Análise – Razer Kraken X for Console

Os Kraken X da Razer regressaram às nossas mãos, mas agora na sua versão de consolas. Chamam-se Razer Kraken X for Console, mas, apesar do seu nome mais comprido, esta versão em pouco ou nada muda face ao seu modelo original.

Tal como os Razer Kraken X mais recentes, estes são uns auscultadores de baixo custo com o objetivo de surgirem como uma solução bastante competitiva para quem passa mais tempo nos jogos do que na música.

Também por cerca de 60€, os Razer Kraken X for Console apresentam-se apenas com cores diferentes. Enquanto que o modelo, dito, “normal”, aparece em modo “all-black”, sombrio e discreto, a versão de consola salta à vista pelos seus acentos azuis no logo da Razer em cada cúpula, na base da banda e dentro dos auscultadores. É o mesmo azul usado nos produtos desenhados para a PlayStation, que lhe dão alguma identidade, sendo capazes de refletir o lado mais jovem dos seus utilizadores. Apesar destes acentos azulados familiares, os Razer Kraken X for Console são, como se pode dizer, um par de auscultadores universal.

Os sacrifícios para trazer para cima da mesa um produto low budget são, por vezes, bem mais positivos do que negativos, uma vez que, tal como o modelo base, temos uma ligação áudio de 3.5mm que permite a ligação destes auscultadores a praticamente todos os dispositivos. Algo que, por exemplo, outros auscultadores por USB não fazem, por incompatibilidade de drivers.

Assim, como prometido, os Razer Kraken X for Console podem ser ligados a um PC, aos comandos da PlayStation 4 e Xbox One, à Nintendo Switch e alguns dos comandos especiais compatíveis, bem como a smartphones. É, à partida, a solução perfeita e universal para quem procura um par de auscultadores para jogar, ver filmes ou ouvir música. Mas sendo um produto para gaming, contamos com mais funções e limitações.

Razer Kraken X for Console

O cabo é de apenas 1.3 metros, algo estandardizado, pelo que chega e sobra para quem liga os auscultadores aos comandos. Já para quem necessitar de ter a sua fonte áudio mais longe, por exemplo numa torre de PC atrás de uma secretária ou um amplificador debaixo da televisão, a Razer incluiu uma simpática extensão na sua caixa. Como a comunicação faz parte da experiência dos jogadores mais competitivos e sociais, temos também o microfone, que, não sendo retrátil ou modular, está sempre presente por estar agarrado ao lado esquerdo. Porém, é fácil de ignorar.

Podemos dizer que é um produto bem completo dentro do seu orçamento, conseguindo ser bastante apelativo visualmente. Os acentos azuis referidos anteriormente encaixam na perfeição no design dos auscultadores que pede emprestadas linhas dos restantes modelos da família Razer, simples e modernas. De longe, parece um equipamento bem mais caro. Aliás, é só quando pegamos neles que percebemos o porquê do seu preço: o plástico.

Mas até aqui está bem trabalhado, com uma mistura de materiais difíceis de quebrar e que tornam os Razer Kraken X for Console bem leves e ergonómicos. Com apenas 250g, tal como o modelo normal, estes são dos auscultadores mais leves do mercado, e todo o seu design foi pensado no conforto.

Razer Kraken X for Console

Desde as suas almofadas suaves que permitem o uso de óculos sem darmos por elas, mantendo as orelhas isoladas, à banda maleável que encosta no topo da cabeça, passando pelas capacidades de ajuste, com a pressão suficiente para os auscultadores se manterem fixos sem magoar, estes auscultadores não deixam a desejar neste campo.

Já a nível de ligações físicas, os Razer Kraken X for Console não contam com muito, além do essencial. Temos, no lado esquerdo, um botão que permite ativar e desligar o microfone, além de um controlador de volume, independente do volume do sistema em uso.

Naquilo que importa, o som, os Razer Kraken X for Console, tal como o modelo base, não desiludem para o que se pede. Com drivers de 40mm, impedância de 32 ohms e uma frequência de 12 Hz-28 kHz, o desempenho dos Razer Kraken X for Console oferece sons claros, mas secos. Os sons médios e altos destacam-se e os baixos soam mais abafados do que encorpados. Apesar da boa distinção de sons em jogos ou até filmes onde haja muito caos, a falta daquele sopro extra faz-se sentir desde os sons mais agudos aos mais graves.

Razer Kraken X for Console

Sendo um par estéreo, a envolvência sonora é decente, mas a Razer faz questão de dar aos jogadores um pequeno extra. Em exclusivo para os jogadores de PC, neste caso. Trata-se da inclusão de uma licença do sistema Som Surround 7.1 da Razer, que permite a configuração e posicionamento de canais virtuais para o uso multimédia no Windows 10. O efeito do Som Surround 7.1 não é puro, mas, dependendo das preferências do utilizador, pode melhorar a sua experiência.

Já na captura de áudio, o microfone é decente. É perfeito para conversas nas salas de chat ou clientes como Skype e Discord. Pode também ser útil para quem faz streaming, mas a sua qualidade assemelha-se à de um telefonema. Se pretendem fazer podcasts ou conteúdos multimédia, esta não é das melhores opções. Porém, para o que se pede aqui, é perfeito.

O veredicto é praticamente o mesmo que o do modelo base. Os © são ótimos pelo valor pedido e são bastante competitivos face às soluções de entrada de gama da Corsair, HyperX CloudAstro, entre outros. Por 59,99€, os Razer Kraken X for Console são completos e compatíveis com quase tudo, mas, acima de tudo, são muito, muito confortáveis. Se chegam ao fim do dia cansados e querem sentar-se em frente ao sofá para uma partida no vosso jogo favorito com os vossos amigos, esta é uma solução perfeita e bem acessível.

- Publicidade -
Artigo anteriorAnálise – Gears 5
Próximo artigoAnálise – Astral Chain

Sigam-nos

10,451FansCurti
4,043SeguidoresSeguir
532SeguidoresSeguir

Relacionados

Razer revela um novo tapete de rato gigante

Mas há tamanhos para todas as secretárias.

Análise – TT Isle of Man II: Ride on the Edge (Nintendo Switch)

Se procuram um jogo de corridas excitante, realista e que leve ao limite as vossas habilidades na Switch, TT Isle of Man II: Ride on the Edge é a resposta.

Análise – Huntdown

Um excelente jogo de ação, inspirado por clássicos dos anos 80, que nos coloca no papel de um caçador de prémios em luta contra os gangues que procuram destruir a sua cidade.

Análise – Ion Fury

Um verdadeiro regresso ao passado que é imperdível para todos os fãs dos FPS à antiga.
- Publicidade -

Mais Recentes

Paraíso dos cachorros quentes chegou a Setúbal. Mas só está disponível na Uber Eats

Dos mesmos responsáveis pelo excelente Burguesa na cidade, chega-nos agora um spot dedicado aos hot dogs.

Canal Disney Channel Family Fun começa a funcionar no Dia da Criança

Este é um canal temporário, funcionando até final do mês de junho.

McDonald’s vai mudar sistema de pontos do programa MLovers

Esta é a primeira grande alteração feita no funcionamento do conhecido programa.