Análise – Marvel’s Spider-Man: Miles Morales

A bombástica estreia com a PlayStation 5.

- Publicidade -

Depois de um lançamento espetacular em 2018 na PlayStation 4 com Marvel’s Spider-Man, a Insomniac Games regressou à sua Nova Iorque virtual para nos contar mais uma história deste novo mundo criado de propósito para uma nova franquia de videojogos.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales é, para todos os efeitos, uma sequela do jogo original, com toques de spin-off ou expansão, pelo foco num novo elenco de personagens e pela extensão da sua aventura. Com Peter Parker de férias, Nova Iorque fica à mercê de novas ameaças, mas felizmente, Miles Morales, apresentado no primeiro jogo como personagem secundária, também tem habilidades únicas que permitem ocupar o lugar do super-popular Spider-Man. E com isso, todas as suas responsabilidades.

Naquela que é uma das obras de ficção mais culturalmente e socialmente relevantes da atualidade, devido à popularidade do ícone que é Spider-Man na pop-culture, pelos temas que aborda e pelo excelente foco na diversidade, Marvel’s Spider-Man: Miles Morales tem todos os ingredientes que o tornam um excelente jogo e mais uma fantástica história do Homem-Aranha de referência.

Tal como os filmes de Sam Raimi e, mais recentemente, o jogo de 2018, Marvel’s Spider-Man: Miles Morales apresenta novamente uma jornada de aprendizagem e crescimento sobre um rapaz, Miles, com um coração de ouro, que quer proteger todos aqueles que estão à sua volta e viver à altura das expectativas e responsabilidades que os seus poderes lhe conferem, tudo isto enquanto Parker está de férias.

Sem entrar muito em pormenores e potenciais spoilers, até porque Marvel’s Spider-Man: Miles Morales é um pouco previsível logo desde o início, o lado mais dramático do jogo recorre a todos aqueles momentos de tensão, identidades secretas, investigações e cenas de ação épicas, que tanto caracterizam as aventuras de Spider-Man seja em que meio for.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales

Com um excelente equilíbrio no tempo de antena dado ao elenco de personagens e às suas relações e motivações, é muito fácil ficar agarrado à história principal do jogo e embarcar na sua satisfatória e trágica jornada, mas isto acontece, também, graças ao ritmo e longevidade de Marvel’s Spider-Man: Miles Morales. É, para todos os efeitos, um jogo completo. Não se deixem enganar: oferece cerca de 20 horas de história, mais umas quantas para completar todas as missões secundárias e objetivos.

Apesar deste novo formato, a Insomniac Games tirou partido da excelente oportunidade em criar um jogo mais focado e coeso em todos os níveis. A história avança de forma mais orgânica e sempre com alguma emoção, as atividades extra são mais recompensantes e as missões secundárias são agora muito mais interessantes e elaboradas, assim como muitos eventos com NPCs, revelando um cuidado e trabalho melhorado a nível de interações.

Mas as oportunidades não se ficaram por oferecer um jogo mais consistente. Houve também uma preocupação para expandir em todas as direções, especialmente a nível de jogabilidade, interação, imersão e visuais.

Para quem jogou (e deve jogar) Marvel’s Spider-Man, aqui vai sentir-se em casa, com um leque de movimentos e ataques básicos muito semelhantes, mas com habilidades únicas que tornam Miles um super-herói muito diferente. Miles conta com habilidades elétricas que podem ser usadas para parar inimigos com uma barra que cresce à medida que nos mexemos, atacamos e defendemos, e tem ainda poderes de camuflagem que o tornam invisível para missões de ação furtiva. Juntamente com quatro gadgets de suporte, estas duas novidades e os movimentos básicos do Spider-Man multiplicam as nossas opções de ataque e defesa, resultando em combates frenéticos e cheios de adrenalina onde, com algum treino, nos sentimos superpoderosos, mesmo em dificuldades mais altas.

Navegar pela cidade virtual de Nova Iorque já era satisfatório, mas, nesta nova aventura desenhada já a pensar nas capacidades da PlayStation 5, é ainda mais. Com recurso ao fantástico DualSense, é possível sentir a tensão das teias a cada swing ou a sensação de ar contra Miles com os seus motores hápticos, especialmente em momentos do jogo em que os efeitos atmosféricos são mais prevalentes. Durante os combates, o DualSense também brilha, com cada murro e pancada a dar feedback preciso e as habilidades especiais de Miles, como as elétricas, a responderem fisicamente como se espera.

