Análise – OnRush

Conhecida por jogos como Colin McRae Rally e os correntes jogos anuais de Formula 1, a Codemasters adquiriu, há bem pouco tempo, parte da equipa da Evolution Studios, um estúdio que esteve durante anos nas mãos da Sony e que lançou cá para fora jogos como a série WRC para a PlayStation 2, a série Motorstorm na PlayStation 3, e, já nesta geração, DriveClub.

Com a equipa integrada na nova casa da Codemasters, foi-lhe dada a oportunidade de usar a sua criatividade e competências para um novo jogo. Assim nasceu OnRush, que se pode dizer que é uma mistura de Mario Kart, Burnout e Motorstorm.

Sem marcas licenciadas para os veículos ou regiões do mundo a servirem de inspiração direta para as pistas, OnRush assemelha-se a uma versão digital de um jogo de Hot Wheels, onde o caos reina em pista, os carros chocam, rebentam e voam.

A maioria dos jogos de corridas tem um objetivo: chegar ao fim em primeiro e, de preferência, com o mínimo de danos possíveis. Mas OnRush atira isso tudo pela janela. Primeiro, o contacto físico com outros veículos em pista não só é uma mecânica de jogo, como é incentivado. Segundo, o objetivo não é chegar ao fim da meta em primeiro, mas pontuar através de objetivos e desafios propostos por cada evento ou campeonato.

Este conceito é a base de todo o jogo, que é composto por diversos campeonatos com uma seleção de eventos de modos e objetivos diferentes.

Temos captura de zonas em movimento, onde temos que nos manter durante uns segundos juntamente com a nossa equipa, temos a soma de pontos ao provocar o caos, temos passagens por checkpoints que nos dão tempo, entre muitos outros.

Por cada corrida, independentemente dos seus objetivos principais, podemos ainda equacionar pequenos desafios, como atirar um certo numero de carros para fora da estrada ou ativar o turbo. Contudo, o jogo nem sempre faz um bom trabalho a explicar alguns destes desafios, sendo que alguns são feitos sem querer e outros só se entendem à medida que formos jogando.

Podemos encontrar tudo isto nos modos online e, aqui, OnRush faz um excelente trabalho a tornar a experiência divertida e quase invisível. Jogar online ou a solo, tirando o facto de não estarmos a fazer os campeonatos da campanha, é quase igual. A ansiedade de ficar em “primeiro” é inexistente e jogadores mal comportados não existem neste jogo. Estamos todos em pé de igualdade e é através dos objetivos em grupo que cada evento propõe que conseguimos alcançar a vitória. O melhor de tudo é que o progresso feito online, ao adquirir pontos e atualizações de personalização, pode ser usado em campanha.

A verdade é que OnRush dá-nos quase todo o conteúdo desde o início. Temos uma seleção de veículos de diferentes classes, que vão de motos, a buggys, a todo-o-terreno de grandes dimensões, em que diferem na sua agilidade, resistência e habilidades especiais.

A escolha de cada veículo é determinada pelo jogador e pelo seu estilo de jogo ou pelos eventos propostos que nos limitam a escolha ou obrigam à troca, mas sem nunca nos dar a sensação que nos encontramos em desvantagem aos restantes pilotos.

OnRush conta ainda com uma modesta, mas profunda seleção de pistas, que parecem ter sido desenhadas com muito cuidado, cheias de atalhos, zonas de salto e com muito detalhe. Ainda que ao fim de algumas horas pareça que estamos sempre a jogar nas mesmas, rapidamente começamos a encontrar novas áreas e novas experiências devido aos ciclos dia-noite de algumas ou como as condições climatéricas também afetam a nossa forma de jogar.

Para acentuar toda a adrenalina nas corridas de OnRush, temos uma excelente banda sonora composta por músicas rock e eletrónicas licenciadas. Em OnRush, todas as melodias e notas das músicas foram alteradas de acordo com a ação no ecrã, dando-lhe uma sensação de dinamismo e sincronia muito rara no género.

OnRush é um jogo perfeito para o jogador casual, que quer carregar nos gatilhos do comando e acelerar enquanto atira os concorrentes para fora da estrada. No meio de tanto caos e adrenalina, acaba por ser um jogo bastante satisfatório e relaxante, com um certo grau de complexidade que vai obrigar os jogadores mais atentos e dedicados a criarem estratégias para limparem todos os desafios do jogo.

Com OnRush, pode-se dizer que a Codemasters fez uma excelente aquisição com a antiga equipa da Evolution Studios.

OnRush está disponível para PlayStation 4 e Xbox One.

OnRush
Nota: 8/10

Este jogo foi cedido para análise pela Ecoplay.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,250FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – The Social Network

O que surge da parceria de dois cineastas perfecionistas e meticulosos? Uma obra magnífica do cinema!

Análise – XIII Remake

Um regresso ao passado que desvirtua a memória do jogo original para um lucro rápido da produtora.

Análise – Just Dance 2021 (PS4)

Com as novas consolas aí à porta, Just Dance 2021 chega just in time, para meter a malta a suar sem sair de casa.

Crítica – Relic

Relic é um daqueles típicos filmes de horror que dividem críticos e audiências um pouco por todo o mundo.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Algarve distinguido pela 1ª vez como “Melhor Destino de Praia do Mundo”

Depois da distinção a nível europeu, a região recebe agora, pela 1ª vez, o reconhecimento a nível mundial​.

Acabaram-se as pipocas nas salas de cinema

A Direção Geral da Saúde acaba de proibir a venda de produtos alimentares e refrigerantes nos cinemas.

Roaming. Yorn vai dar mais gigas para usar no estrangeiro

Uma boa novidade que a empresa tem vindo a implementar cada vez que começa um novo ano.