Análise – Lenovo Yoga 720 – Um híbrido pequeno e barulhento

Pertencendo à mais recente gama de portáteis híbridos da Lenovo, o Yoga 720 insere-se entre o mais modesto 520 e o mais compreensivo 920, substituto do Yoga 910, que passou por nós no ano passado.

- Publicidade -

Este não é um computador de alta performance. Por outro lado, também não é de descartar, surgindo como uma solução bastante competente e versátil para todo o tipo de utilizador que procure fazer um pouco de tudo sem grandes níveis de exigência

O Yoga 720-13IKB, como o nome indica, é um dispositivo de 13.3 polegadas com um aspeto moderno e simplista. Comparativamente ao modelo anterior (o 710), pouco muda: mantém-se fino, dobrável, com uma moldura mínima e extremamente robusto e fácil de manusear. Para quem procura um produto com um aspeto premium, o Yoga 720 satisfaz.

O seu ecrã multi-toque é um IPS com uma resolução de 1080p. Apresenta cores bem brilhantes e uma definição de imagem impecável para o tamanho da tela que estamos a utilizar. É também bastante preciso na utilização do toque e da caneta que o acompanha, a Lenovo Active Pen 2. Aliás, a sua utilização é tão precisa que é fácil cair na tentação de usar única e exclusivamente a pen em vez do toque.

Graças às capacidades de conversão de carateres manuscritos para digital do Windows 10, muitas foram as vezes que se tornou mais conveniente escrever à mão do que virar o Yoga ao contrário para usar o teclado, ainda que o reconhecimento das palavras não fosse tão perfeito quanto isso.

Também o teclado se apresenta confortável de usar e com as teclas bem espaçadas. A área de utilização requer alguma habituação para quem utiliza teclados maiores, mas é fácil de ajustar à memória muscular. Para quem gostar de escrever às escuras, encontrará também um teclado bem iluminado.

O touch pad também responde bastante bem, o dedo desliza na perfeição e vem com uma série de ações multi-toque bastante úteis. O interessante aqui é a sua utilização em conjunto com a Active Pen em aplicações de produtividade.

O Yoga 720 inclui ainda uma série de portas nas suas laterais onde podemos encontrar uma porta USB 3.0 num lado, onde está, também, o botão de Ligar/Desligar, e, no outro lado, duas portas USB-C 3.1 e um jack 3.5mm de áudio (saída e entrada).

A existência da USB 3.0 é importante, uma vez que é um tipo de porta ainda muito utilizada e que faz com que não seja necessário termos um adaptador extra. No entanto, para quem procura usar a Lenovo Active Pen 2, vai encontrar aqui uma estranha decisão de design, na qual esta porta serve de apoio para o suporte da dita caneta. Mais estranho ainda é o facto de este suporte não ter mais nenhuma utilidade, nem sequer de carregamento, uma vez que a caneta funciona a pilhas tipo botão de lítio. Sempre que queiramos usar essa porta, teremos que guardar a caneta noutro sitio que não anexada ao Yoga.

Das duas USB-C, uma serve de ficha de carregamento e suporta o Thunderbolt 3, o que significa que podermos usá-la com um adaptador para transmitir vídeo ou ligar um cabo de rede, entre outro tipo de utilizações.

Exitem mais dois modelos do Yoga 720, o de 12 e de 15 polegadas, ficando de fora nesta nova gama o modelo de 14.

Nesta unidade, estamos perante um processador Intel Core i7-7500 de 2.7GHz, uma agradável surpresa, uma vez que é o mesmo processador encontrado no Yoga 910, e que trás consigo um GPU integrado Intel 620. A acompanhar temos 8GB de memória RAM e um disco SSD de 512GB. No fundo, não apresenta caraterísticas de que se possa gabar, mas as suficientes para fazer um pouco de tudo e explorar as suas capacidades de interação.

Ainda assim, o desempenho do Yoga 720 deixou um pouco a desejar. Apesar da enorme grelha traseira, o pequeno portátil aquece com alguma facilidade e o processador atingia os 100% de utilização com muita facilidade, bloqueando com frequência e fazendo barulho mesmo em utilizações mais banais como a navegação na web.

Talvez o mais grave seja mesmo o barulho que o Yoga 720 debita com frequência, não por ser só irritante, mas também por dar sinal de que algo está mal, quando na realidade não está. É um pouco stressante e pode não ser ideal para levar, por exemplo, para uma sala de aula, o que não deixa de ser irónico, pois este tipo de equipamento seria perfeito para isso mesmo.

O Yoga 720 vem com uma bateria de quatro células. Dependendo da sua utilização, podem durar duas a três horas em alto desempenho ou até, aproximadamente, oito horas com uma utilização constante moderada. Não tem uma capacidade impressionante, mas dá-nos tempo de utilização suficiente para um dia de trabalho, desde que não seja uma utilização constante. Por outro lado, encontramos também um carregamento um pouco lento, o que, às vezes, faz com que este demore mais do que o tempo que levou a esgotar.

É a utilidade e a versatilidade que estão em cima da mesa quando pensamos em equipamentos como o Yoga 720. O facto de ser um equipamento híbrido capaz de se transformar de acordo com as nossas necessidades e vontades é muito bem-vindo. No entanto, naquilo que importa, não parece oferecer muito mais dos que outros ultraportáteis com caraterísticas semelhantes e melhor desempenho, o que nos leva a ponderar se valerá mesmo os quase 1500€ que pedem por ele.

O equipamento foi cedido para análise pela Lenovo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Análise – Monster Jam Steel Titans 2

Monster Jam Steel Titans 2 é algo entre o desafiante e o divertido, pelo que certamente irá deixar-vos com os nervos à flor da pele.

Crítica – Nomadland

Nomadland irá desiludir quem antecipar uma história mais ativa, mas será uma história contemplativa, esclarecedora e emocional para quem se deixar levar pelos nómadas reais.

Crítica – Cherry

Cherry é uma trapalhada indiscutível, mas ainda se aguenta firme devido a uma primeira metade cativante e à melhor performance da carreira de Tom Holland, para além de ser geralmente bem filmado.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Rock in Rio Lisboa também não se realiza este ano

Por outras palavras, foi adiado para 2022.

EatTasty acaba de ficar disponível no Porto

Disponível tanto ao almoço como ao jantar.