Análise – Nokia 7 Plus

O Nokia 7 Plus é uma renovação do Nokia 7 lançado o ano passado, mas com características melhoradas e adaptadas à filosofia da marca em 2018.

- Publicidade -

Mantendo o mesmo nome e uma linha bastante semelhante ao original, as diferenças são substanciais o suficiente para ser uma sequela do mesmo dispositivo. Há um ecrã novo e maior, um novo processador, sensores de câmara melhorados e até pertence agora ao programa Android One.

Apesar de não ser o topo de gama da Nokia, o Nokia 7 Plus tenta agradar a quem procura um equipamento premium sem os custos elevados dos grandes dispositivos atuais, resultando num smartphone que acaba por se inserir entre a média gama e a média alta.

Se há coisa pela qual o Nokia 7 Plus se destaca é pelo seu design, conseguindo sobressair-se dos restantes equipamentos da marca com alguma facilidade.

42783435280 85416b1cee h

Mantendo uma linha muito semelhante ao modelo anterior, o Nokia 7 Plus ostenta um ecrã maior, passando das 5.2 polegadas para as 6 polegadas, aumentando, também, o tamanho do equipamento.

É agora mais alto e é o primeiro smartphone da marca tecnológica a usar o aspeto de 18:9, onde encontramos a resolução de 1080×2160 píxeis.

Com a sua área de superfície superior, este equipamento acaba por dar a ilusão de ser muito fino, mas ao mesmo tempo muito robusto, em parte graças ao seu corpo revestido em alumínio, que confere uma solidez e um peso agradável.

Com acabamentos em tons de cobre em toda a volta e nos detalhes traseiros, o Nokia 7 Plus apresenta-se como um equipamento moderno, com estilo e bem bonito aos nossos olhos.

É ainda ergonómico e fácil de pegar e tem um sensor biométrico posicionado no local certo, como quem diz, na parte traseira.

Talvez o único aspeto negativo seja o facto de, por vezes, ser um pouco grande demais e com a utilização da capa protetora incluída parece ficar ainda maior, não tornando muito confortável guardá-lo no bolso.

Na frente do Nokia 7 Plus temos o ecrã centrado no corpo do equipamento, sem botões físicos e apenas com a câmara frontal e o auscultador no topo.

Já na traseira temos as duas lentes Zeiss, o flash e o sensor biométrico. Por sua vez, na lateral direita vamos encontrar os três botões físicos de volume e de power e, na esquerda, a slot do cartão microSD e SIM.

Os fãs de música de bolso vão ficar contentes ao saber que existe uma ligação áudio no topo do Nokia 7 Plus. Já na base  USB-C, o microfone e apenas uma coluna de som.

A faltar ao equipamento fica apenas o flash frontal e um LED indicador de notificações, que é substituído pela ativação automática do ecrã quando lhe pegamos.

42783433090 4da46c9578 h

O ecrã do Nokia 7 Plus é, como já dissemos, grande, e tem uma resolução perfeita a acompanhar, neste caso o FHD+.

A imagem é bastante definida e apresenta um balanço de cores bastante bom. Os pretos são bastante profundos, mas facilmente perdem as suas qualidades quando existem demasiados elementos claros à volta. O mesmo acontece quando o ecrã tem o brilho no máximo.

Ironicamente, e apesar de brilhante, a sua utilização na rua em dias de forte incidência solar pode ser algo complicada, mas, na geral, comporta-se bastante bem para um ecrã LCD, com cores bem reproduzidas e sem qualquer sinal de arrasto em imagens rápidas.

Pelas suas dimensões e qualidade, é um excelente equipamento para multimédia, nomeadamente vídeos e filmes. Torna-se também particularmente útil para uma utilização multitasking ao dividirmos o ecrã em dois.

Para esta versão Plus do Nokia 7, a marca manteve a mesma quantidade de RAM e armazenamento mas atualizou outras características, como o processador e a bateria. Assim temos um equipamento com um processador Snapdragon 660, um GPU Adreno 512, 4GB de memória RAM, 64GB de armazenamento com possibilidade de expansão via SD e uma bateria de 3800mAh.

Na teoria, temos um equipamento atual que promete um desempenho bastante sólido, com um processador que, segundo a Qualcomm, é 20% mais rápido que o modelo anterior.

A utilização diária do Nokia 7 Plus é fantástica. Em condições normais, a bateria dura um dia inteiro, com jeito até dois dias. Em uso intensivo essa longevidade ronda as 10 horas, mas, se não lhe tocarmos, ultrapassa com facilidade a barreira dos dois dias, revelando-se, assim, um equipamento bastante seguro no que toca à sua autonomia.

Já no desempenho de utilização, é quando tentamos puxar pelo equipamento que percebemos que nem tudo são rosas. As boas notícias é que no geral porta-se bastante bem com aplicações pesadas, como por exemplo videojogos.

