Just Dance 2022 – Música nova, danças antigas

Just Dance está de volta. Mas apesar de trazer novas músicas lançadas ao longo deste ano, continua a falhar nas mecânicas de deteção dos movimentos de dança.

- Publicidade -

A franquia Just Dance é líder na área e tal justifica-se pelo constante investimento em novas músicas, acompanhadas de coreografias elaboradas que conseguem meter qualquer um a suar. Este ano podem contar com “Good 4 You” da emergente Olivia Rodrigo, “Happier Than Ever” de Billie Eilish, a versão da Taylor Swift da canção “Love Story”, “Don’t Go Yet” de Camila Cabello e até “Think About Things” dos Daði Freyr, que participaram na Eurovisão 2021.

Há também algumas novidades no que toca a música lançada nos dois anos anteriores, tais como “Girl Like Me” em colaboração entre os The Black Eyed Peas e Shakira, “Levitating” da irreverente Dua Lipa, “Mood” de 24kGoldn ou “Jerusalema” de Master KG. De clássicos terão acesso gratuito a “Freed From Desire” de Gala Rizzatto, “Buttons” das Pussycat Dolls, “Level Up” de Ciara, “Rock Your Body” de Justin Timberlake ou “I’m Outra Love” de Anastacia.

É certo e sabido que, apesar das novidades e seleção gratuita de temas incluídos com a compra do jogo, este ano o catálogo está mais diversificado que nunca, com música de várias décadas (o que vai agradar a um público maior). Na verdade, há todo um catálogo de mais de 700 músicas por explorar com a subscrição do Just Dance Unlimited. O primeiro mês de teste é gratuito (com a Deluxe Edition têm direito a quatro meses), sendo que a subscrição de um ano custa 24,99€ no total.

Para além deste volume conter muita música nova e entusiasmante, segundo consta, a Ubisoft foi buscar inspiração a passos de várias coreografias originais para algumas músicas, que era algo que já vinha a ser pedido há muito tempo pelos fãs da franquia. A este ritmo, para além de ser um jogo de festa, Just Dance torna-se cada vez mais num jogo de dança.

Na interface colorida e dinâmica não mudou muita coisa, coisa à qual já me habituei, para ser sincero. Contudo, foi introduzida uma novidade deveras intrigante e inclusiva, que é a secção “Kids” para os pequenos just dancers, cuja interface é bastante simples (só andar para o lado e selecionar a música), sem as complicações e funcionalidades da versão normal. Para além destas duas opções, agora também existe o “Quick Play” que leva o jogador logo para a pista de dança, com uma seleção musical aleatória, sem ter de perder tempo a escolher uma música.

Apesar de todas as novidades, que são bem vindas, o jogo continua a falhar na parte que interessa: as opções de dança. Atualmente, a versão da PS5 só dá para dançar usando o smartphone na mão direita. Tudo bem que é uma opção prática para festas, mas não é nada fiável nem motivador uma pessoa aplicar-se na coreografia para ter apenas os movimentos de um braço contabilizados. Nada contra a existência desta opção, mas não aceitar os acessórios “move”, que são mais ergonómicos e seguros do que andar a balançar um smartphone de mais de 500€ na mão (já houve uma casualidade numa festa cá em casa) ou não existir compatibilidade com a câmara HD para a PS5 que permite dançar sem preocupações, nesta fase não faz sentido nenhum.

Posto tudo isto, e apesar das novidades de interface para os mais novos, novas músicas e coreografias mais fiéis que nunca, é difícil recomendar a compra deste jogo. A não ser que sejam mesmo fãs de dança ou queiram ter mais um jogo de festa, sabendo que vão dançar com o vosso smartphone na mão. O problema? A dança não é divertida quando se está sempre em sobressalto em relação a um possível descuido com a mão direita, onde está o vosso smartphone.

Cópia para análise (versão PlayStation) cedida pela Ubisoft.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Jurassic World Evolution 2 – Em busca do vale encantado

Jurassic World Evolution 2 faz justiça enquanto sequela, expandindo a forma como interagimos com os dinossauros e nas oportunidades de criação de um parque de sonho, onde um pequeno erro pode resultar numa tempestade perfeita.

Pokémon Brilliant Diamond/Shining Pearl – Um remake inconsequente e mal aproveitado

15 anos depois, Diamond e Pearl recebem os respetivos remakes para a Nintendo Switch. Remakes esses que merecem ser aproveitados apenas pelo papel de introdutório das mecânicas originais da saga aos fãs mais novos.

American Hero – Um zero à esquerda

Anteriormente cancelado, este clássico FMV está de regresso às consolas e é mais um motivo para apostarmos na preservação de videojogos.

Space Moth: Lunar Edition – Uma experiência psicadélica

A nova edição de Space Moth traz-nos uma aventura mais marcante a nível visual e com um enorme foco na dificuldade.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Festival Authentica reconfirma De La Soul e Nothing But Thieves para 2022

O Authentica receberá cerca de 30 artistas internacionais e nacionais.

Centro Expositivo do Promontório de Sagres deve abrir no início de 2022

A empreitada, que ascende a cerca de 1,5 milhões de euros, está na fase da construção da cenografia.

Uber Pet. Novo serviço permite que os utilizadores viajem na companhia dos seus animais de estimação

Numa primeira fase, esta novidade está somente disponível em Lisboa, Porto e na região do Algarve.