fbpx

Análise – Razer Ornata Chroma: Personalização na ponta dos dedos

O Razer Ornata Chroma é um teclado mecânico da Razer desenhado para jogadores, e não só.

O Ornata Chroma pertence à gama de dispositivos coloridos da Razer que incluem a capacidade de serem altamente personalizáveis pelas cores e padrões dos seus LEDs, e, também, configurados para diferentes ações e aplicações.

Este teclado é o “irmão” mais modesto e acessível do teclado mecânico Razer Blackwidow V2, cuja grande diferença visual está nos cinco botões de atalho na parte esquerda do teclado. Mas o Ornata Chroma não fica nada atrás do modelo mais caro, e é bem capaz de ser mais apetecível.

Olhando para a sua aparência, temos aqui algo extremamente discreto, sem logótipos ou designs arrojados. É um teclado aparentemente genérico, mas com uma aparência moderna e quase intemporal, e vem com uma base almofadada magnética, tal como o Blackwidow V2, que o tornam extremamente confortável de utilizar. É um mimo.

Não é um teclado alto, tanto que podemos abrir e fechar as suas patilhas. Contudo, tem a altura ideal para pousar o pulso e começar a escrever. Também na traseira temos uns cortes no corpo do teclado para encaixar o cabo para varias direções, o que é ótimo para não o danificar.

Apesar de ser um teclado mecânico, este apresenta-se com uma tecnologia híbrida Mecha-Membrane, que, como o nome indica, inclui características de teclado mecânico e de membrana. Na prática, confere-lhe o “clique” rápido e preciso, mas amortecido, o que acaba por abafar o som que é irritante para uns e uma satisfação para outros. No entanto, para o utilizador, a satisfação mantém-se.

A altura das teclas é bastante reduzida, caraterizando-se como uma altura de um teclado 100% mecânico e as de um teclado de laptop, por exemplo.

Para quem está habituado a teclados mecânicos com as teclas mais altas, avançar para um Ornata Chrome pode exigir algum tempo de habituação, não só pela sensação das teclas, mas também pela altura e posição mais compacta das teclas. Contudo, para quem vem de teclados mais rasos, especialmente de portáteis, a adaptação é instantânea e torna-se numa experiência muito melhor.

Tal como outros equipamentos da gama Chroma, é possível personalizar as cores de iluminação do teclado e o modo como as teclas reagem ao nosso tato. Podemos deixar o teclado com uma iluminação constante, criar um efeito de respiração, ondas de choque quando clicamos ou por o teclado a “arder”. A escolha é do utilizador.

Apesar de não existirem atalhos para alterar em tempo real diferentes modos de funcionamento e configurações de teclas, a Razer deixa-nos pré-definir estas configurações na sua aplicação, ativando-se de acordo com o executável que estamos a correr.

Seja para jogos, escrita, trabalhos de edição ou de vídeo, a experiência e o conforto são excelentes e, acima de tudo, “invisíveis” no sentido em que se tornam orgânicos.

Para além da experiência do clique sonoro e das teclas de atalho, também não vamos ter portas USB adicionais. Isto é algo que se reflete no seu preço, mas que não lhe retira o verdadeiro propósito: ser um simples e eficaz teclado.

O Razer Ornata Chroma está disponível com um preço recomendado de 109,99€, o que, comparado com o BlackWidow V2, é um teclado bem apetecível, e, embora não seja mecânico o suficiente para os utilizadores mais exigentes, é perfeito para os restantes.

O equipamento foi cedido para análise pela Razer.


- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Análise – Minoria

Curto, difícil e muitas vezes implacável – assim é este metroidvania que acaba de chegar às consolas.

Análise – Shing!

Parem as hordas de demónios neste jogo de ação mediano.
- Publicidade -

Mais Recentes

Celebra o aniversário do Batman com o LEGO do seu Batwing

O novo set de coleção é inspirado no icónico veiculo do filme de 1989.

Câmara Municipal de Lisboa vai continuar a apostar em água reutilizada para lavar as ruas e regar espaços verdes

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a proposta para a construção da Rede de Água Reutilizada de Lisboa na Zona Ribeirinha e Bairro Alto.