43875027094 d3de73646c h

Compatível com alguns dos títulos mais recentes, jogos como Asphalt 9, PUBG, Tekken, FIFA, todos funcionam com uma fluidez agradável e sem soluções. Já o multitasking e aplicações de fundo também funcionam perfeitamente sem deixar o equipamento lento.

Contudo, não se livra de um consumo de energia elevado, como indicado em cima, ou de um aquecimento que pode assustar alguns utilizadores.

A saturação de aplicações em simultâneo também se começa a sentir nomeadamente nas trocas de aplicações, onde, por vezes, a animação são é suave.

O Nokia 7 Plus vem com o Android Oreo 8.1.0 instalado e faz parte do programa Android One. Significa então que, para além de uma experiência limpa e virgem com o ecossistema Android e apenas as aplicações da Google pré-instaladas, temos acesso mais rápido às atualizações de segurança da Google e a novas versões do sistema operativo.

O Nokia 7 Plus não se livra de eventuais bugs e aplicações que fecham devido a erros de sistema, mas nenhum dos casos que encontramos foi permanente. Estes “solavancos” da experiência foram também atenuados com uma atualização que nos surgiu a meio do teste, o que revela que este programa pode ser bastante útil.

Passando para a área fotográfica, a aplicação nativa do Nokia 7 Plus é uma versão mais completa daquela que encontramos em outros dispositivos, incluindo funções que só fazem sentido neste equipamento.

Bastante completa e simples de usar, permite modos manuais, automáticos, uso de HDR, efeitos de Bokeh, captura de “bothies”, panoramas, entre outros.

Para dar uso destas capacidades, o Nokia 7 Plus vem equipado com dois sensores traseiros da Zeiss. Um de 12MP e abertura de f/1.8 e outro de 13MP de zoom 2x e uma abertura de f/2.6. Quando utilizados em conjunto, podemos obter fotos com um zoom ótico de 2x e aplicar efeitos de bokeh reais às fotografias dos nossos amigos ou para destacar objetos.

42783433420 ec063b372e h

A qualidade destes sensores é muito boa em diferentes situações. O uso do sensor secundário é ótimo para tirar fotos com zoom sem sacrificar detalhes. Durante o dia, por exemplo, as fotos saem quase perfeitas e, em condições de baixa luminosidade, conseguem captar fotos definidas e pouco tremidas.

Contudo, não se escapa ao ruído de fotos mais escuras e, por vezes, o modo automático não responde como nós gostaríamos. Este é um aspeto que também se sente quando existe um ambiente com diferentes níveis de brilho.

No geral, porém, temos resultados bem acima da média e dignos de um smartphone deste segmento.

Já a câmara frontal peca nos resultados, sendo apenas satisfatórios. Com um sensor de 16MP e uma abertura de f2.0, esperar-se-ia uma qualidade no mínimo semelhante a um dos sensores traseiros. Infelizmente esta câmara traseira não gosta muito de ambientes de pouca luz e o autofoco nem sempre funciona como é suposto. A falta de um flash frontal também se faz sentir.

A nível de captura de vídeo, temos na frente a captura em 1080p/30fps; já na traseira é possível gravar em resoluções 4K a 30fps. No entanto, o destaque vai para o desempenho apenas a 1080p, em que, com a mesma fluidez, a imagem apresenta-se curiosamente mais definida e com uma suavidade de movimento bem maior.

A Nokia apresenta o Nokia 7 Plus como “um telemóvel em que pode confiar“, o que não esta nada longe da verdade. Segurança é a palavra chave deste equipamento que se mostra bastante versátil e robusto, pronto para qualquer tipo de utilização sem grandes compromissos.

Com um preço que pode chegar aos 450€, é possível encontrá-lo em diferentes lojas por 390€, um valor que se aproxima à experiência e à promessa das capacidades de um equipamento deste valor.

O Nokia 7 Plus não se livra de problemas, mas é um smartphone no qual podemos confiar e, como tal, recomenda-se.

Este produto foi cedido para teste pela HMD Global.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,026FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
788SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.

Análise – R-Type Final 2 (PlayStation 4)

Um regresso há muito esperado de uma das séries mais icónicas do género shoot’em up.

Análise – New Pokémon Snap (Nintendo Switch)

Uma viagem nostálgica e refrescante, mas limitada.

Análise – Returnal (PlayStation 5)

“Vive, morre, repete”, neste jogo de ação frenético da nova geração.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo filme de Dragon Ball Super prestes a ser anunciado

Houve um leak acidental... do site oficial.

First Cow vai ficar disponível em Portugal em exclusivo na MUBI

Quererá isto dizer que não vai chegar aos cinemas portugueses?

Análise – Teclado G.Skill RIPJAWS KM570 RGB

Oiçam o clicar das teclas deste teclado da G.Skill.