Análise – Gaming Mouse ESG M5 Triforce

Extremamente completo, mas com muitos sacrifícios.

Gaming Mouse ESG M5 Triforce
- Publicidade -

A Energy Sistem tem construído uma boa imagem com equipamentos e periféricos áudio que, apesar do baixo custo, são bastante completos, tendo vindo a solidificar-se com produtos cada vez melhores e de qualidade cuidada.

Agora, a marca entrou num novo setor em crescimento e bastante popular, o mundo do gaming, com os periféricos mais importantes para os jogadores de PC, sejam eles casuais ou competitivos.

Uma dessas soluções é o Rato Gaming Mouse ESG M5 Triforce, um nome longo e complicado para um equipamento aparentemente completo, mas com muitos sacrifícios.

Por 39,99€, o M5 Triforce apresenta-se como uma solução acessível e dentro dos preços expectáveis até mesmo entre marcas como a Razer e a Corsair, que têm soluções para os jogadores mais dedicados por volta destes valores, mas em formatos mais simples.

Se houvesse uma palavra para descrever o M5 Triforce seria, sem dúvida, “complicado”. Não propriamente com um mau sentido, mas por tudo o que tenta oferecer por algo tão acessível.

É um rato para gamers que faz justiça a algumas das suas promessas, pois temos um design arrojado, perfis para diferentes valores de DPI à distância de botões dedicados, iluminação multi cor, muitos botões através de três painéis alteráveis e, ainda, o já muito raro ajuste de pesos. É dos ratos aparentemente mais completos, mas claro que tudo tem um custo.

Gaming Mouse ESG M5 Triforce

O primeiro que podemos destacar é a qualidade dos materiais usados e o design que mistura linhas modernas com acentos que gritam “gaming” em 2005. O corpo do rato utiliza um misto de plásticos suaves e polidos num corpo assimétrico, onde na zona onde colocamos a palma da mão temos um feixe RGB em arco-íris. Há uma tentativa de tornar o M5 Triforce confortável, que é conseguida, graças ao apoio do dedo anelar e à base onde podemos pousar o polegar nos diferentes painéis propostos. Contudo, é um de grandes dimensões que nos vai encher bem as mãos.

Na sua base temos vários materiais derrapantes que ajudam numa utilização natural e fluida, mas é quando viramos o rato e mudamos os painéis que sentimos o lado mais barato desta aposta, em particular nos painéis, que parecem ser pouco resistentes e feitos de materiais fracos. Outro pequeno pormenor que deixa passar esta ideia de produto barato é a parte frontal, onde o molde do M5 Triforce apresenta um design com uma espécie de entradas de ar que estão fechadas. É bizarro.

Numa atualização casual e sem grande querer tomar grande atenção, o M5 Triforce é um bom rato. Faz o que qualquer rato faz sem qualquer problema e, se não ligarmos a características ou ao seu propósito, fantástico. Mas é difícil recomendar esta aposta da Energy Sistem quando olhamos para a oferta completa.

Gaming Mouse ESG M5 Triforce

Mesmo sem os pesos de ajuste, o M5 Triforce continua um rato pesado – 100g sem os pesos e 113g com os mesmos -, algo que não reflete o que é dito na caixa, que, por alguma razão, indica 122,5g com os pesos e 110g sem os mesmos. É estranho, especialmente quando quanto mais leve estes ratos forem, melhor.

Com taxa de polling de 1000Hz, o M5 Triforce permite o ajuste até 10mil DPI apenas através dos atalhos abaixo da roda, mas ficamos um pouco às cegas com tudo o que for relacionado com personalização. Os manuais não são claros e a falta de um software não permite a afinação de DPI, cores ou a simples personalização dos botões dos painéis amovíveis, algo que fica à mercê da nossa intuição dentro dos configuradores de controlos de cada jogo.

A aposta da Energy Sistem parece ser demasiado inocente, querendo oferecer a experiência mais completa, mas sem foco. Excluído as funções e o público-alvo, o Gaming Mouse ESG M5 Triforce é um rato competente, mas ha opções melhores se quiserem uma nova arma para elevar a experiência.

Este dispositivo foi cedido para análise pela Energy Sistem.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Far Cry 6 – A verdadeira definição de insanidade num jogo perfeitamente OK

Far Cry 6 é mais Far Cry, na soma de todos os elementos que distinguem esta saga de outros FPS em mundo aberto.

Metroid Dread – Como modernizar um género clássico

Samus regressa com um jogo completamente novo na Nintendo Switch, tão cativante como intimidante.

Industria – Uma viagem até ao passado

Um dos títulos mais consistentes do ano só vos ocupa durante uma tarde: e isto é um elogio.

Prinny Presents NIS Classics Volume 1: Phantom Brave: The Hermuda Triangle / Soul Nomad & the World Eaters – Louvado seja este título

Dois RPG de estratégia que servem de viagem ao passado, mas também de preservação do extenso catálogo da NIS.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Festival de Francesinhas chega ao Seixal pela primeira vez

De carro, de barco, de comboio, de bicicleta... Todos os caminhos vão dar ao Seixal entre os dias 4 e 14 de novembro.

Governo vai reduzir o imposto sobre os combustíveis

E vai também fazer uma monitorização permanente da evolução dos preços.

Passatempo O Último Duelo – Temos 10 convites duplos para as antestreias em Lisboa e Matosinhos

O Último Duelo chega aos cinemas nacionais a 28 de outubro.