonal, à semelhança dos comandos da Xbox, com o D-Pad a ocupar a zona inferior.

O Razer Raiju Tournament Edition é bastante ergonómico e, apesar de ser mais encorpado, tem as dimensões do DualShock 4. Mas enche mais a mão.

Razer Raiju Tournament Edition

Robusto e com um peso que lhe confere a sensação de um produto premium, conta ainda com botões mecânicos e bastante agradáveis ao toque. Mas com um pequeno senão: os botões traseiros podem ser extremamente sensíveis ao toque, algo que, nas definições padrão, ou programando para determinadas ações, pode ser um inconveniente por ser muito fácil de carregar neles ao pegar no comando.

Este inconveniente é, infelizmente, o primeiro de muitos, que, ironicamente, surgem com a adição de funcionalidades.

Apesar de ser concebido para a PlayStation 4, funciona também no PC.

Na traseira encontramos um pequeno interruptor para cada um dos modos, PC via Bluetooth, PS4 via Bluetooth e, no centro, uma porta USB, que funciona em ambas as plataformas.

Ao experimentarmos o modo com fios na PlayStation 4, tudo funciona como deve de ser e é provavelmente a melhor maneira de tirar partido deste comando. É só ligar e jogar e a porta de áudio na parte inferior do comando funciona na perfeição.

Já com o seu modo Bluetooth é quando as coisas se complicam, pois há a necessidade de ter um comando já emparelhado para irmos até às definições da consola aceitar a sua ligação.

Porém, o grande calcanhar de Aquiles é mesmo a remoção ou não existência de uma função básica até existente no DualShock 4, que é a utilização da porta de áudio no comando em modo Wireless.

No PC a experiência é semelhante, mas não esperem um comando compatível com todos os jogos. A Razer promete compatibilidade com os jogos da Steam, o que se comprovou, no entanto, fora da aplicação da Valve, jogos do Windows 10 ou do Origin não se mostraram compatíveis, mesmo quando instalámos os drivers disponíveis na página de suporte da Razer.

E por falar em aplicações, o Razer Raiju Tournament Edition não depende do software para PC da Razer. Desta vez é possível personalizar os botões do comando através de uma aplicação para Android e iOS. Com um pequeno toque de emparelhamento, temos ao nosso dispor o ecrã de troca de botões e ajuste de sensibilidade dos motores e analógicos. Simples e muito eficaz.

O Razer Raiju Tournament Edition é um bom comando, especialmente quando é usado na PlayStation 4 com recurso aos fios. Mas olhando para a oferta deste tipo de produtos e para as funcionalidades que apresenta, além daquelas que não funcionam tão bem como pretendido, é difícil de recomendar o Razer Raiju Tournament Edition em relação ao DualShock 4 da PlayStation 4, especialmente quando o seu valor chega perto do muito superior Razer Raiju original.

O Razer Raiju Tournament Edition está à venda na loja da Razer por 149,99€.

Este produto foi cedido para teste pela Razer.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Days Gone (PC)

Days Gone ganha uma nova casa com todos os conteúdos lançados ao longo do tempo e uma fantástica otimização para os PCs modernos.

Análise – The Longing (Nintendo Switch)

Uma experiência única sobre a passagem do tempo e o nosso lugar enquanto jogadores.

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.