Para quem jogar com o áudio da TV ou colunas, o comando também debita som aliado a cada efeito, pancada e sensação, aumentando o nível de imersão um pouco mais, tornando quase impossível de jogar Marvel’s Spider-Man: Miles Morales sem estas funções.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales

As vantagens da PlayStation 5 não se ficam apenas pelas funções do comando. Como seria de esperar, Marvel’s Spider-Man: Miles Morales apresenta-se com um salto visual, oferecendo uma fidelidade gráfica superior e alguns elementos que fazem justiça às promessas desta nova geração. As personagens e o mundo surgem muito mais detalhados do que no passado, estando mais dinâmicos e ricos, e ficando ainda melhor com uma excelente implementação do sagrado Ray-Tracing, que não só aplica reflexos realistas em superfícies refletivas, como também ajuda a criar cenas e cenários mais realistas com sombras de maior qualidade, dinâmicas e com melhor contacto entre objetos.

Comparado com o que tínhamos na geração anterior, as poças de água refletem o mundo à sua volta, assim como os enormes edifícios envidraçados, que apresentam agora reflexos realistas da cidade inteira, em vez de texturas estranhas que nada tinham a ver com o ambiente em redor. Tudo isto está aplicado até em pequenos pormenores, como a fibra e texturas do fato de Miles, que apresentam sombras e reflexos com um detalhe que era impossível na PlayStation 4.

As somas das suas partes tornam Marvel’s Spider-Man: Miles Morales numa espetacular demonstração técnica neste início de geração. Porém, tudo isto é apenas possível a 30fps, ainda que se atinjam uns incríveis 4K em televisões que o suportem. Para quem preferir uma experiência mais fluida, sacrificando algumas destas novidades, há uma opção de desempenho que permite que o jogo corra a uma resolução dinâmica inferior, sem efeitos de Ray-Tracing, mas a uns super suaves 60fps.

Também de destacar, e apenas possível na PlayStation 5, são os incríveis tempos de carregamento. Estes, simplesmente, não existem. Iniciar o jogo é incrivelmente rápido (podendo ter que passar apenas pelos logos iniciais) e é possível entrar no jogo, fazer fast travel e iniciar atividades num simples segundo. Se quisermos, não há tempos mortos até clicarmos na pausa, e esta capacidade transforma o jogo em diferentes níveis, tornando o mundo e as missões muito mais orgânicas de navegar.

Esta função de carregamento rápido tira também partido das novas capacidades da PlayStation 5 a nível de sistema operativo, com os seus cartões de progresso através do menu da consola. Ao clicarmos no botão da PlayStation do DualSense, são mostrados cartões de progresso, onde podemos perceber, por exemplo, quanto nos falta do jogo em objetivos específicos, enquanto que alguns outros cartões são dedicados a missões principais e secundárias. Em vez de navegarmos nos menus do jogo, procurando o que fazer a seguir e ativando o fast travel, o acesso a estes cartões coloca-nos imediatamente no sítio onde queremos do jogo, ao selecionar e pressionar o botão, cortando assim bastante tempo nas nossas sessões.

Depois de um pacote de DLCs para Marvel’s Spider-Man que deixou um pouco a desejar em longevidade e variedade, Miles Morales volta a ser um pacote digno de se colocar ao lado do jogo original, tanto a nível técnico como a nível narrativo e emocional.

É um jogo completo, cheio de alma, com uma jogabilidade soberba e uma experiência da nova geração tão bem aplicada como extremamente promissora para o futuro da PlayStation 5 e desta série. Marvel’s Spider-Man: Miles Morales para a PlayStation 5 é simplesmente espetacular.

Nota: Excelente - Recomendado

Plataforma: PlayStation 4 e playStation 5
Este jogo (versão PlayStation 5) foi cedido para análise pela PlayStation Portugal.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,479FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – Pikmin 3 Deluxe

Pikmin 3 Deluxe é um jogo cativante para quem aprecia a resolução de puzzles num mundo em contra-relógio e com uma mensagem escondida.

Análise – The Pathless

Despido de excessos, The Pathless apresenta um dos mundos abertos mais convidativos e misteriosos à exploração.

Análise – Sackboy: A Big Adventure

A grande aventura a solo da mascote da PlayStation começa aqui. A PlayStation sempre teve jogos de plataformas e títulos...
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Android Auto começa a chegar (de forma oficial) a Portugal

Em breve já não será preciso recorrer a plataformas alternativas para instalar a aplicação.

Adega Mayor lança três vinhos em homenagem a Amália Rodrigues

Um trio cujos rótulos são da responsabilidade de três artistas portugueses.