Análise – Hisense Infinity H11 Lite – Tão grande como simples

Mais do que a tua imaginação.” É com este lema que a Hisense quer promover o seu novo dispositivo móvel da linha Infinity, o H11 Lite, e, obviamente, conquistar o mundo.

- Publicidade -

Lançado nesta primavera de 2018, o H11 Lite (F24) foi apresentado ao mundo na Mobile World Congress no início deste ano juntamente com um modelo maior, o H11 Pro, apresentando características superiores aos modelos anteriores da linha Infinity e adaptando-se a algumas das novas tendências do momento.

Grande e moderno

Uma dessas grandes novidades está no seu ecrã de 5.99 polegadas, agora no formato panorâmico 18:9, ostentando uma resolução de 1440×720 pixéis e uma relação mínima entre o ecrã e o corpo.

Assim, estamos perante um dispositivo cuja apresentação tenta responder à procura dos consumidores atuais com um grande ecrã e uma pequena moldura, que se nota apenas na parte inferior e superior, onde temos os sensores e a câmara de selfies.

Neste modelo Lite, estas novidades mais contemporâneas ficam-se por aqui. Apesar de estarmos em 2018, todo o restante dispositivo parece ter parado no tempo. Mas nada disto é mau. Afinal, estamos a falar de um dispositivo de baixo orçamento, abaixo do patamar dos 200€.

hisense h11 lite 01

Ainda sobre o seu design, o H11 Lite passa bem despercebido ao lado de outros telemóveis. É grande, ou não fossem as suas 5.99 polegadas, e relativamente fino. É bastante fácil de agarrar, preenche a mão e utiliza materiais de construção agradáveis ao toque e que não nos vão dar aquela fobia de deixar escorregar pelas mãos.

Na frente, temos um vidro 2.5D laminado que se estende além da superfície do ecrã e que termina com acabamentos arredondados. Já na traseira vamos encontrar uma superfície em alumínio e acabamentos em plástico no topo e na base.

Também na traseira encontramos a câmara única e um sensor biométrico numa posição tradicional: zona superior e centrados.

Como muitos outros smartphones do género, os botões físicos encontram-se na lateral direita, e, na esquerda, temos a slot híbrida dual-sim/SD Card. Na borda superior contamos com uma saída de áudio 3.5mm e, na inferior, uma porta USB para carregamento e transferência de ficheiros e capacidades OTG.

Modesto e funcional

As características deste H11 Lite são, na sua generalidade, modestas. Dentro deste dispositivo temos um processador MediaTek MT6737T Quad-Core, uns simpáticos 2GB de memória RAM e 16GB de memória interna.

A nível de câmaras temos apenas uma câmara frontal de 8MP com flash LED e uma traseira de 13MP, ambas capazes de fazer captura de vídeo a 1080p e 30fps.

Na fotografia, ainda que não seja um equipamento ideal, diria que faz bem o serviço para o valor que se pede. O H11 Lite conta com modos automáticos que funcionam na perfeição através da aplicação nativa do Android, mas é possível verificar o excesso de efeitos de pós-processamento aplicados na imagem, como acentuação de arestas ou a limpeza de ruído digital.

hisense h11 lite 02

Aparentemente atual, os seus componentes mostram já alguma desatualização. O processador já começa a sentir algumas limitações, com aplicações mais pesadas e com uma fluidez de navegação do dispositivo a mostrarem alguns solavancos. E os 2GB de memória RAM podem ser uma dor de cabeça para quem utiliza muitas aplicações ao mesmo tempo.

Esta “desatualização” é acentuada pelo uso do Android 7.0, que, nesta versão, parece despido e desprovido de qualquer feature interessante ou diferente.

Ao longo destes dias, a Hisense lançou ainda algumas atualizações, mas nenhuma para versões mais recentes, o que criou alguma ansiedade e deceção neste departamento.

Bateria decente e muitas ligações

Um ponto forte deste equipamento é a sua bateria de 3400mAh, que, numa utilização realista, é capaz de algumas proezas, como quase dois dias sem ir à carga. E se forem utilizadores de ver só o email ao fim do dia e trocar mensagens via SMS, é possível ultrapassar essa barreira.

A nível de conexões sem fios também vem bem preparado, contando com recetor GPS integrado, o que permite uma precisão e rapidez melhorada e comprovada em aplicações como o Google Maps. Temos ainda suporte até redes 4G LTE, Wi-Fi 802.11 b/g/n e Bluetooth 4.2.

A nível de chamadas, o som é claro e consistente e a receção é aparentemente impecável, mesmo em zonas com ligações debilitadas.

hisense h11 lite 03

Verdeiramente budget

Apesar do lema para promover estes equipamentos: “Mais do que a tua imaginação,” a Hisense apresenta um dispositivo que, na verdade, é fácil de imaginar. É modesto e apresenta-se ao alcance de todos os utilizadores que procuram um simples smartphone.

Mas, ainda dentro desta mentalidade, não deixa de ser um dispositivo que fica um pouco abaixo das nossas expetativas, especialmente quando comparado às características apresentadas no seu irmão grande, o H11 Pro.

O H11 Lite surge, assim, como uma ótima solução para quem procura um smartphone para o seu dia-a-dia e não se quer saber do último tweet ou post do Instagram dos seus amigos e celebridades, servindo também para quem não se preocupa muito com diversidade de funções ou capacidades multimédia. No fundo dá para fazer um pouco de tudo, mas sempre com limitações.

O Hisense H11 Lite já se encontra disponível no mercado nacional em algumas lojas selecionadas com preços a rondar os 160€.

O equipamento foi cedido para análise pela  Hisense.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Arcane: Act 3 – Uma gloriosa injeção de Hype

O terceiro ato de Arcane remata com muitas emoções e uma excelente direção a primeira temporada daquela que é, inequivocamente, a melhor série de animação de que há memória.

Space Moth: Lunar Edition – Uma experiência psicadélica

A nova edição de Space Moth traz-nos uma aventura mais marcante a nível visual e com um enorme foco na dificuldade.

Super Sami Roll – O mestre de nada

Inspirado por alguns dos melhores jogos do género, Super Sami Roll é ocasionalmente divertido, mas quase sempre irritante.

Gynoug – Do passado, para o menos passado e agora para o futuro

A Ratalaika Games continua a apostar em shmup’s clássicos e a relançá-los em edições pouco convincentes, mas ao contrário de Gleylancer, Gynoug não consegue justificar o preço de admissão.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Há novas lojas Meu Super em Rio de Mouro e Alcochete

Em 10 anos, o Meu Super abriu cerca de 300 lojas em todo o país, com uma área total de venda 50 mil m2 e criou 1500 postos de trabalho.

Nova funcionalidade da Bolt impede uso de trotinetes e bicicletas sob efeito de álcool

A nova funcionalidade tem como objetivo promover viagens mais seguras para os utilizadores e para os restantes ocupantes da via pública.