Análise – Football Manager 2018

Chegámos àquela altura do ano em que todos os viciados em gestão e estratégia futebolística desistem da vida social para se focarem em ser os melhores treinadores de bancada. Falamos, claro, de Football Manager 2018.

- Publicidade -

Uns meses antes, os adeptos do desporto rei deliciam-se com cada nova edição de FIFA ou PES, tentando descobrir a melhor adaptação à nova jogabilidade, como fazer aquela finta mágica… Mas depois chega Football Manager para testar as nossas habilidades de treinador virtual.

Para quem não sabe, a série data de 2004, por isso, está bem amadurecida no mercado, tendo vindo a melhorar, consistentemente, a cada nova edição. Neste caso, Football Manager 2018 não traz assim tantas novidades dignas de destaque em relação à edição anterior. Basicamente, a Sports Interactive dedicou-se a refinar e simplificar as opções do jogador do que em inovar e mudar muitas das funcionalidades do jogo.

Entramos no jogo e somos logo brindados (gostemos ou não) com a música This Moment, de Chase + Status + Blossoms, para, logo depois, darmos início aos detalhes habituais. Escolher o clube, definir o físico do nosso treinador, escolher o tamanho da base de dados e entrar nos menus do costume.

Desde há alguns que a Sports Interactive tem vindo a melhorar gradualmente a interface gráfica do jogo nos menus propriamente ditos. Afinal, a série faz-se disto. E quem jogou aos títulos anteriores irá notar uma diferença substancial nas Táticas, que agora apresenta um campo com diversos quadrados, sendo que cada um deles corresponde a uma zona em específico. Por exemplo, a meio do campo, na linha da frente ou nas laterais, consegue-se perceber quais jogadores combinam melhor entre si, o que pode fazer a diferença em diversas partidas.

Mas o grande foco desta nova versão de Football Manager vai para o sistema de Dinâmica, algo que pretende aproximar mais o jogo da realidade. Na prática, “obriga-nos” a estar atentos à química entre jogadores, de modo a que consigamos perceber quais são os jogadores com mais influência no clube, como se relacionam entre si e como isso pode levar ao sucesso da equipa dentro e fora de campo.

Todos sabemos que, quando algo não está bem no seio de uma equipa, normalmente os problemas estão no balneário. Em FM 2018 também temos de estar atentos a isso, tentando, por tudo, criar um bom ambiente para unir a equipa. Há vários aspetos a ter em conta.

Por exemplo, um jogador ser novo ou veterano na equipa ou perceber se tem espírito de líder são alguns desses aspetos, cabendo a nós, treinadores, agendar reuniões e perceber o que se passa, assim como descobrir se gostam dos treinos diários ou se há algo que o clube devia melhorar.

Apesar desta ser uma excelente adição, é com o passar do tempo que percebemos que, tal como na realidade, esta nova dinâmica cai na rotina, significando que pode ajudar veteranos na equipa…. e afastar novas estrelas.

Outra grande novidade é o Centro Médico, que aqui ganhou um separador dedicado. Na prática, faz com que tenhamos acesso pormenorizado a lesões de jogadores. É aqui que conseguimos ver as baixas na equipa, assim como ficar a conhecer a condição física dos jogadores. Ou seja, lembram-se que nas anteriores edições as lesões eram constantes? Pois, estando atento à ficha médica de cada jogador, será possível minimizar essa situação.

Algo que achei irrealista no jogo, foi precisamente a área das transferências, não correspondendo, de todo, ao que seria teoricamente real. Vemos jogadores serem vendidos por milhões de forma totalmente injustificável, vemos clubes a comprar dois ou mais jogadores de bom nível para uma única posição… É difícil compreender. Se querem chegar mais perto da realidade, convém primeiro aprimorar a Inteligência Artificial do título.

Deixando as novidades de lado, percebe-se que existem muitas e muitas opções por explorar até chegarmos ao campo de jogo de Football Manager. Nesse sentido, achei bastante aborrecido o facto de demorar vários minutos para percorrer vários dias, até chegar a um jogo, fosse ele amigável ou não. Pelo meio, tive de lidar com pedidos de jogadores, propostas de compras/empréstimos/vendas, definir as camadas jovens, falar com o meu adjunto, ir à conferência de imprensa de antecipação da partida, perceber o estado moral e físico da minha equipa… Este não é mesmo um jogo para qualquer um, e só quem tem paciência para ecrãs táticos, quadros, tabelas, etc, e tudo o que envolva gestão e números é que consegue aguentar-se em FM 2018.

Resta ressalvar que, antes de entrarmos em campo, podemos dar uma palestra aos nossos jogadores, definindo as prioridades para o encontro que se segue.

Quanto ao motor gráfico, não há grandes melhorias a nível visual, mas nota-se que existe uma melhor iluminação e personagens e estádios mais trabalhados. Pessoalmente, continuo a achar que os jogadores movem-se de forma muito anedótica. Também dei conta de ouvir vários passes na bola, quando isso não acontecia na prática. Muito estranho, mas é nestes pormenores que percebemos que este não é o ponto mais forte de Football Manager.

Já o motor de jogo também tem vindo a melhorar, mas é natural que existam sempre falhas. Por exemplo, os jogadores demoram muito tempo a reagir aos nossos comandos, ou nem sequer respeitam as instruções, o que faz com que pareça que estamos a falar com uma parede. Além disso, os suplentes queixam-se constantemente que necessitam de minutos de jogo. E isso chega a ser incómodo.

Outro ponto negativo está nos guarda-redes, que continuam a sofrer golos inexplicáveis. Isto acontece até mesmo com guarda-redes com grandes habilidades, sofrendo autênticos frangos mais vezes do que o desejado.

De resto, FM 2018 está muito semelhante à edição do ano passado. Há novidades todos os anos, claro, mas nota-se que, desta vez, o objetivo foi o de facilitar a vida ao jogador, arrumando algumas tabelas e dados noutras secções.

Se se recomenda? Sim, claro. Cada nova edição traz novas interações interessantes e que podem facilitar (ou dificultar) a vida ao jogador. Caberá agora, a cada um de vós, decidir se vale a pena abdicar da vida social para uma incursão neste Football Manager 2018.

Football Manager 2018
Nota: 8/10

O jogo foi cedido para análise pela Ecoplay.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,691FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – House Flipper

House Flipper é exatamente aquilo que pensam que é – sem rodeios. Se adoram simuladores e sentem alguma curiosidade, não percam a oportunidade.

Análise – Two Point Hospital

Cheio de charme, situações hilariantes e um sistema de gestão que tornam o jogo num puzzle à sua propria maneira, Two Point Hospital é obrigatório para qualquer fã do género.

Conquista mundos gelados em SnowRunner

A Saber Interactive e a Focus home Interactive revelaram o próximo capitulo da sua série simulação todo o terreno, MudRunner.

Gestão moderna e eficiente marcam atuação da SABEMI

Uma administração moderna, eficiente, transparente e voltada para a satisfação dos seus clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores, parceiros, prestadores de...
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

2ª temporada de Batwoman estreia a 19 de janeiro na HBO Portugal

Nesta nova temporada, depois de Kate Kane desaparecer misteriosamente, Ryan Wilder (Javicia Leslie) descobre o Batsuit de Kate Kane e não faz ideia de como a sua vida está prestes a mudar drasticamente.

The Medium recebe um horripilante trailer live-action antes do lançamento

Viaja entre mundos paralelos nesta pequena curta para o novo jogo de horror.